s
Foto: Unsplash
DIVERSIDADE

Palavras têm poder. A linguagem inclusiva também em tech

Hora de revisitar os termos e palavras de tecnologia que podem reforçar preconceito racial ou outro preconceito discriminatório. A Universidade de Washington criou uma lista com 85 deles.

Por Silvia Bassi 27/01/2022

Lugar de fala, apropriação cultural, práticas corporativas inclusivas, diversidade, equidade… Pois é, o mundo ficou mais complexo por vários bons motivos, e as empresas correm para corrigir falhas que deveriam ter sido resolvidas há muito tempo. Um dos desafios atuais nesse contexto é o uso apropriado de palavras e termos que não reforcem preconceito racial ou outro preconceito discriminatório.

Escrever de forma inclusiva dá trabalho. Fazer o rebranding de marcas famosas para eliminar de seus nomes algum tipo de preconceito ou para sair de uma saia justa, também. Vamos combinar que estamos todos praticando a “desaprendizagem” quando se trata de repensar a comunicação corporativa e a conversa no workplace. Ninguém está isento dessa desaprendizagem, inclusive as empresas de tecnologia.

A área de Tecnologia da Informação da Universidade de Washington levou a sério a tarefa de revisar a linguagem e os termos da tecnologia e criou o primeiro Guia de Linguagem Inclusiva para software e outras áreas de conteúdo ligadas à tecnologia da informação. O guia é uma criação coletiva e teve participação também de outras universidades e de representantes de empresas do setor.

CADASTRE-SE GRÁTIS PARA ACESSAR 5 CONTEÚDOS MENSAIS

Ao cadastrar-se você declara que está de acordo
com nossos Termos de Uso e Privacidade.

Cadastrar

O resultado é uma lista inicial com 85 palavras e expressões em uso na TI classificadas como racistas, ageístas, sexistas, homofóbicas e discriminatórias contra pessoas com deficiência, entre outros itens. O trabalho dos pesquisadores foi de classificar as palavras, idenficar potenciais substitutas e explicar porque elas carregam algum tipo de preconceito, inclusive localizando a origem histórica do termo. E como TI é uma linguagem universal, muitas delas fazem parte do nosso repertório também. Portanto, veja alguns exemplos:

  • Servidor master/slave (mestre-escravo) – essa é meio óbvia, claro, e já vem sendo endereçada pelo GitHub e pela Microsoft. Alternativas possíveis: servidor primário, servidor secundário
  • BlackBox/whitebox – mudar para visível/invisível é uma das sugestões
  • Whitelist/Blacklist – mesmo princípio de se aplica, já que o termo black é usado com uma conotação negativa
  • Hacker BlackHat para o mal, e WhiteHat para o bem – não mais. Sugestão: hacker ético e hacker não-ético
  • Ninja/guru – trocar por expert. Por quê? Porque sinaliza apropriação cultural e, na maioria das vezes, refere-se apenas a homens

A lista segue abordando vários termos, como cakewalk, por exemplo, que têm origem no passado escravagista dos Estados Unidos, ou jerry-rigged, associado de forma pejorativa aos alemães durante as grandes guerras mundiais, ou red team, que remete à Rússia no período da Guerra Fria, e que deveriam ser eliminados. Veja alguns exemplos que podem não ter entrado no seu radar:

  1. Cakewalk – usado para definir uma vitória ou tarefa fácil. Porque não usar: o termo cakewalk remete a uma dança pré-Guerra Civil realizada por pessoas escravizadas, que daria um bolo (cake) a quem vencesse
  2. Grandfather – caracteriza legado ou regras mais antigas de TI. Porque não usar: porque era usada em 1890, no sul dos Estados Unidos, como forma de driblar a 15a Emenda e impedir pessoas negras de votar.
  3. Mob programming – usado para definir uma tarefa de programação em que todo o time se envolve. Porque não usar: porque o termo mob é pejorativo e historicamente está associado a preconceito racial caracterizando negativamente as pessoas do grupo.
  4. peanut gallery – define assentos ou alas de um auditório que têm ingresso mais barato. Porque não usar: porque o termo se referia, no passado, aos lugares reservados a escravos e pessoas de origem afroamericana.
  5. cripple – parte danificada de um programa ou equipamento com defeito. Porque não usar: porque é uma palavra usada para identificar pessoas com deficiência de forma pejorativa.
  6. man-in-the-middle – na área de cibersegurança refere-se a ataques nos quais o criminoso está inserido entre duas máquinas que se comunicam sem perceber sua presença. Porque não usar: termo sexista porque a palavra homem é não inclusiva.
  7. Mom/girlfriend test – geralmente usada para definir testes de usabilidade e facilidade. Porque não usar: porque é totalmente sexista e ageísta e parte do princípio de que mulheres (mãe ou namorada) têm habilidades reduzidas frente a outras pessoas.

Parece exagero? Não necessariamente. O escritor John Koenig, autor do livro “The Dictionary of Obscure Sorrows“, diz em entrevista à McKinsey que o mundo ainda precisa que inventemos muitas palavras (coisa que ele faz no livro), pois em um mundo de mudança contínua não temos um estoque preciso de “palavras reais” que possam expressar novos sentimentos, novos movimentos culturais e novos valores.

“A palavra robô não existia até que alguém a inventasse. Assim como a palavra nerd foi criada pelo Dr. Seuss porque ele precisava de uma rima”, brinca Koening. “Agora é hora de definir o mundo como o vemos, e ele está muito mais complexo, multifacetado e delicado”.

Links úteis

A inclusão é disruptiva

Entrevista

A inclusão é disruptiva

Carolina Ignarra, sócia fundadora da Talento Incluir e formada em Educação Física, trabalha para apoiar a inclusão de pessoas com deficiência como profissionais e também como consumidores, em mais de 300 empresas.

Por Silvia Bassi
A reinvenção corporativa passa pela ausência de regras

Entrevista

A reinvenção corporativa passa pela ausência de regras

Erin Meyer, coautora do livro "A regra é não ter regras", sobre a cultura da Netflix, conta como ter empresas inovadoras, flexíveis, inclusivas e diversas, jogando fora o livro de regras. Você consegue?

Por Silvia Bassi
A tecnologia que faz surdos e ouvintes se entenderem

Inteligência Artificial

A tecnologia que faz surdos e ouvintes se entenderem

Com o uso de Inteligência Artificial, a startup alagoana Hand Talk traduz português e inglês em línguas de sinais. O propósito é reduzir as barreiras de comunicação entre surdos e ouvintes, como conta o CEO Ronaldo Tenório

Por Marina Hortélio
A transformação da força de trabalho

Inovação

A transformação da força de trabalho

As organizações estão olhando para sua força de trabalho pelas habilidades e como um ecossistema que inclui colaboradores externos.

Por Soraia Yoshida
Ale Santos imagina futuros com tecnologia e protagonismo negro

Entrevista

Ale Santos imagina futuros com tecnologia e protagonismo negro

Escritor afrofuturista, comunicador digital e especialista em gamificação, Ale Santos questiona o desenvolvimento tecnológico que ignora desigualdades

Por João Ortega
As razões por trás do trainee para negros do Magazine Luiza

Carreira

As razões por trás do trainee para negros do Magazine Luiza

O gigante do e-commerce gerou polêmica ao anunciar um programa de trainee exclusivo para candidatos negros. As motivações para criar o processo seletivo vão além da reparação histórica

Por João Ortega
Como construir a segurança psicológica também no trabalho híbrido

Liderança

Como construir a segurança psicológica também no trabalho híbrido

Em um ambiente de segurança psicológica, todos sentem que podem perguntar, opinar, questionar, criticar, apontar erros e acertos, sem julgamentos

Por Soraia Yoshida
Como sua empresa pode atrair e reter talentos

Liderança

Como sua empresa pode atrair e reter talentos

Em um mercado em que grandes profissionais estão sendo disputados até por empresas fora do país, as companhias precisam entender o que pode atrair e reter talentos

Por Soraia Yoshida
Como tornar o recrutamento de talentos mais diverso (de verdade)

Carreira

Como tornar o recrutamento de talentos mais diverso (de verdade)

Uma parte das empresas já enxerga que tornar seu recrutamento mais diverso e inclusivo é uma mudança necessária com enormes ganhos no longo prazo

Por Soraia Yoshida
Cristina Palmaka: disrupção é uma maratona

Entrevista

Cristina Palmaka: disrupção é uma maratona

Nem glass ceiling, nem glass cliff. Para Cristina Palmaka, presidente da SAP Brasil há seis anos e uma das poucas mulheres a ocupar esse tipo de posto no país, o negócio é encarar desafios e assumir o protagonismo.

Por Silvia Bassi
Mulheres na liderança: cadê a mudança?

Diversidade

Mulheres na liderança: cadê a mudança?

A pesquisa apontou que mesmo quando as mulheres sem saem muito bem em posições de poder, ainda assim não têm seu trabalho devidamente reconhecido

Por Redação The Shift
O algoritmo vai te cancelar?

O Shift da Questão

O algoritmo vai te cancelar?

As pessoas e os algoritmos estão cada vez mais envolvidos em processos interativos em que nem o ser humano nem os algoritmos recebem dados imparciais

Por Cristina De Luca, João Ortega, Marina Hortélio, Silvia Bassi e Soraia Yoshida