s
Linha de produção de smartphones em fábrica da Vingroup, maior grupo do Vietnã Crédito: Vingroup
MERCADO

O efeito colateral no mercado de smartphones

A expectativa dos fabricantes é de queda de 14,6% nas remessas deste ano, mas um relatório indica que a situação poderia ser muito pior. A salvação pode estar no 5G

A combinação da “travada chinesa” no início do ano, com a crise econômica global causada pela Covid-19, gerou um paradoxo no mercado de smartphones: embora o uso dos dispositivos tenha crescido muito no primeiro trimestre em todos os países, as remessas mundiais de novos aparelhos caíram 11,7% no primeiro trimestre de 2020, segundo um novo relatório do IDC, configurando a maior taxa de queda por trimestre desde o Q2 de 2013.

Infographic: Smartphone Shipments Drop to 7-Year Low in Q1 2020 | Statista

You will find more infographics at Statista

CADASTRE-SE GRÁTIS PARA ACESSAR 5 CONTEÚDOS MENSAIS

Ao cadastrar-se você declara que está de acordo
com nossos Termos de Uso e Privacidade.

Cadastrar

Foram 275,8 milhões de unidades “shipadas” nos primeiros três meses de 2020, contra 312,3 milhões em 2019. “O que começou como um problema de cadeia de suprimentos limitado à China tornou-se um problema global por causa da crise econômica nos outros países”, diz a diretora de pesquisas do IDC, Nabila Popal, responsável pelo relatório.

Um relatório liberado nesta terça-feira pelo Gartner estima que as remessas globais somadas de computadores, smartphones e tablets vão cair 13,6% este ano, e que a queda global em 2020 nos smartphones será de 14,6%. Mas o Gartner diz que se não fosse a pandemia, o tombo poderia ser pior. O relatório estima que as vendas só não cairão mais porque a quarentena global levou a um aumento do uso dos dispositivos de forma geral, especialmente para trabalho em home office. Serão 1,9 bilhão de equipamentos vendidos em 2020, contra a estimativa anterior de 2,16 bilhões, segundo o Gartner.

O 5G pode ser um catalizador de mudança: vai representar 11% de todas as vendas em 2020, mas pode puxar para cima o interesse dos consumidores em mudar de aparelho para ter melhores conexões. E só para completar o contexto, um colateral do home office no tipo de conexão: os usuários estão jogando o tráfego de dados, voz e vídeo para suas redes Wi-Fi domésticas, reduzindo o uso de redes móveis de dados em casa.

Novas demissões são um sinal negativo para o mercado

Economia

Novas demissões são um sinal negativo para o mercado

Em cinco meses de 2022, o número de demissões já se iguala ao total de 2021. Sinais de falta de liquidez atingem principalmente as scale-ups

A saga Twitter & Elon Musk. Um fio para acompanhar

Mercado

A saga Twitter & Elon Musk. Um fio para acompanhar

O bilionário quer comprar o Twitter por US$ 44 bilhões. A história continua rendendo porque o deal leva tempo e muito dinheiro. Acompanhe aqui

Com ETF, Hashdex aposta no DeFi

Inovação

Com ETF, Hashdex aposta no DeFi

As finanças descentralizadas vem ganhando notoriedade com a premissa de disruptarem o setor financeiro.

Por Marina Hortélio
Plataformas Low-Code e No-Code apoiam a transformação digital

Inovação

Plataformas Low-Code e No-Code apoiam a transformação digital

Startups Low-Code e No-Code permitem que empresas lancem produtos digitais mais rápido e com menos envolvimento das equipes de TI.

Por Marina Hortélio
Investimento recorde em Climate Tech: mais capital para cuidar da Terra

Tendências

Investimento recorde em Climate Tech: mais capital para cuidar da Terr...

A guinada ESG dos investidores e urgência de criar soluções para as mudanças climáticas atraem investimentos para as Climate Techs.

Por Marina Hortélio
Criptomoedas: o que está no horizonte para 2022?

Inovação

Criptomoedas: o que está no horizonte para 2022?

As criptomoedas ganharão força em três áreas principais: maior aceitação do Bitcoin como meio de pagamento, maior escrutínio regulatório e aumento na atividade de NFT.

Por Bertrand Malsch, Erica Pimentel e Nathaniel Loh, The Conversation