s
Em vez de dividir o foco com o processual, os líderes se concentrarão em pensar estratégias para melhorar serviços e negócios e, principalmente, como vão gerenciar os integrantes de suas equipes Crédito: Unplash
TENDÊNCIAS

Se automatizar, o que vai sobrar para os líderes?

Em vez de dividir o foco com o processual, os líderes se concentrarão em pensar estratégias para melhorar serviços e negócios e, principalmente, como vão gerenciar os integrantes de suas equipes

Por Soraia Yoshida 31/01/2022

2022 nem começou e já carrega marcas de um nível de volatilidade bem alto. Enquanto as muitas organizações adiam seus planos de retorno ao escritório, outras que chamaram suas equipes de volta no final do ano passado estão revendo suas posições. Muitas companhias enfrentam ainda problemas na cadeia de suprimento. E muitos trabalhadores estão repensando a maneira como trabalham e como esperam ser tratados.

Da mesma forma que existe uma questão em torno de possíveis vieses que as lideranças possam desenvolver em relação a colaboradores que preferem ficar em casa, enquanto outros se dispõem a ir para o escritório – criando uma desigualdade em torno de onde, quando e quanto se espera do funcionário e para quem vão as promoções –, a tendência de automação no mundo do trabalho avança também nos ambientes em que predominam os chamados knowledge workers”, os profissionais cujo maior capital é intelectual. E não apenas nos níveis de entrada: estamos falando de gerentes e de líderes de área. Tarefas como relatórios e controle da equipe e projetos já contam com ferramentas colaborativas que estão ficando ainda melhores e brevemente serão capazes de, apontam estudos, fazer um feedback. O que levanta a questão: o que vai sobrar para os líderes?

Automação está chegando

No artigo “11 Trends that Will Shape Work in 2022 and Beyond”, Brian Kropp e Emily Rose McRae, do Gartner HR Practice, apontam entre as tendências que vão pegar mais forte este ano a automação de tarefas gerenciais. “Nossa pesquisa mostra que até 65% das tarefas que um gerente faz atualmente têm potencial para serem automatizadas até 2025”, escrevem os especialistas. Basicamente todo o trabalho centrado em acompanhamento de tarefas, checagem de projetos, até mesmo apresentações entrariam nessa lista.

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis e tenha acesso a 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

Como construir a segurança psicológica também no trabalho híbrido

Liderança

Como construir a segurança psicológica também no trabalho híbrido

Em um ambiente de segurança psicológica, todos sentem que podem perguntar, opinar, questionar, criticar, apontar erros e acertos, sem julgamentos

Por Soraia Yoshida
Como desenvolver a criatividade no trabalho remoto

Liderança

Como desenvolver a criatividade no trabalho remoto

Em um ambiente de trabalho remoto ou mesmo híbrido, as equipes não estão presentes todos os dias. Como desenvolver um ambiente criativo e inovador?

Por Soraia Yoshida
Como identificar e trazer lifelong learners para sua empresa

Liderança

Como identificar e trazer lifelong learners para sua empresa

A mentalidade de aprendizado contínuo é a chave para adaptar, mudar, inovar, crescer

Por Soraia Yoshida
Como lideranças podem desenvolver times de alta performance

Liderança

Como lideranças podem desenvolver times de alta performance

Confiança, autonomia, comunicação, segurança psicológica, aprendizado contínuo, trabalho colaborativo: todos esses elementos entram na criação de uma equipe de alta performance. Mas a liderança tem que entender e direcionar seu tim...

Por Soraia Yoshida
Como lideranças podem evitar o viés de comportamento

Liderança

Como lideranças podem evitar o viés de comportamento

Por falta de tempo e pelas características das reuniões digitais, a tendência é julgar situações por conta própria e assumir que falta engajamento e vontade de fazer

Por Soraia Yoshida
Como liderar em tempos de mudanças constantes?

Liderança

Como liderar em tempos de mudanças constantes?

O mindset é essencial para que os times possam ver as mudanças como algo positivo. Elise Mitchell indica estratégias para criar um ambiente favorável a esses desafios

Por Marina Hortélio