s
Em um ambiente de segurança psicológica, todos sentem que podem perguntar, opinar, questionar, criticar, apontar erros e acertos, sem julgamentos Crédito: Pixabay

LIDERANÇA

Como construir a segurança psicológica também no trabalho híbrido

Em um ambiente de segurança psicológica, todos sentem que podem perguntar, opinar, questionar, criticar, apontar erros e acertos, sem julgamentos

Por Soraia Yoshida 18/04/2021

Antes de escrever “Questions are the Answer: A Breakthrough Approach to Your Most Vexing Problems at Work and In Life”, o guru da inovação Hal Gregersen entrevistou mais de 200 lideranças das áreas de manufatura, tecnologia, educação, iniciativas sociais e governo para “encontrar a pergunta certa”. Ele seguia os preceitos de Peter Drucker, de quem era fã. “Pois existem poucas coisas tão inúteis, senão perigosas, quanto a resposta certa para a pergunta errada”.

A abordagem de fazer perguntas para revelar falsas suposições e encontrar caminhos produtivos está diretamente ligada ao processo criativo. Para Gregersen, ser capaz de responder “eu não sei” colocava as pessoas em uma posição vulnerável. “Mas é o ponto de partida para o insight”, explicou em seu TED em 2014.

Mas fazer perguntas é parte da cultura da maioria das empresas? Não muito. Na busca pela fórmula para criação do “time perfeito”, o Google criou o Projeto Aristóteles, que concluiu, entre outros pontos, que a segurança psicológica era um elemento central para o sucesso do experimento. O Projeto Aristóteles mostrou às pessoas no Google que ninguém quer fazer “cara de trabalho” no escritório (isso foi em 2016, muito antes da pandemia), deixar sua personalidade em casa. Para se sentir “psicologicamente seguro”, cada um tem que sentir liberdade para compartilhar coisas que assustam, sem medo de recriminações. E não se concentrar apenas em eficiência. Trabalho tem que ser mais do que apenas trabalho.

Conteúdo exclusivo para membros da The Shift

Aproveite a promoção e assine

“O RH tem que ser um criador de capacidades”

Entrevista

“O RH tem que ser um criador de capacidades”

Há mais de cinco anos, Ludymila Pimenta criou a RHlab para ser um laboratório de soluções inovadoras em gestão de gente, mas com potencial de desenvolver talentos e lideranças

Por Soraia Yoshida
Como manter o social no trabalho (sem fazer social)

Liderança

Como manter o social no trabalho (sem fazer social)

Sem almoços ou cafés para compartilhar, sem comentários no escritório, ainda assim é possível construir relacionamentos dentro da empresa

Por Soraia Yoshida
É hora de voltar ao escritório?

Liderança

É hora de voltar ao escritório?

Qualquer RH ou liderança que proponha essa ideia tem que estar preparado para a sensação de choque que certamente virá da maior parte dos colaboradores

Por Soraia Yoshida
Engajamento na era do trabalho remoto: qual é a sua estratégia?

Liderança

Engajamento na era do trabalho remoto: qual é a sua estratégia?

As organizações que aproveitarem melhor as experiências de trabalho remoto para planejar sua proposta de trabalho híbrido/remoto serão capazes de engajar mais os colaboradores

Por Soraia Yoshida
Nunca foi tão importante aprender a desaprender

Liderança

Nunca foi tão importante aprender a desaprender

Em um cenário como o de 2021, com a necessidade de crescimento, aquilo que deu certo antes pode não funcionar mais. É preciso mudar

Por Soraia Yoshida
Quer mais inovação nos negócios? Promova o trabalho colaborativo

Liderança

Quer mais inovação nos negócios? Promova o trabalho colaborativo

Promover o espírito colaborativo dentro das equipes – trabalhem elas em formato de squad ou grupos multidisciplinares – é papel da liderança

Por Soraia Yoshida