s
Crédito: Reprodução/Facebook
MOBILE

Sistema operacional da Huawei pode quebrar duopólio dos EUA

Desde que foi banida do mercado norte-americano pela administração de Donald Trump em 2019, a Huawei vem desenvolvendo uma alternativa para não depender do sistema criado no Vale do Silício

A fabricante de smartphones Huawei anunciou que vai utilizar, a partir do ano que vem, o seu sistema operacional próprio, HarmonyOS, nos smartphones da marca chinesa. Hoje, os celulares da empresa operam com o Android, software do Google. No entanto, desde que foi banida do mercado norte-americano pela administração de Donald Trump em 2019, a Huawei vem desenvolvendo uma alternativa para não depender do sistema criado no Vale do Silício.

O anúncio da Huawei promete romper com o duopólio de Google e Apple no setor de sistemas operacionais para smartphones. As empresas detêm, respectivamente, 75% e 25% do mercado global. No entanto, é um momento delicado na relação entre as companhias e os desenvolvedores de aplicativos: as taxas cobradas pelas lojas de apps estão sendo questionadas por publishers como Epic Games e Facebook. A empresa chinesa pode se aproveitar deste impasse, já que ela negocia o repasse da receita diretamente com os aplicativos.

Nasce, neste processo, um mar de oportunidades para desenvolvedores mobile em escala global. Hoje, a Huawei AppGalery conta com cerca de 100 mil aplicativos, o que é muito pouco diante dos quase 3 milhões da Google Play Store e mais de 2 milhões na App Store. A companhia chinesa anunciou um fundo de US$ 1 bilhão no ano passado para criação de aplicativos para o HarmonyOS.

Receba grátis nossa newsletter

No primeiro semestre deste ano, a Huawei superou a Samsung e se tornou líder mundial em vendas de smartphones, muito por conta da recuperação do mercado interno chinês durante a pandemia. Neste cenário, empresas globais que já contam com aplicativos móveis para as outras plataformas devem marcar presença também no sistema chinês, e assim aumentar a demanda por desenvolvedores.

No Brasil, porém, a fatia da Huawei ainda é pouco relevante, não chegando a 1% do mercado. A empresa voltou a operar no país no ano passado. A aposta dos chineses é que os smartphones com acesso à rede 5G sejam o diferencial para crescer no país.

Da favela para a fama: o potencial transformador do Free Fire

Mobile

Da favela para a fama: o potencial transformador do Free Fire

Assim como o futebol, o game é visto como uma forma de mudar de vida pelos moradores das comunidades

Por Marina Hortélio
Como serão os games no futuro?

Inovação

Como serão os games no futuro?

Cloud gaming, mais diversidade e mobile são algumas das tendências que moldam os próximos passos do mercado de jogos online

Por Marina Hortélio
Mobile banking aponta caminho para fintechs e bancos

Mobile

Mobile banking aponta caminho para fintechs e bancos

As startups dos setor financeiro nasceram digitais, o que lhes dá vantagem competitiva em um cenário de crescimento do mobile

Por Marina Hortélio
Quantos dispositivos conectados você tem em casa?

Tendências

Quantos dispositivos conectados você tem em casa?

Nos Estados Unidos, uma residência média conta com 25 dispositivos móveis, o que inclui smartphones, assistentes pessoais, notebooks e mais uma multitude de devices e serviços conectados

Por Soraia Yoshida
A guerra global do 6G já começou

Inovação

A guerra global do 6G já começou

É uma guerra de patentes por uma tecnologia que pode alimentar um futuro de táxis voadores, hologramas em tempo real e conexão entre cérebros humanos

Por Silvia Bassi
Sistema operacional da Huawei pode quebrar duopólio dos EUA

Mobile

Sistema operacional da Huawei pode quebrar duopólio dos EUA

Desde que foi banida do mercado norte-americano pela administração de Donald Trump em 2019, a Huawei vem desenvolvendo uma alternativa para não depender do sistema criado no Vale do Silício

Por Redação The Shift