s
Flexibilidade, comunicação clara e acordos entre lideranças e equipes podem melhorar o trabalho híbrido Crédito: Christina Morillo/Pexels
LIDERANÇA

5 tendências que vão guiar o trabalho em 2022

A nova edição do Work Trend Index aponta o que mudou e como empresas podem abordar o trabalho

Por Soraia Yoshida 21/03/2022

As áreas de Recursos Humanos, Desenvolvimento de Pessoal e People Analytics devem estar até as tampas de encarar relatórios que apontam as tendências do novo mundo do trabalho. Mas é um mal necessário. Mesmo que muitos insights sejam parecidos com o que vimos no ano passado, quando o baque da carência de profissionais foi acentuado pelo movimento de deixar/trocar de emprego (apelidado de The Great Resignation), há diferenças que podem marcar uma relação melhor com a empresa.

O recém-publicado “Great Expectations: Making Hybrid Work Work”, segunda edição do Work Trend Index da Microsoft, aponta que o movimento de trocar de emprego continua acentuado: 43% dos funcionários afirmaram que provavelmente considerarão abandonar seus empregos atuais – um aumento de 2% desde o report do ano passado. Esse índice cresce bem quando olhamos para o recorte geracional: 52% dos millennials e Zers (como são chamados os jovens da Geração Z) considerariam trocar de emprego este ano, uma alta de 3% sobre o último report.

CADASTRE-SE GRÁTIS PARA ACESSAR 5 CONTEÚDOS MENSAIS

Ao cadastrar-se você declara que está de acordo
com nossos Termos de Uso e Privacidade.

Cadastrar

Essa disposição tem muito a ver com o modelo de trabalho das organizações. O estudo indica que 50% das lideranças afirmam que suas empresas exigem ou vão exigir o retorno em período integral dos funcionários ao escritório a partir deste ano. Essa falta de flexibilidade tem sido um dos pontos de enfrentamento entre empresas e colaboradores. Nos Estados Unidos, entre os profissionais com trabalhos que podem ser feitos remotamente, 59% ainda estão cumprindo suas jornadas de casa, segundo estudo do Pew Research Center. É menos do que os 71% que se diziam remotos em outubro de 2020, mas bem acima dos 23% que trabalhavam com frequência antes da pandemia. E 60% dos trabalhadores dos que teriam condições de continuar trabalhando de casa gostariam de fazer isso o tempo todo ou a maior parte do tempo, quando a pandemia terminar.

Esse choque de vontades faz com que 52% dos trabalhadores pensem em mudar para um emprego que oferece a possibilidade de trabalho remoto ou híbrido em 2022, de acordo com o estudo da Microsoft, que ouviu mais de 31 mil pessoas em 31 países, juntamente com uma análise de trilhões de sinais de produtividade no Microsoft 365 e tendências no LinkedIn. O report destaca cinco tendências que podem ajudar as lideranças organizacionais e, principalmente, recrutadores e áreas de pessoal:

Os funcionários têm uma nova equação do “vale a pena”

Pelo menos 53% dos funcionários dizem que são mais propensos a priorizar sua saúde e bem-estar sobre o trabalho do que antes da pandemia. Na equação do que vale a pena, os colaboradores procuram mais em um emprego do que o salário. Os cinco principais aspectos do trabalho que os funcionários consideram “muito importantes” para um empregador fornecer são: cultura positiva (46%), benefícios de saúde mental/bem-estar (42%), senso de propósito/significado (40%), horário de trabalho flexível (38%) e mais do que as duas semanas padrão de férias remuneradas a cada ano (36%). Embora os jovens profissionais da Geração Z compartilhem as mesmas três prioridades, eles listam o feedback positivo e o reconhecimento como sua quarta prioridade, enquanto classificam um gerente que ajudará a avançar em sua carreira em 5° lugar.

Como a maioria dos jovens profissionais encontra empregos com salários de entrada ou menores, outra tendência que aparece é de “descolar” uma ocupação extra para complementar a renda, mas principalmente para exercitar as habilidades criativas. Pelo menos 70% dos Zers e 67% dos millennials consideram ganhar uma renda adicional por meio de um projeto ou negócio paralelo no próximo ano. Para as lideranças, isso representa um novo desafio: além de tentar atrair e reter os melhores talentos, engajar os funcionários atuais que cada vez mais projetam e definem suas carreiras em torno de atividades criativas.

Os gerentes se sentem pressionados entre a liderança e os funcionários

Aproximadamente 54% dos gerentes dizem que a liderança em suas empresas está fora de sintonia com as expectativas dos funcionários, e 74% dos gerentes dizem que não têm influência ou recursos para promover mudanças em suas equipes. Esse percentual é ainda maior para os líderes nas indústrias de manufatura (55%), varejo (54%) e bens de consumo (53%).

Ainda que a tecnologia tenha ajudado a manter as pessoas conectadas e a produtividade em alta, o medo de que isso possa se perder está influenciando esse movimento de retrocesso ao trabalho presencial. Apesar de 80% dos funcionários dizerem que são tão ou mais produtivos desde que se tornaram remotos ou híbridos, 54% dos líderes temem que a produtividade tenha sido impactada negativamente desde a mudança.

Os líderes precisam fazer com que ir ao escritório valha a pena

Pelo menos 38% dos funcionários em esquema híbrido dizem que seu maior desafio é saber quando e por que ir ao escritório. Apenas 28% dos líderes criaram acordos de equipe para definir essas novas normas. Como toda a abordagem em relação ao trabalho, vale ser flexível, mas transparente: lideranças devem esclarecer junto aos times como funciona o esquema, as regras para todos, se há exceções etc. Um modelo mais simples pode funcionar melhor.

É importante lembrar que apenas oferecer snacks e bebidas não é suficiente para atrair as pessoas de volta ao escritório, tendo de desperdiçar parte de seu dia em locomoção de casa para o trabalho e vice-versa. O escritório tem que se transformar em um espaço de troca, conhecimento e conexão, que continua na experiência digital. Para tentar melhorar a comunicação e interação, 54% das lideranças estão atualmente redesenhando espaços de reunião para trabalho híbrido ou planejam fazê-lo a partir deste ano. E apesar de 43% dos funcionários remotos e 44% dos funcionários híbridos dizerem que não se sentem incluídos nas reuniões, apenas 27% das organizações estabeleceram uma nova etiqueta de reunião de trabalho híbrido.

O trabalho flexível não significa estar “sempre online”

Após dois anos, o tempo de reunião semanal para o usuário médio do Teams aumentou 252%, e os bate-papos enviados por pessoa a cada semana aumentaram 32% — e ainda estão subindo. A boa notícia é que as reuniões estão ficando mais curtas: à medida que as pessoas encontram alternativas para a “conversa de corredor” ou “5 minutos para tomar um café”, as chamadas não programadas aumentaram 8% e agora representam 64% de todas as reuniões da ferramenta. E as reuniões com menos de 15 minutos agora compõem a maioria de todas as reuniões (60%) e estão aumentando mais do que qualquer outra duração (39% entre fevereiro de 2021 e 2022). Para as lideranças, fica o dever de casa de pensar em novas normas que incluam flexibilidade para reduzir o tempo gasto em reuniões e permitir que os funcionários desliguem do trabalho. Esse esforço deve ser de todos para estabelecer práticas de trabalho híbrido mais sustentáveis.

Enquanto a jornada de trabalho aumentou em 46 minutos, o trabalho fora do expediente cresceu 28% e no fim de semana, 14%. Os dados mostram que a mudança para o trabalho assíncrono faz parte desse novo normal. O uso mensal de gravações de reuniões que permitem que as pessoas acompanhem reuniões, treinamentos e reuniões sob demanda mais que dobrou desde março de 2020.

 

A reconstrução do capital social parece diferente em um mundo híbrido

Com 51% dos trabalhadores híbridos considerando uma mudança para o trabalho remoto a partir deste ano, as empresas precisam pensar em outras maneiras de recuperar o capital social, que não seja estar presente no escritório todos os dias. Para 43% dos líderes, a construção de relacionamentos é o maior desafio de ter funcionários trabalhando em um ambiente híbrido ou remoto.

Construir capital social é crucial para o sucesso organizacional. Os funcionários que têm relacionamentos prósperos com os membros imediatos de sua equipe relatam melhor bem-estar do que aqueles com relacionamentos ruins (76% contra 57%). Eles também relatam maior produtividade (50% contra 36%) e são menos propensos a mudar de empregador no próximo ano (61% versus 39%). Além disso, funcionários com relacionamentos bons em seu ambiente de trabalho estão mais satisfeitos com seu empregador (76%) do que aqueles sem amigos no trabalho (57%). Também se sentem mais realizados (79% versus 59%) e têm uma visão mais positiva do estresse no local de trabalho (40% versus 30%).

Como construir a segurança psicológica também no trabalho híbrido

Liderança

Como construir a segurança psicológica também no trabalho híbrido

Em um ambiente de segurança psicológica, todos sentem que podem perguntar, opinar, questionar, criticar, apontar erros e acertos, sem julgamentos

Por Soraia Yoshida
Como desenvolver a criatividade no trabalho remoto

Liderança

Como desenvolver a criatividade no trabalho remoto

Em um ambiente de trabalho remoto ou mesmo híbrido, as equipes não estão presentes todos os dias. Como desenvolver um ambiente criativo e inovador?

Por Soraia Yoshida
Como evitar a solidão no trabalho

Liderança

Como evitar a solidão no trabalho

A solidão se tornou recorrente no ambiente de trabalho, mas como outras questões ligadas ao bem-estar, pode ser trabalhada

Como identificar e trazer lifelong learners para sua empresa

Liderança

Como identificar e trazer lifelong learners para sua empresa

A mentalidade de aprendizado contínuo é a chave para adaptar, mudar, inovar, crescer

Por Soraia Yoshida
Como lideranças podem desenvolver times de alta performance

Liderança

Como lideranças podem desenvolver times de alta performance

Confiança, autonomia, comunicação, segurança psicológica, aprendizado contínuo, trabalho colaborativo: todos esses elementos entram na criação de uma equipe de alta performance. Mas a liderança tem que entender e direcionar seu tim...

Por Soraia Yoshida
Como reconstruir os encontros casuais no trabalho híbrido

Gestão

Como reconstruir os encontros casuais no trabalho híbrido

O verdadeiro obstáculo em trabalhar em casa não é a parte do “trabalho”. É a perda das partes divertidas de um local de trabalho

Por Michael Baron, The Conversation