s
Linha de produção de smartphones em fábrica da Vingroup, maior grupo do Vietnã Crédito: Vingroup
MERCADO

O efeito colateral no mercado de smartphones

A expectativa dos fabricantes é de queda de 14,6% nas remessas deste ano, mas um relatório indica que a situação poderia ser muito pior. A salvação pode estar no 5G

A combinação da “travada chinesa” no início do ano, com a crise econômica global causada pela Covid-19, gerou um paradoxo no mercado de smartphones: embora o uso dos dispositivos tenha crescido muito no primeiro trimestre em todos os países, as remessas mundiais de novos aparelhos caíram 11,7% no primeiro trimestre de 2020, segundo um novo relatório do IDC, configurando a maior taxa de queda por trimestre desde o Q2 de 2013.

Infographic: Smartphone Shipments Drop to 7-Year Low in Q1 2020 | Statista

You will find more infographics at Statista

Receba grátis nossa newsletter

Foram 275,8 milhões de unidades “shipadas” nos primeiros três meses de 2020, contra 312,3 milhões em 2019. “O que começou como um problema de cadeia de suprimentos limitado à China tornou-se um problema global por causa da crise econômica nos outros países”, diz a diretora de pesquisas do IDC, Nabila Popal, responsável pelo relatório.

Um relatório liberado nesta terça-feira pelo Gartner estima que as remessas globais somadas de computadores, smartphones e tablets vão cair 13,6% este ano, e que a queda global em 2020 nos smartphones será de 14,6%. Mas o Gartner diz que se não fosse a pandemia, o tombo poderia ser pior. O relatório estima que as vendas só não cairão mais porque a quarentena global levou a um aumento do uso dos dispositivos de forma geral, especialmente para trabalho em home office. Serão 1,9 bilhão de equipamentos vendidos em 2020, contra a estimativa anterior de 2,16 bilhões, segundo o Gartner.

O 5G pode ser um catalizador de mudança: vai representar 11% de todas as vendas em 2020, mas pode puxar para cima o interesse dos consumidores em mudar de aparelho para ter melhores conexões. E só para completar o contexto, um colateral do home office no tipo de conexão: os usuários estão jogando o tráfego de dados, voz e vídeo para suas redes Wi-Fi domésticas, reduzindo o uso de redes móveis de dados em casa.

Quando o bootstrapping vale a pena

Startups

Quando o bootstrapping vale a pena

Crescer a empresa com capital próprio é arriscado, mas dá mais liberdade para os fundadores e mantém o Equity intacto.

Por Marina Hortélio
Tendência do consumo híbrido exige estratégia omnichannel

Tendências

Tendência do consumo híbrido exige estratégia omnichannel

Pesquisa do PayPal aponta que as compras online vão continuar relevantes após a pandemia, por isso, as marcas precisam adotar uma estratégia multicanal

Por Marina Hortélio
Como reconstruir a lealdade dos funcionários na era da Grande Renúncia

Carreira

Como reconstruir a lealdade dos funcionários na era da Grande Renúnc...

Uma nova pesquisa revela como as pessoas se sentem em relação a seus empregos e o que esperam de seus empregadores

Por Ana Kreacic, Lucia Uribe, Simon Luong, Fórum Econômico Mundial
M&A: as startups vão às compras

Inovação

M&A: as startups vão às compras

No primeiro semestre de 2021, as startups ultrapassaram as empresas tradicionais na quantidade de fusões e aquisições de startups pela primeira vez

Por Marina Hortélio
Como as grandes empresas podem apoiar os inovadores

Inovação

Como as grandes empresas podem apoiar os inovadores

No momento de reconstrução das organizações pós-pandemia, as grandes empresas precisam apoiar os empreendedores sociais na criação de um novo paradigma de negócios

Por Isis Bous, Lex Mundi Pro Bono Foundation
Por que construir uma AI DAO?

Inteligência Artificial

Por que construir uma AI DAO?

Porque, para construir DAOs de sucesso, precisamos de máquinas inteligentes

Por Cristina De Luca