s
drobotdean

CARREIRA

As razões por trás do trainee para negros do Magazine Luiza

O gigante do e-commerce gerou polêmica ao anunciar um programa de trainee exclusivo para candidatos negros. As motivações para criar o processo seletivo vão além da reparação histórica

Por João Ortega 29/09/2020

Um mês depois de divulgar o balanço do segundo trimestre, que comprova o crescimento da companhia durante a pandemia, o Magazine Luiza lançou um programa de trainee exclusivo para candidatos negros. A iniciativa gerou polêmica nas redes sociais e no ambiente corporativo em geral. O debate girou em torno da questão: o novo processo seletivo do Magalu é racista? 

A decisão do Ministério Público do Trabalho é de que não: o programa de trainee, para o órgão, é uma “ação afirmativa de reparação histórica”. Diminuir a lacuna entre brancos e negros, enraizada no mundo corporativo após séculos de racismo estrutural, é de fato a motivação mais clara para a iniciativa da empresa. Mas há outras razões para a iniciativa do Magalu. 

1- Reparação histórica

Dentre os 40 mil funcionários da companhia, cerca de metade se declaram negros ou pardos. No entanto, em cargos de liderança são apenas 14%. No conselho administrativo não há nenhum. Estes dados por si só representam a disparidade na hierarquia do Magalu. 

Conteúdo exclusivo para membros da The Shift

Experimente grátis por 30 dias

Diversidade que move a inovação

Entrevista

Diversidade que move a inovação

Nesta edição, conversamos com Christiane Silva Pinto, gerente de marketing do Google Brasil e fundadora do AfroGooglers, e com o consultor em diversidade e cofundador da AFAR Ventures Paulo Rogério Nunes

Por João Ortega
Por mais mulheres na liderança

Carreira

Por mais mulheres na liderança

No mundo corporativo, um levantamento indica que apenas 46% se dizem plenamente confortáveis com uma mulher como chefe. Em organizações brasileiras, o número cai para 43%

Por Redação The Shift
Um futuro promissor para o trabalho

Entrevista

Um futuro promissor para o trabalho

Desde que fundou a Get Ninjas em 2011, Eduardo L'Hottelier abriu um novo caminho para 1,7 milhão de profissionais autônomos que passaram a ter acesso a uma plataforma digital que une clientes a serviços

Por João Ortega