s
Em um mercado mais automatizado e digital, todos os trabalhadores vão se beneficiar de um conjunto fundamental de competências e habilidades Crédito: Shutterstock
TRABALHO REMOTO

As habilidades da força de trabalho do século 21

Em um mercado mais automatizado e digital, todos os trabalhadores vão se beneficiar de um conjunto fundamental de competências e habilidades

Por Soraia Yoshida 19/07/2021

De acordo com um relatório da McKinsey, dentro da década, “75 milhões a 375 milhões de trabalhadores podem precisar mudar de categoria ocupacional e aprender novas habilidades”. Dados do relatório “How Robots Change the World”, da Oxford Economics indicam que mais de 8% da “força de trabalho de manufatura global deve ser substituída por robôs” até 2030. Em cerca de 60% das ocupações, mais de 30% das atividades poderiam ser automatizadas nos próximos dez anos, segundo a McKinsey.

Já o relatório  “Work 2035“, da Citrix, aponta que quando chegarmos a 2035, tecnologia e Inteligência Artificial (IA) estarão no centro do mundo do trabalho: 91% dos profissionais entrevistados acreditam que até lá sua organização gastará mais em tecnologia e IA do que em trabalhadores humanos. E 90% dos líderes empresariais acreditam que o investimento em desenvolvimento e aplicações de IA será o maior impulsionador de crescimento para sua organização.

Alguns trabalhos serão, é claro, especializados. Mas em um mercado mais automatizado e digital, todos os trabalhadores vão se beneficiar de um conjunto fundamental de competências e habilidades para cumprir três critérios:

Receba grátis nossa newsletter
  • Agregar valor além do que pode ser feito por sistemas automatizados e máquinas inteligentes
  • Operar em um ambiente digital
  • Adaptar-se continuamente a novas formas de trabalho e novas ocupações

Em um white paper que reúne dados de uma pesquisa com 18.000 pessoas em 15 países, os especialistas e consultores Marco Dondi, Julia Klier, Frédéric Panier e Jörg Schubert, da McKinsey, identificaram 56 capacidades, habilidades e atitudes (que eles chamaram de DELTAs na pesquisa). Os autores começaram com quatro categorias amplas de habilidades – cognitiva, digital, interpessoal e autoliderança – em seguida, identificaram 13 grupos de habilidades pertencentes a essas categorias. Comunicação e flexibilidade mental são dois grupos de habilidades que pertencem à categoria cognitiva, por exemplo, enquanto a eficácia do trabalho em equipe pertence à categoria interpessoal.

 

Dentro das capacidades cognitivas, o pensamento crítico, a comunicação, o planejamento do trabalho e a flexibilidade mental compreendem habilidades como buscar informações relevantes, resolução de problemas de maneira estruturada, pensamento ágil, priorização de tarefas, adaptabilidade, saber fazer as perguntas certas e mostrar capacidade de aprender e de criar.

Nas habilidades digitais entram alfabetização e aprendizagem digital, análise de dados, pensamento algorítmico e computacional, sistemas inteligentes, alfabetização de cibersegurança, entre outros.

A pesquisa apontou que dois grupos de habilidades na categoria Digital – uso e desenvolvimento de software e compreensão de sistemas digitais – tiveram os resultados mais baixos. Isso é bem preocupante, considerando a aceleração com que a automação está chegando às empresas, especialmente depois da pandemia.

O que não foi surpresa: participantes com maior nível de escolaridade estão mais bem preparados para mudanças no ambiente de trabalho. Isso não significa, porém, que um nível de educação mais alto está associado a uma proficiência mais alta em todas as habilidades, competências e atitudes. Olhando para autoliderança e capacidades interpessoais, por exemplo, ter “autoconfiança”, “saber lidar com a incerteza”, “ter coragem para assumir riscos”, “ter empatia” e saber como “resolver conflitos”, não houve associação com educação.

A pergunta que fica é: como ajudar trabalhadores a se prepararem para empregos que nem existem ainda? A melhor pergunta, segundo James Rhyu, do conselho da Forbes, é como garantir que a automação atenda melhor às necessidades educacionais e de força de trabalho, que mudam rapidamente?

Rhyu sugere quatro maneiras de apoiar o objetivo comum de usar a automação em nosso benefício:

1.Formar mais parcerias entre empresas e instituições educacionais para garantir que os alunos do ensino médio estejam mais bem preparados para empregos em setores de alta demanda e alto crescimento, como tecnologia da informação e saúde.

2.Investir em mais iniciativas de desenvolvimento da força de trabalho, como programas de upskilling e reskilling para ajudar a reequipar e retreinar os trabalhadores que estão em maior risco de perda de empregos devido à automação.

3.Apoiar opções de aprendizagem inovadoras, como a aprendizagem baseada em projetos, para ajudar os alunos do ensino médio a imitar o ambiente de trabalho do mundo real e aprender habilidades à prova de automação, como trabalho em equipe e colaboração.

4.Criar mais oportunidades de aprendizagem remuneradas e online, como estágios, aprendizagens e experiências de acompanhamento de empregos para estudantes do ensino médio e profissionais interessados ​​em fazer uma mudança de carreira.

 

 

10 empregos do futuro que estão em alta hoje

Tendências

10 empregos do futuro que estão em alta hoje

Novas funções estão sendo demandadas para dar conta da aceleração no processo de transformação digital trazida pela pandemia

Por Redação The Shift
6 sinais de mudanças para o futuro das organizações

Inovação

6 sinais de mudanças para o futuro das organizações

As organizações devem estar atentas às possibilidades de novos negócios

Por Redação The Shift
A causa da fadiga do Zoom - e o que fazer para evitar

Trabalho Remoto

A causa da fadiga do Zoom - e o que fazer para evitar

Um estudo da Universidade de Stanford aponta a existência de pelo menos quatro efeitos que o uso contínuo de videochamadas causam em nosso cérebro

Por Soraia Yoshida
Como as lideranças podem promover a cultura digital

Transformação Digital

Como as lideranças podem promover a cultura digital

Você pode transformar seus produtos sem primeiro transformar seus serviços? Mas você pode fazer qualquer um desses sem primeiro transformar seus sistemas?

Por Soraia Yoshida
Como construir a segurança psicológica também no trabalho híbrido

Liderança

Como construir a segurança psicológica também no trabalho híbrido

Em um ambiente de segurança psicológica, todos sentem que podem perguntar, opinar, questionar, criticar, apontar erros e acertos, sem julgamentos

Por Soraia Yoshida
Como identificar e trazer lifelong learners para sua empresa

Liderança

Como identificar e trazer lifelong learners para sua empresa

A mentalidade de aprendizado contínuo é a chave para adaptar, mudar, inovar, crescer

Por Soraia Yoshida