s
A pergunta que não quer calar quando se fala em Experiência do Colaborador: Como os colaboradores estão vivenciando seu local de trabalho? Crédito: Christina Morillo/Pexels
TENDÊNCIAS

Experiência do colaborador: precisamos olhar para EX

A boa ou a má experiência de um trabalhador pode influenciar sua decisão de mudar de emprego, voltar para uma empresa na qual trabalhou e a probabilidade de recomendar uma organização para outros talentos

Por Soraia Yoshida 09/05/2022

A Starbucks anunciou que investirá US$ 1 bilhão para aprimorar a experiência dos colaboradores (employee experience ou simplesmente EX) dentro da empresa. Isso inclui, segundo o CEO Howard Schultz, treinamento e colaboração modernizados, inovação nas lojas e aumento salarial. Sim, o objetivo final é oferecer maior lucratividade, mas a preocupação é dar aos clientes uma “experiência elevada”.

Só aí temos três pontos que por si só justificariam que todas as empresas investissem em Experiência do Colaborador: olhar para quem está contato com o cliente resulta em uma experiência do cliente melhor e, consequentemente, mais dinheiro para a companhia. “CX e EX são metades da mesma laranja”, escreve Bruno Guimarães no prefácio do livro “Experiência do Colaborador – Na Teoria e Muita Prática”, que acaba de ser lançado pela Rokkets Editora. “Profissionais engajados e com propósito estarão mais preparados e motivados para entregar a melhor experiência para o cliente final”.

Mas vamos ao princípio: o que é Experiência do Colaborador? De acordo com um estudo do Gallup, “a experiência do colaborador é a jornada que um funcionário faz com sua organização”. “Em seu cerne está essa pergunta: Como os colaboradores estão vivenciando seu local de trabalho? A resposta é a soma de todas as interações que um funcionário tem com um empregador, desde o pré-recrutamento até a saída. Inclui tudo, desde os principais marcos e relacionamentos pessoais até o uso da tecnologia e o ambiente físico de trabalho”, cita o report.

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis para ler agora
e acesse 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

Chega de embromação:

Entrevista

Chega de embromação: "temos que colocar dinheiro nas mãos das mulhe...

Para a CEO da socialtech B2Mamy, Dani Junco, só o dinheiro liberta. Por isso, as startups e as iniciativas de apoio ao empreendedorismo feminino devem receber mais cheques.

Bancos devem inovar mais para continuarem competitivos

Tendências

Bancos devem inovar mais para continuarem competitivos

Principalmente explorar oportunidades para aumentar os recursos de pagamentos por meio de DLTs, CDBCs, tokenização e outras soluções

Entre as startups, falta governança corporativa

Liderança

Entre as startups, falta governança corporativa

A recomendação é aplicar práticas de governança desde o começo e evoluir com o crescimento da companhia.

Um exame diferente para diversidade e inclusão

Gestão

Um exame diferente para diversidade e inclusão

O Teste de Bechdel-Wallace extrapolou as fronteiras da cultura pop e acabou por se tornar uma métrica de aferição da diversidade de gênero aplicável em qualquer instituição

2023, o ano do Defi 3.0?

Tendências

2023, o ano do Defi 3.0?

Projetos FaaS (Farming as a Service) pedem passagem no universo das finanças descentralizadas

Um mapa para a nova era

Inovação

Um mapa para a nova era

O artigo “On the cusp for a New Era”, publicado pelo McKinsey Global Institute esta semana, propõe uma reflexão se – em um cenário aparentemente distópico - encontraremos o próximo motor de produtividade para impulsionar o cresci...