s
Crédito: Ketuti Subiyanto/Pexels
PRODUTIVIDADE

Futuro do trabalho é bem mais flexível

A pandemia deve acelerar a tendência já adotada por muitas empresas de trabalho flexível. No Brasil, uma pesquisa apontou que mais de 30% gostariam de trabalhar em casa o máximo de dias possíveis

Há um ano, mais ou menos, o International Workplace Group reuniu opiniões de mais de 15 mil empresários em mais de 80 países, incluindo o Brasil. Perguntou a eles sobre os principais fatores para o trabalho flexível, como ele estava sendo usado por empresas internacionais e quais obstáculos ainda persistiam. Os resultados do estudo, compilados pela Raconteur ao final, mostraram que atividades realizadas fora dos escritórios já representavam praticamente metade da jornada de trabalho semanal. E 62% das empresas em todo o mundo  adotavam uma política de trabalho flexível.

CADASTRE-SE GRÁTIS PARA ACESSAR 5 CONTEÚDOS MENSAIS

Já recebe a newsletter? Ative seu acesso

Ao cadastrar-se você declara que está de acordo
com nossos Termos de Uso e Privacidade.

Cadastrar

Crédito: IWG

A pandemia deve acelerar essa tendência e remodelar o futuro do trabalho. No Brasil, uma pesquisa recente da Hibou mostra que dos 31% que passaram a fazer home office a partir da pandemia, só 30% não gostaram da experiência. Já 36,7% gostariam de trabalhar de casa ao menos uma vez por semana e 32,6% o máximo de dias possíveis. A preferência varia muito em relação à função e à idade. Os mais jovens não gostariam de abrir mão da socialização nos locais de trabalho.

Teletrabalho: adoção ignora legislação

Gestão

Teletrabalho: adoção ignora legislação

Lei 14.442/22 foi sancionada, porém, em nada favoreceu a busca das empresas por uma equação que equilibre a produtividade e o bem estar dos trabalhadores em ambiente remoto ou híbrido.

O que fazer quando você tem muitas ideias mas nunca termina nada?

Produtividade

O que fazer quando você tem muitas ideias mas nunca termina nada?

O que você faz quando está sobrecarregado com muitas ideias? Você os abandona ou termina o que começou?

O futuro do trabalho pode ser assíncrono

Gestão

O futuro do trabalho pode ser assíncrono

Dar aos colaboradores a flexibilidade de trabalhar nos momentos em que se sentem mais focados e produtivos pode representar um enorme ganho para as organizações. Mas há desafios

Trabalho: falta de engajamento pode levar a perdas de US$ 7,8 trilhões

Mercado

Trabalho: falta de engajamento pode levar a perdas de US$ 7,8 trilhõe...

Estresse, raiva, preocupações e infelicidade no trabalho são principais causas de queda de produtividade

Geração Z e o fim do trabalho que conhecemos

Tendências

Geração Z e o fim do trabalho que conhecemos

As organizações estão diante do desafio de construir culturas que levem em conta as necessidades e sejam capazes de atrair, engajar e reter talentos da Geração Z

Mulheres no trabalho: cresce estresse, esgotamento e assédio

Diversidade

Mulheres no trabalho: cresce estresse, esgotamento e assédio

No Brasil, burnout é o principal motivo para querer deixar o emprego, seguido de remuneração inadequada e falta de oportunidades