s

GESTÃO

Futuro do trabalho está em upskilling e reskilling

Para cima ou para o lado? As empresas que quiserem manter uma vantagem competitiva precisam colocar o processo de qualificação e requalificação em sua estratégia

Por Soraia Yoshida 12/07/2021

As empresas que buscam construir uma força de trabalho altamente qualificada para enfrentar o período pós-pandemia e surfar nas oportunidades que podem vir pela frente precisam ter em mente uma palavra: requalificação. Seja para formar futuras lideranças (upskilling) ou para redirecionar esforços, com novas frentes (reskilling), esse investimento na força de trabalho será uma maneira de competir com a concorrência, que também está atrás de gente talentosa e preparada, e de suprir a falta de profissionais capacitados. Seja um ou outro, é vantagem competitiva.

No levantamento “Total WorkForce Index”, do ManpowerGroup, os dados apontam que o aumento da demanda global de contratação excede a disponibilidade de candidatos qualificados – especialmente no setor de Finanças e TI, este último com desemprego inferior a 1%. Dos 76 mercados pesquisados, o Brasil aparece em 61° lugar. A taxa de desemprego do Brasil terminou 2020 em 13,9%, com a média mais alta desde 2012. O impacto da Covid-19 fez com que muitas empresas paralisassem as contratações e não investissem em programas de qualificação. Sem reskilling e nem upskilling, com empresas estrangeiras contratando por aqui, a conta da mão de obra qualificada não tem como fechar. “A falta de habilidades técnicas é nosso grande desafio e o maior gargalo que existe no Brasil”, disse Nilson Pereira, presidente da ManpowerGroup no Brasil.

Em outra pesquisa realizada nos Estados Unidos, 84% dos entrevistados afirmaram que as iniciativas de qualificação os ajudaram a conseguir empregos ou posições melhores, sendo que 53% relataram aumento de salário. Uma das explicações para esse cenário é que as empresas estavam investindo em qualificação e requalificação em um ritmo muito mais lento que a transformação digital exigia. E, com a chegada da pandemia, essa diferença ficou mais óbvia: tudo mudou, o ritmo da digitalização ficou mais acelerado, a automação chegou mais cedo em alguns setores e os trabalhadores não estão prontos – nem para serem promovidos ou mudar de tarefa.

Conteúdo exclusivo para membros da The Shift

Aproveite a promoção e assine

Como construir a segurança psicológica também no trabalho híbrido

Liderança

Como construir a segurança psicológica também no trabalho híbrido

Em um ambiente de segurança psicológica, todos sentem que podem perguntar, opinar, questionar, criticar, apontar erros e acertos, sem julgamentos

Por Soraia Yoshida
Como desenvolver a criatividade no trabalho remoto

Liderança

Como desenvolver a criatividade no trabalho remoto

Em um ambiente de trabalho remoto ou mesmo híbrido, as equipes não estão presentes todos os dias. Como desenvolver um ambiente criativo e inovador?

Por Soraia Yoshida
Como desenvolver talentos em início de carreira virtualmente

Liderança

Como desenvolver talentos em início de carreira virtualmente

Como as lideranças devem pensar o desenvolvimento de quem está começando a carreira? The Shift traz algumas reflexões e respostas

Por Soraia Yoshida
Como identificar e trazer lifelong learners para sua empresa

Liderança

Como identificar e trazer lifelong learners para sua empresa

A mentalidade de aprendizado contínuo é a chave para adaptar, mudar, inovar, crescer

Por Soraia Yoshida
Como lideranças podem desenvolver times de alta performance

Liderança

Como lideranças podem desenvolver times de alta performance

Confiança, autonomia, comunicação, segurança psicológica, aprendizado contínuo, trabalho colaborativo: todos esses elementos entram na criação de uma equipe de alta performance. Mas a liderança tem que entender e direcionar seu tim...

Por Soraia Yoshida
Como montar um time cognitivamente mais diverso

Diversidade

Como montar um time cognitivamente mais diverso

A diversidade dentro de uma organização pode estar no processo mental, ou seja, no modelo cognitivo de quem pensa de um jeito diferente do seu

Por Soraia Yoshida