s
Uma parte das empresas enxerga que tornar o recrutamento mais diverso e inclusivo é uma mudança necessária Crédito: Pixabay
CARREIRA

Como tornar o recrutamento de talentos mais diverso (de verdade)

Uma parte das empresas já enxerga que tornar seu recrutamento mais diverso e inclusivo é uma mudança necessária com enormes ganhos no longo prazo

Por Soraia Yoshida 25/10/2021

Contratar é para ontem. Mas aumentar as probabilidades de que os funcionários contratados fiquem mais tempo na empresa, esse sim é o ponto principal. Para isso, muitos CEOs estão se envolvendo mais nas discussões de como a organização deve buscar esses candidatos, quais são as habilidades que devem ter, o que trazer para o processo e o que deixa de ser relevante. Que tipo de candidato a empresa está buscando? O que a empresa espera de seus candidatos? Quais habilidades são as mais desejadas? E, mais do que nunca, como ampliar o escopo do processo para que seja mais diverso e inclusivo?

“Olhando para o mercado, dá para ver que existe uma sede e uma vontade muito grandes de fazer e falar sobre diversidade e inclusão, mas antes de uma empresa começar a pensar num processo seletivo para não cair em nenhum viés e quebrar alguns modelos de praxe em processo seletivo, a gente tem que voltar atrás e entender o quanto a empresa está disposta ou o gestor está disposto a realmente entender o que faz uma empresa mais diversa e inclusiva”, explica Débora Ribeiro, Gerente de Parcerias da consultoria Robert Half. Segundo ela, as pessoas envolvidas nessa mudança de abordagem na contratação e no processo de seleção terão de buscar literatura para entender o porquê do preconceito estrutural, a história de cada comunidade, por que a sociedade tem funcionado dessa forma até agora, por que a discussão esquentou sobre inclusão e diversidade. “É preciso estudar para tentar entender quais são os vieses inconscientes para criar uma comunicação cada vez mais inclusiva. E isso tudo deve vir muito antes de iniciar o processo seletivo”, avisa.

Com mais de oito anos de atuação no segmento de recrutamento e seleção, Débora vem estudando há algum tempo e buscando certificações para tratar das questões de diversidade e inclusão – incluindo a colocação de pessoas trans, de que se tem pouca literatura. “Não adianta nada as empresas pensarem em ações para trazer diversidade e inclusão e continuar buscando candidatos no LinkedIn, se questionando como fazer para saber se a pessoa é gay, por exemplo. É preciso ter muito calma e estudar para entender”, defende ela. Essa “pressa”, ainda que compreensível para atender aos anseios da companhia para se tornar mais inclusiva e diversa, podem resultar em ações pouco pensadas e, pior, vender uma imagem que não corresponde à realidade. “É melhor a empresa admitir que não tem uma estratégia para tornar a empresa diversa e está trabalhando nisso do que dizer que é diversa, fazer barulho em cima disso, mas no dia a dia não faz nem ideia do que está sendo falado”, conclui Débora.

Conteúdo exclusivo para membros da The Shift

Aproveite a promoção e assine

Como construir a segurança psicológica também no trabalho híbrido

Liderança

Como construir a segurança psicológica também no trabalho híbrido

Em um ambiente de segurança psicológica, todos sentem que podem perguntar, opinar, questionar, criticar, apontar erros e acertos, sem julgamentos

Por Soraia Yoshida
Como desenvolver a criatividade no trabalho remoto

Liderança

Como desenvolver a criatividade no trabalho remoto

Em um ambiente de trabalho remoto ou mesmo híbrido, as equipes não estão presentes todos os dias. Como desenvolver um ambiente criativo e inovador?

Por Soraia Yoshida
Como identificar e trazer lifelong learners para sua empresa

Liderança

Como identificar e trazer lifelong learners para sua empresa

A mentalidade de aprendizado contínuo é a chave para adaptar, mudar, inovar, crescer

Por Soraia Yoshida
Como lideranças podem desenvolver times de alta performance

Liderança

Como lideranças podem desenvolver times de alta performance

Confiança, autonomia, comunicação, segurança psicológica, aprendizado contínuo, trabalho colaborativo: todos esses elementos entram na criação de uma equipe de alta performance. Mas a liderança tem que entender e direcionar seu tim...

Por Soraia Yoshida
Como lideranças podem evitar o viés de comportamento

Liderança

Como lideranças podem evitar o viés de comportamento

Por falta de tempo e pelas características das reuniões digitais, a tendência é julgar situações por conta própria e assumir que falta engajamento e vontade de fazer

Por Soraia Yoshida
Como montar um time cognitivamente mais diverso

Diversidade

Como montar um time cognitivamente mais diverso

A diversidade dentro de uma organização pode estar no processo mental, ou seja, no modelo cognitivo de quem pensa de um jeito diferente do seu

Por Soraia Yoshida