s
Entender melhor cada perfil de trabalhador ajudará as empresas a recrutar e reter funcionários, aponta pesquisa Crédito: iStock
CARREIRA

Existem 6 tipos de trabalhadores. Qual deles você é?

Entender melhor cada perfil de trabalhador ajudará as empresas a recrutar e reter funcionários, aponta pesquisa

Por Charlotte Edmond, Fórum Econômico Mundial 14/02/2022

Escolha um trabalho que você ame e você nunca terá que trabalhar um dia em sua vida, ou assim diz o ditado.

Mas a realidade para muitas pessoas é que elas se sentem presas em papéis que não fazem o melhor uso de suas habilidades ou interesses.

A consultoria de gestão Bain & Company identificou seis perfis de trabalhadores que acredita que podem ajudar as empresas e seus funcionários a entender melhor as diferentes motivações e os papéis mais adequados para vários tipos de personalidade.

CADASTRE-SE GRÁTIS PARA ACESSAR 5 CONTEÚDOS MENSAIS

Já recebe a newsletter? Ative seu acesso

Ao cadastrar-se você declara que está de acordo
com nossos Termos de Uso e Privacidade.

Cadastrar

O estudo é baseado em uma pesquisa com 20 mil trabalhadores e pode ajudar as organizações que lidam com alta rotatividade de pessoal e dificuldades de recrutamento por causa da Grande Demissão causada pela pandemia.

 

 

Não existe trabalhador médio

O conceito do que faz um “bom trabalho” está mudando, segundo a Bain, e com isso o conceito de um trabalhador médio não é mais uma aproximação útil para se usar em pesquisas. Em vez disso, a consultoria identificou seis perfis principais de trabalhadores: operadores, doadores, artesãos, exploradores, pioneiros e esforçados.

 

 

Os operadores veem o trabalho como um meio para um fim e não estão particularmente focados em status ou autonomia. Esses trabalhadores tendem a preferir estabilidade e previsibilidade e estão entre os perfis de trabalhadores mais focados em equipe.

Os doadores encontram significado no trabalho que melhora diretamente a vida dos outros e muitas vezes gravitam em torno de profissões como ensino ou medicina. Eles têm um forte espírito de equipe, mas uma natureza cautelosa e gostam de planejar.

Os artesãos procuram um trabalho que os inspire e são motivados pela busca da excelência. Esses profissionais normalmente querem um alto grau de autonomia e dão pouco valor às relações de trabalho.

Os exploradores valorizam a liberdade e as experiências e procuram carreiras que ofereçam variedade e emoção. Eles normalmente não confiam em seu trabalho para um senso de identidade e abordam o desenvolvimento profissional com a mentalidade de alcançar apenas o nível necessário para ter sucesso.

Os pioneiros querem mudar as coisas – eles têm opiniões fortes sobre como as coisas devem ser e buscam o controle necessário para fazer com que essa mudança aconteça. São pessoas que toleram o risco e se identificam fortemente com seu trabalho, fazendo grandes sacrifícios pessoais para alcançar sua visão.

Os esforçados querem ser bem-sucedidos e são motivados por status e compensação. Eles tendem a planejar e escolhem caminhos bem trilhados para o sucesso. Esses profissionais podem ser mais competitivos e transacionais em seus relacionamentos com colegas do que outros perfis de trabalhadores.

Como mostra o gráfico a seguir, certos empregos atraem proporções maiores de alguns tipos de trabalhadores do que outros.

 

 

Os pesquisadores notaram uma pequena diferença nas atitudes em relação ao trabalho entre os países, com algumas nações tendo mais certos perfis de trabalhadores do que outras.

No entanto, a idade e o status socioeconômico têm um impacto marcante. Trabalhadores mais instruídos e com maior renda valorizam mais a autonomia, o status e o futuro. Isso se traduz em uma proporção maior de pioneiros e esforçados e uma proporção menor de operadores.

Mudanças no trabalho

A pandemia forçou muitos de nós a repensar o papel que queremos que o trabalho tenha em nossas vidas, com muitas pessoas buscando um melhor equilíbrio entre vida profissional e pessoal. Juntamente com as amplas tendências do mundo do trabalho, como maior automação e tecnologias digitais, trabalho flexível e o desejo das empresas de definir um propósito social, o ambiente de trabalho tradicional está mudando.

 

 

De acordo com a pesquisa da Bain, 58% dos trabalhadores em 10 grandes economias estão reconsiderando seu equilíbrio entre vida profissional e pessoal como resultado da pandemia.

Entre fevereiro de 2020 e fevereiro de 2021, mais de um quarto dos trabalhadores norte-americanos mudaram de empregador. Embora grande parte dessa rotatividade possa ter sido involuntária, está claro que um número crescente de trabalhadores está reavaliando o papel do trabalho em suas vidas.

 

 

Charlotte Edmond é autora sênior de Conteúdo Formativo do Fórum Econômico Mundial

 

Este artigo foi publicado originalmente no site do Fórum Econômico Mundial e republicado sob as regras de Creative Commons.

“Quiet quitting”: um barulho ensurdecedor chega às empresas

Tendências

“Quiet quitting”: um barulho ensurdecedor chega às empresas

Movimento que defende trabalhar apenas o contratado começa no Tik Tok, invade as redes sociais e acende o sinal amarelo na área de RH: será tão perigoso quanto a "Grande Demissão?"

Lugar de mulher também é no metaverso

Inovação

Lugar de mulher também é no metaverso

Número de profissionais envolvidas com os mundos virtuais cresce globalmente. Empresas como a Meta, a Sandbox e a agência de NFT World of Women apostam na formação tecnológica feminina

Quando os atributos são mais relevantes que as habilidades

Tendências

Quando os atributos são mais relevantes que as habilidades

E por que compreender a diferença entre os dois é um passo crítico para otimizar seu desempenho em tempos desafiadores, segundo os profissionais de RH

O trabalho mudou: agora é a vez de mudar a retenção de talentos

Carreira

O trabalho mudou: agora é a vez de mudar a retenção de talentos

Muitas lideranças gastam boa parte do tempo em conversas com recrutadores para encontrar candidatos para reforçar suas equipes

Sem habilidades sociais, não dá para ser CEO

Carreira

Sem habilidades sociais, não dá para ser CEO

A mudança nas habilidades desejadas pelas organizações privilegia a boa comunicação e a capacidade de convencer e entender o que as pessoas querem

Geração Z e o fim do trabalho que conhecemos

Tendências

Geração Z e o fim do trabalho que conhecemos

As organizações estão diante do desafio de construir culturas que levem em conta as necessidades e sejam capazes de atrair, engajar e reter talentos da Geração Z