s
Segundo estudo do Gartner, a cultura é mais importante em um modelo de trabalho híbrido do que em um modelo de trabalho na presencial na opinião dos líderes de RH Crédito: Pexels
TENDÊNCIAS

Cultura da empresa: conexão está no trabalho, não no escritório

As organizações devem identificar oportunidades para que os funcionários se sintam conectados à cultura por meio da nova constante cultural: o próprio trabalho

Por Soraia Yoshida 30/05/2022

Todo mundo que trabalha com RH deve estar se sentindo entre dois martelos que batem sem parar: de um lado, as empresas que querem os funcionários de volta ao escritório o mais rápido possível; do outro, os colaboradores que entenderam que é possível trabalhar em casa e ter ganhos em qualidade de vida e produtividade, graças à flexibilização do trabalho. Na disputa está a cultura da organização. As lideranças de Recursos Humanos enfrentam mais essa maré de mudança, de tentar acomodar, adaptar ou repensar a cultura para o modelo híbrido de trabalho.

Acha pouco? A disputa está apertada e fica difícil prever para onde vai o pêndulo. Os chamados trabalhadores do conhecimento – aqueles que usam habilidades de comunicação de alto nível para trabalhar de forma independente e colaborativa para realizar tarefas complexas, geralmente usando tecnologia – estão refazendo suas escolhas de vida e deixando empresas com as quais não sentem mais afinidade de valores para trabalhar por conta ou simplesmente mudam para outra empresa. Great Resignation, todos já ouvimos falar. Para reter e atrair talentos, as companhias estão se mostrando mais flexíveis, desenvolvendo melhores experiências do colaborador. O problema é que estão deixando o trabalho pesado, que é reimaginar e reinventar a cultura organizacional, para depois.

Para essas lideranças que estão postergando, pesquisas como “Culture in a Hybrid World”, publicada recentemente pelo Gartner, servem para justificar seu ponto de vista: de que sem a presença dos funcionários diariamente no escritório, tomando cafezinho e conversando nos corredores, não há cultura que aguente. O estudo aponta que apenas 24% dos trabalhadores do conhecimento que estão no sistema híbrido ou remoto dizem se sentir conectados à cultura de sua organização.

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis e tenha acesso a 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

Como construir a segurança psicológica também no trabalho híbrido

Liderança

Como construir a segurança psicológica também no trabalho híbrido

Em um ambiente de segurança psicológica, todos sentem que podem perguntar, opinar, questionar, criticar, apontar erros e acertos, sem julgamentos

Por Soraia Yoshida
Como identificar e trazer lifelong learners para sua empresa

Liderança

Como identificar e trazer lifelong learners para sua empresa

A mentalidade de aprendizado contínuo é a chave para adaptar, mudar, inovar, crescer

Por Soraia Yoshida
Como lideranças podem desenvolver times de alta performance

Liderança

Como lideranças podem desenvolver times de alta performance

Confiança, autonomia, comunicação, segurança psicológica, aprendizado contínuo, trabalho colaborativo: todos esses elementos entram na criação de uma equipe de alta performance. Mas a liderança tem que entender e direcionar seu tim...

Por Soraia Yoshida
Como montar um time cognitivamente mais diverso

Diversidade

Como montar um time cognitivamente mais diverso

A diversidade dentro de uma organização pode estar no processo mental, ou seja, no modelo cognitivo de quem pensa de um jeito diferente do seu

Por Soraia Yoshida
Como reconstruir os encontros casuais no trabalho híbrido

Gestão

Como reconstruir os encontros casuais no trabalho híbrido

O verdadeiro obstáculo em trabalhar em casa não é a parte do “trabalho”. É a perda das partes divertidas de um local de trabalho

Por Michael Baron, The Conversation
Como se transformar em uma organização de aprendizagem

Gestão

Como se transformar em uma organização de aprendizagem

Uma organização que aprende é uma organização hábil em criar, adquirir e transferir conhecimento e em modificar seu comportamento para refletir novos conhecimentos e insights