s
Cristina Palmaka Presidente da SAP Brasil (divulgação)
ENTREVISTA

Cristina Palmaka: disrupção é uma maratona

Nem glass ceiling, nem glass cliff. Para Cristina Palmaka, presidente da SAP Brasil há seis anos e uma das poucas mulheres a ocupar esse tipo de posto no país, o negócio é encarar desafios e assumir o protagonismo.

Por Silvia Bassi 22/11/2019

Nem glass ceiling, nem glass cliff. Para Cristina Palmaka, presidente da SAP Brasil há seis anos e uma das poucas mulheres a ocupar esse tipo de posto no país, o negócio é encarar desafios e assumir o protagonismo. "Vai lá faz e não dependa de ninguém. Eu fui criada nesse espírito. Eu sempre achei que isso era o normal. Então quando eu vim para o mundo corporativo eu sempre achei que era assim".

Mas ela sabe que não é bem assim, e tem assumido o protagonismo na discussão da necessidade de ter empresas que pratiquem a inclusão e a diversidade não só com as mulheres mas com todas as minorias. E isso passa por mudar o modelo mental das empresas no mundo todo. "Quando você aceita uma diversidade as outras vêm. No final do dia não é ou A, ou B, ou C. Você abre um mindset de respeito. Cultura é a parte mais importante das companhias. Você abre uma cultura de inclusão".

Com 35 anos de carreira (vai completar na próxima semana), Cristina Palmaka corre. Corre nas maratonas, parte da sua vida nos últimos 18 anos (foram 13 até agora), e para fazer da disrupção parte do dia a dia da sua empresa e dos clientes. "Disrupção é alguma coisa que te dá frio na barriga. Às vezes você tem de se desapegar e ter fé que vai dar certo. Sua experiência no passado ajuda, mas de vez em quando é preciso questionar toda essa experiência do passado para se reinventar".

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis e tenha acesso a 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

Entrevista

"As mulheres não são convidadas para fazer parte da panelinha dos bo...

Cynthia Hobbs, CFO do GetNinjas, faz parte de um grupo reduzido de mulheres que procuram ampliar a presença feminina no alto escalão das companhias e nos conselhos das empresas

Ela comprou a luta contra o desperdício de energia elétrica

Entrevista

Ela comprou a luta contra o desperdício de energia elétrica

Para a brasiliense Viviane Cabral, CEO da Zinng, está mais que na hora das empresas brasileiras se conscientizarem que investir em eficiência energética é investir em aumento de produtividade

A Diferente quer te fazer comer melhor sem desperdiçar comida

Entrevista

A Diferente quer te fazer comer melhor sem desperdiçar comida

A foodtech une um serviço de assinatura com a recuperação de frutas, verduras e legumes fora do padrão, que seriam descartados, para ampliar o acesso aos orgânicos

Por Marina Hortélio
Um brasileiro nos bastidores da Bolsa de Nova York

Entrevista

Um brasileiro nos bastidores da Bolsa de Nova York

Alex Ibrahim, chefe de mercados internacionais da NYSE, sabe antes de muita gente quem vai fazer um IPO. Nessa entrevista, ele fala de Brasil, de América Latina e de como um IPO exige fôlego dos founders

Entrevista

"Sem um espaço para compartilhar vivências, com quem esse jovem vai...

As organizações precisam reimaginar e reconstruir espaços virtuais para que jovens profissionais que estão chegando ao mercado possam aprender e se desenvolver, diz a neurocientista Ana Carolina Souza

Entrevista

"O setor de construção está começando um ciclo de mudança"

E nesse ciclo entram novos modelos de construção e venda de imóveis, oportunidades de novos negócios e de reinventar o relacionamento com o cliente, diz Eduardo Fischer, CEO da MRV