s
Crédito: Charles Deluvio/Unsplash

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

Marketing: adeus focus groups, hello machine learning

Em tempos de economia Low Touch, um estudo aponta que o uso de algoritmos de machine learning na análise de reviews em sites de e-commerce pode ajudar as equipes de marketing

Focus groups são uma das práticas de marketing que vão ter que se reinventar nessa nova economia Low Touch. Como encontrar boas ideias, rapidamente, para criar produtos que atendam de forma inovadora as necessidades dos consumidores? Ou, melhor, como saber o que querem os consumidores sem juntar um grupo deles em uma sala fechada?

Uma das respostas pode estar na mineração de dados online em lugares diferentes, e um estudo liderado pelo russo Artem Timoshenko, professor assistente de marketing na Kellogg School of Management, da Northwestern University, aponta um caminho: analisar, com ajuda de algoritmos de machine learning, os reviews e comentários nos sites de e-commerce.

O estudo foi conduzido por Timoshenko e pelo pesquisador John Hauser, da MIT Sloan School of Management, em parceria com a consultoria Applied Marketing Science, Inc. (AMS), com mais de vinte anos de experiência em pesquisa de mercado. O tema da prova de conceito foi escovas de dentes. A AMS tinha um estudo recente com focus groups tradicionais sobre o produto e se animou a entrar no projeto para validar a hipótese.

Receba grátis nossa newsletter

Os pesquisadores reuniram reviews sobre escovas de dentes publicados na Amazon, somando um relatório de mais de 12 mil palavras, e usaram um algoritmo de machine learning que “limpou” comentários que não teriam qualquer peso na inovação de produto (tipo: “meu filho ama essa escova“). Esse relatório foi então analisado pelos especialistas da AMS usando as mesmas técnicas de review de focus groups.

O resultado é animador: os insights de inovação usando os reviews online foram 97% compatíveis com as 86 ideias identificadas nos focus groups humanos, mas com a vantagem de apresentar 8 novas ideias, um desempenho 10% melhor que o das técnicas tradicionais. Timoshenko publicou o estudo em uma base de conteúdos científicos e o código do algoritmo foi liberado gratuitamente para empresas.

A tecnologia que faz surdos e ouvintes se entenderem

Inteligência Artificial

A tecnologia que faz surdos e ouvintes se entenderem

Com o uso de Inteligência Artificial, a startup alagoana Hand Talk traduz português e inglês em línguas de sinais. O propósito é reduzir as barreiras de comunicação entre surdos e ouvintes, como conta o CEO Ronaldo Tenório

Por Marina Hortélio
E a IA começa a se tornar onipresente, de fato

Inteligência Artificial

E a IA começa a se tornar onipresente, de fato

Com TinyML, qualquer objeto, por menor que seja, se tornará inteligente. A tecnologia permite fazer mais com menos espaço e poder computacional

Por Cristina De Luca
Chegou a hora de quebrar os silos de dados

Inteligência Artificial

Chegou a hora de quebrar os silos de dados

A boa notícia para a indústria de dados e IA é que os data warehouses, os data lakes e as lakehouses estão crescendo muito rápido, em escala

Por Cristina De Luca
Por uma IA que trabalhe melhor com o português

Inteligência Artificial

Por uma IA que trabalhe melhor com o português

Centro de Inteligência Artificial da USP, em parceria com a Fapesp e a IBM, se prepara para liberar três conjuntos de dados open source para treinamento de modelos NLP no nosso idioma

Por Cristina De Luca
IA começa a ser aplicada na previsão de eventos climáticos extremos

Inteligência Artificial

IA começa a ser aplicada na previsão de eventos climáticos extremos

Mas embora vastos conjuntos de dados de observação da Terra estejam no cerne da ciência do clima, apenas uma pequena fração deles é usada atualmente para "treinar" modelos climáticos

Por Cristina De Luca
Tendências para dados e IA nos negócios

Inteligência Artificial

Tendências para dados e IA nos negócios

Ecossistemas de dados, joint ventures de IA, Small e Wide Data estão entre entre os maiores impulsionadores de inovação nos próximos meses, de acordo com Gartner e Capgemini

Por Cristina De Luca