s
O poder relacional pode ser exercido de baixo para cima, ajudando a construir uma organização mais diversa e inovadora Crédito: Unsplash
LIDERANÇA

Poder relacional: influência pode ajudar a melhorar trabalho

Como construir relações saudáveis sem se apoiar na hierarquia

Por Soraia Yoshida 27/06/2022

Já valia muito no período pré-pandemia, mas com a expansão do trabalho híbrido e outras formas remotas, o superpoder que pode fazer a diferença para as lideranças é o poder relacional. Estamos falando da capacidade de um indivíduo exercer influência sobre os outros, sem necessariamente ocupar um cargo hierárquico superior. É ter a influência, sem contar com o poder hierárquico.

O poder relacional pode ser exercido de baixo para cima por um executivo mais junior que tem um bom relacionamento e se faz ouvir por executivos sêniores ao sugerir uma nova iniciativa interdepartamental. Pode estar também em uma pessoa que, mesmo não sento líder do projeto, consegue motivar os demais integrantes a buscar as melhores soluções. Ou alguém que conta com respeito dos colegas para incentivar comportamentos positivos.

Em um contexto virtual, o poder relacional é ainda mais importante para a construção da coesão nas equipes de trabalho, aponta este estudo publicado no Sloan Management Review. Os pesquisadores observaram que as condições para o exercício do poder relacional são criadas quando dois fatores estão alinhados: a fluência tecnológica de um indivíduo e sua aptidão social em um ambiente tecnológico.

  • Fluência em tecnologia. Profissionais com experiência em navegar nas plataformas de mensagens baseadas em texto – Slack, Google+, Teams, Huddle etc – geralmente sabem o que a tecnologia permite ou não fazer. Aproveitando seu conhecimento, essas pessoas podem introduzir melhorias de produtividade. Dar dicas sobre como compartilhar vários arquivos ou conectar aplicativos úteis faz com que os colegas respeitem seus inputs e possam se desenvolver mais com ferramentas digitais. Se uma nova tecnologia ainda não está integrada com os sistemas legados, um profissional experiente pode ajudar a contornar desafios e compartilhar essas informações com colegas, construindo assim poder relacional, indica o estudo.
  • Aptidão social em um ambiente de tecnologia. Para alguns colaboradores, a comunicação em plataformas de tecnologia vem naturalmente em virtude de sua familiaridade com mensagens online. “Eles entendem como criar uma extensão de si mesmos neste formato e estão cientes de que ser capaz de influenciar os outros com sucesso requer uma comunicação calorosa”, apontam os pesquisadores. Ou seja, essas pessoas desenvolveram habilidades para enviar “vibrações positivas” nessas plataformas sem desrespeitar a netiqueta. Sem essas habilidades, as pessoas precisam se esforçar mais para alcançar resultados parecidos. O uso de emojis ou GIFs é um bom exemplo de influência relacional: podem acentuar mensagens e melhorar a comunicação. Saber usar bem emojis bem dá ao indivíduo capital social na rede da empresa, fazendo com que os colegas os procuram para conselhos, sugestões e até questões de liderança.

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis e tenha acesso a 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

Bossware: sim ou não?

Tendências

Bossware: sim ou não?

A demanda por ferramentas de vigilância de trabalhadores deu um salto logo no início da pandemia, mas de fato não parou de crescer

Colaboração entre CFOs e CIOs é crítica para transformação digital

Liderança

Colaboração entre CFOs e CIOs é crítica para transformação digit...

Os efeitos econômicos da pandemia de Covid-19 ensinaram aos CFOs lições práticas sobre a importância da tecnologia para a resiliência e a inovação, afirma pesquisa da Rimini Street

Por Cristina De Luca
Como construir a segurança psicológica também no trabalho híbrido

Liderança

Como construir a segurança psicológica também no trabalho híbrido

Em um ambiente de segurança psicológica, todos sentem que podem perguntar, opinar, questionar, criticar, apontar erros e acertos, sem julgamentos

Por Soraia Yoshida
Como desenvolver a criatividade no trabalho remoto

Liderança

Como desenvolver a criatividade no trabalho remoto

Em um ambiente de trabalho remoto ou mesmo híbrido, as equipes não estão presentes todos os dias. Como desenvolver um ambiente criativo e inovador?

Por Soraia Yoshida
Geração Z e o fim do trabalho que conhecemos

Tendências

Geração Z e o fim do trabalho que conhecemos

As organizações estão diante do desafio de construir culturas que levem em conta as necessidades e sejam capazes de atrair, engajar e reter talentos da Geração Z

Experiência do colaborador: precisamos olhar para EX

Tendências

Experiência do colaborador: precisamos olhar para EX

A boa ou a má experiência de um trabalhador pode influenciar sua decisão de mudar de emprego, voltar para uma empresa na qual trabalhou e a probabilidade de recomendar uma organização para outros talentos