s
Crédito: Glenn Cartens Peters/Unsplash

ECONOMIA DIGITAL

Quanto streaming cabe na sua carteira?

Seja serviço de assinatura, video-on-demand (VoD) ou algum dos novos modelos que estão entrando com força, o consumidor está diante de uma variedade de escolhas como nunca existiu

Por Soraia Yoshida 27/11/2020

E aí você vai dizer: depende do tamanho da carteira. Nisso estamos de acordo, mas quando se fala em consumo de massa, essa carteira tem sempre um tamanho médio. E é por essa quantia que algumas das maiores organizações de comunicação e entretenimento estão brigando neste momento – tanto no Brasil, quanto lá fora.

LEIA MAIS
Vídeo sob demanda suportado por anúncios cresce em 2020
Além dos filmes e séries: o streaming impacta outras indústrias

A digitalização empurrou o entretenimento para um caminho sem volta. Segundo o The Streaming Guide, estudo Kantar IBOPE Media, 98% dos usuários de internet consomem algum tipo de conteúdo via streaming de áudio ou vídeo e 73% afirmam que o consumo de streaming de vídeo (pago ou gratuito) aumentou após o início da atual crise. Neste ano, o número de assinantes destes serviços atingiu 36%, contra 29% no ano anterior.

Receba grátis nossa newsletter

Seja serviço de assinatura, video-on-demand (VoD) ou algum dos novos modelos que estão entrando com força, principalmente na oferta de jogos e esportes, o consumidor está diante de uma variedade de escolhas como nunca existiu. Netflix, YouTube TV, Amazon Prime, Disney+, AppleTV+, HBO, Hulu… está mais fácil perguntar quem NÃO está mirando nesse mercado.

Durante os últimos meses, os grandes conglomerados de mídia dos Estados Unidos – Disney, NBCUniversal, WarnerMedia e ViacomCBS – estruturaram suas equipes para transformar o streaming em seu foco principal de negócio. As razões são simples: um mercado avaliado em US$ 42,6 bilhões em 2019 com projeção de crescimento a uma taxa composta (CAGR) de 20,4% de 2020 a 2027.

E no Brasil? Em cinco anos, o consumo de vídeo na web cresceu 165%, frente ao aumento de 24% das TVs aberta e fechada, de acordo com a pesquisa Video Viewers, encomendada pelo Google e realizada pela Provokers. O brasileiro já consome mais vídeo online do que TV aberta – sendo que 42,8% dos brasileiros fazem do streaming um hábito diário, de acordo com pesquisa da Nielsen Brasil em parceria com a Toluna. Não à toa, o país está entre os dez maiores mercados para a Netflix, que conta mais de 10 milhões de assinantes em sua carteira.

Hoje em dia, a gente assiste o que quer na hora que quiser. A partir do momento que você tem essa vantagem do streaming, do VoD, é uma coisa que não tem mais volta. Você não é mais refém da TV, com os horários dos programas, aquele negócio de sair de casa só depois da novela. Isso mudou”, afirma Marcelo Forlani, sócio-fundador do Omelete Group, plataforma de conteúdo de entretenimento que promove a CCXP. O streaming reuniu a paixão histórica do brasileiro por TV com um comportamento ávido na internet. Uma pesquisa realizada no ano passado apontou que mais da metade dos consumidores assistem de uma a três horas de streaming por dia. “Por isso o Brasil é um mercado tão importante para o Spotify, um dos maiores mercados para a Netflix e estrategicamente tão importante para a Disney”, diz Thiago Romariz, especialista do mercado de TV e streaming e cofundador do Chippu, uma plataforma de sugestões do que ver nos serviços.

A chegada do serviço Disney+ veio movimentar o mercado nacional – e o fato de fechar uma parceria com a Globoplay, um player tão importante, sinalizou ao setor que os combos (bundles) podem ser uma opção mais vantajosa para assegurar a assinatura de novos clientes. “Conseguimos entregar para o consumidor o produto que ele desejar assistir associado à conveniência da oferta – fatores que são cada vez mais levados em conta pelos consumidores na hora de optarem por qual serviço adquirir”, informa a assessoria da Globoplay.

Um estudo global da consultoria PwC aponta que os gastos com serviços digitais como streaming e acesso à internet devem alcançar US$ 19,6 bilhões. A questão é quanto esses consumidores estão dispostos a pagar. A resposta, de acordo com uma pesquisa da Opinion Box de 2019 com foco em streaming de vídeo, é que 75% dos consumidores gastam menos do que R$ 75 por mês com esses serviços. “As pessoas, normalmente, acabam assinando dois serviços. Podem até assinar um terceiro, um streaming de música, mas a partir de um ponto começa a se questionar se vale o serviço”, diz Marcelo Forlani.

Esse ponto já aparece nas tendências para 2021. “Tem um ponto, quantas plataformas posso assinar? Uma das tendências apontadas no nosso relatório é o ‘assinante-bumerangue’, que enxerga as plataformas como intercambiáveis, migrando entre serviços sob demanda e serviços de streaming, elevando a batalha a outros níveis”, explica Adriana Favaro, Diretora de Negócios da Kantar IBOPE Media no Brasil. Segundo ela, uma das formas de evitar cancelamentos e migração de consumidores entre plataformas é estabelecer parcerias.

Timeline Dark Infographic
Infogram

Mas o que faz com que o consumidor queira comprar mais serviços ou manter aqueles que já está assinando? Em uma questão de múltipla escolha, 60% apontaram o preço como o fator mais importante na decisão de compra. Em segundo lugar aparece o conteúdo, com 57%, isto é, ter as séries e filmes favoritos. Ter um catálogo variado e amplo (35%) é importante, assim como um acervo que se renova com frequência (38%). A possibilidade de assistir em diferentes dispositivos (34%) fecha esse pacote. A pesquisa Nielsen Total Audience Report voltada para o mercado norte-americano, mostra preocupações muito parecidas por parte do consumidor, coma variante: a preocupação com a qualidade de imagem e som do streaming e a velocidade (na seleção e no carregamento do conteúdo) – atributos em que a tecnologia faz a diferença – aparecem, respectivamente, com 77% e 74%.

E aqui há sinal amarelo no Brasil. Para acessar streaming, é preciso não apenas internet, mas banda larga, que não chega a todos os pontos do país. Um em quatro brasileiros não têm acesso à internet, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em áreas rurais, o índice de pessoas sem acesso chega a 53,5%. Para ampliar seu alcance, os serviços de streaming precisam considerar também a tecnologia para a baixa internet.

Dos serviços de streaming de vídeo, o único que tem uma capacidade quase ilimitada de fazer streaming para a internet de banda larga fraca e se colocar numa posição de penetração muito alta é a Netflix”, diz Thiago Romariz. Essa característica ajudou a fazer da companhia um “bem comum”, a primeira opção para consumidores. “Se você tentar rodar hoje o Prime Video, HBO ou o próprio Disney+, com uma internet que seja abaixo da média, eles não vão rodar porque não existe estrutura técnica para isso”.

Mesmo com a crise trazida pela pandemia (ou até por causa dela), o mercado dá sinais de que continuará crescendo em 2021. Tanto a Netflix quanto a Globoplay apontam que esse consumidor será atraído pelo conteúdo variado e com diferentes formatos. A entrada de novos players também deve atiçar os consumidores: a Warner com o HBO Max (conhecida por um conteúdo premiado, que inclui Game of Thrones, Euphoria e que terá a reunião de Friends) e a possível chegada de um segundo serviço da Disney, voltado para o público adulto (com catálogo dos heróis da DC Comics, como Batman, Liga da Justiça e Mulher-Maravilha, além das produções da Fox Searchlight) com o acréscimo da ESPN.

Está claro que além de disputar a carteira do consumidor, esses serviços terão que provar que “merecem” o tempo gasto com ele. “Nós chegamos a uma era de hiper-informação, de hiperconteúdo. Os streamings e toda forma de entretenimento lutam por 10, 20, 30 minutos, uma hora no seu dia. A pandemia acelerou as coisas e daqui para frente as tendências vão vir mais rápido”. As empresas sabem disso e discutem novos modelos.

E quem não conseguir se provar, vai ter de disputar mês a mês o interesse do consumidor. Nos EUA, a tendência de migração entre plataformas já era vista desde o ano passado. No quarto trimestre de 2019, esse público representava 5%, já no terceiro trimestre de 2020 esse número cresceu 12%. O número de consumidores bumerangue, que entram e saem do mercado de streaming, aumentou de 9% no quarto trimestre de 2019 para 14% no terceiro trimestre deste ano, de acordo com o relatório da Kantar IBOPE Media.

O Brasil conta ainda com uma particularidade: embora os serviços de streaming sejam um grande sucesso, a TV aberta ainda atrai uma fatia considerável dos consumidores. Segundo a Nielsen, 61,5% assistem a programas e filmes nas emissoras de TV aberta. A faixa maior (62,9%) dos telespectadores se concentra nas pessoas entre 46 e 55 anos. Isso não significa que muitos jovens não passem uma parte do tempo diante da TV, seja para acompanhar o noticiário ou programas que viram tema de discussões incansáveis nas redes sociais. “A tendência da TV aberta é viver do evento ao vivo, do inédito”, diz Forlani.

“Nunca foi tão urgente entender a audiência quanto agora, neste cenário de múltiplas escolhas e intensificação da oferta”, diz Adriana Favaro, da Kantar IBOPE Media. “A medição em todas as telas e plataformas deve ser levada a sério para entender a flutuação da audiência. Com o aumento da concorrência, limitados pelo tempo e pelo bolso dos espectadores, todos os players precisam saber o valor de ter uma visão integrada da audiência”.

Futebol brasileiro gera oportunidades para ecossistema de inovação

Entrevista

Futebol brasileiro gera oportunidades para ecossistema de inovação

Em entrevista exclusiva, Eduardo Dias, CEO da Footure, afirma que profissionais de fora da indústria serão responsáveis por levar tecnologia e inovação ao esporte

Por João Ortega
Para ser um grande inovador, aprenda a abraçar a incerteza

Inovação

Para ser um grande inovador, aprenda a abraçar a incerteza

É tentador pensar que os inovadores são uma raça à parte ou têm a sorte de estar no lugar e na hora certos. É uma questão de como lidar com risco e incerteza

Por Todd Saxton, The Conversation
Três segredos por trás do sucesso da Netflix

Streaming

Três segredos por trás do sucesso da Netflix

No livro "A Regra é não ter Regras", o CEO da Netflix, Reed Hastings, elenca os valores-chave que fazem parte de uma cultura de trabalho da empresa

Por Redação The Shift