s
Crédito: Pexels/Pixabay
TENDÊNCIAS

Varejo: como fica a economia pós-Covid

A frase “O varejo não voltará ao que era antes da crise” diz tudo: o relatório da SBVC aponta que 70% pretendem comprar mais em sites ou aplicativos, mesmo depois da crise do Covid-19

11 de Março de 2020. A pandemia foi oficializada e, no meio do impacto do “semi” lockdown, do distanciamento social e das máscaras, os consumidores descobriram que o e-commerce e o delivery podiam resolver seus problemas urgentes sem precisar sair de casa. Passou março, entraram abril e maio, e agora as pessoas navegam nessa realidade DC (Depois da Covid-19) usando o e-commerce para muito além das necessidades básicas essenciais.

O “modo DC” do varejo é digital, aponta o relatório recém-lançado da Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo (SBVC). E só vai aumentar quando o isolamento social for reduzido: 80% dos respondentes disseram estar satisfeitos com as compras online no período da quarentena e 70% pretendem comprar mais em sites ou via aplicativo depois que o isolamento arrefecer. “O varejo não voltará ao que era antes da crise”.

O comportamento dos consumidores vem mudando semana pós semana, as escolhas se diversificam, os hábitos se reorganizam e quem entender o que querem e como querem os consumidores vai conseguir fazer a virada para um modelo digital compatível com a economia DC. O estudo do SBVC mostra, por exemplo, que para 8% dos 92% de entrevistados que realizaram compras online no período, a quarentena foi a estreia no mundo do e-commerce.

CADASTRE-SE GRÁTIS PARA ACESSAR 5 CONTEÚDOS MENSAIS

Já recebe a newsletter? Ative seu acesso

Ao cadastrar-se você declara que está de acordo
com nossos Termos de Uso e Privacidade.

Cadastrar

E 61% dos que já compravam online disseram aumentar suas compras por conta do isolamento social. Um aumento de 50% para 46% dos entrevistados. A pandemia também impactou o delivery, obviamente: 79% compraram comida/bebida para consumo imediato e, desses, 44% aumentaram em 50% seus pedidos. O dispositivo mais utilizado foi o smartphone (70%) e a plataforma preferida (73%) foram os apps.

A conveniência é um dos pontos focais da mudança de comportamento, indica a edição 4 do Barômetro da Covid-19, da Kantar. Por conta desse efeito, a expectativa é de que o comportamento permaneça e, aí, cabe olhar com muito cuidado a experiência do consumidor: 54% consideram a compra online uma experiência mais positiva do que a compra em loja física, mas 24% ainda consideram a façanha desafiadora.

  • A terceira edição do relatório NeoTrust, do Movimento Confie&Compre mostra um aumento de 22,8% no número de consumidores únicos de e-commerce no Brasil no primeiro trimestre de 2020 (comparado com 1T de 2019);
  • E um salto fora da média no número de pedidos do trimestre (32,6%) evidencia o impacto da pandemia na formação dos novos hábitos do consumidor;
  • O poder global de compra dos consumidores aumentou 20% desde 2014, indica a edição recente do Índice da economia digital 2020, da Adobe, com insights gerados pelo Adobe Analytics;
  • Dois relatórios importantes, mapeando as variações das compras da quarentena no e-commerce brasileiro de produtos e serviços, feitos pela Associação Brasileira de Comercio Eletrônico (Abcomm) junto com a Konduto, sinalizam oportunidades: se na segunda quinzena de março a compra de brinquedos teve um salto de mais de 400% e dos supermercados mais de 270%, na quinzena mais recente (26/04 a 09/05), calçados subiram 99%. Vontade ou esperança de sair às ruas?

Mercado de apps é o novo alvo antistruste

Economia

Mercado de apps é o novo alvo antistruste

O governo norte-americano abriu fogo contra Google e Apple ontem, através da divulgação de uma crítica do Departamento de Comércio à falta de concorrência no mercado de aplicativos móveis. Na visão dos técnicos, o modelo praticado...

Um planeta sob nova direção

Tendências

Um planeta sob nova direção

Homem e natureza são parte do mesmo sistema interconectado. Se um destrói o outro, sucumbirá em seguida. Com esta certeza, universidades, ONGs e empresas privadas estão se unindo para criar centros de conhecimento de Desenvolvimento Reg...

Um

Tendências

Um "canvas donut" para negócios

Uma economia regenerativa, distributiva e próspera, na qual as necessidades humanas básicas e os recursos do planeta são equilibrados para garantir o bem-estar coletivo e planetário. Parece uma proposta razoável? É a Economia Donut, c...

Consumidores em 2023: cautelosos e ecoeconômicos

Tendências

Consumidores em 2023: cautelosos e ecoeconômicos

Pesquisa realizada pela consultoria de inteligência de negócios global Euromonitor International mapeou as 10 Principais Tendências Globais de Consumo em 100 países

IA e a construção da estratégia

Inteligência Artificial

IA e a construção da estratégia

A IA estratégica é uma ferramenta que pode simplificar a vida dos executivos. Um meio de acelerar o impacto, lidar com disrupções e desbloquear novas oportunidades de mercado. Mas ela deve servir ao negócio e não o contrário.

Startups impulsionam geração de melhores serviços de Open Finance

Fintechs

Startups impulsionam geração de melhores serviços de Open Finance

Os dados são centrais no Open Finance, mas nem sempre os bancos conseguem gerar valor a partir das informações. Startups ajudam a criar melhores produtos de finanças abertas com a conversão de dados dos usuários em insights.