s
360°

SXSW 2022: aprendizados para além do hype

O que mais chamou a atenção? Para se posicionar no mundo descentralizado, comandado pela IA e por realidades paralelas, observação, criatividade e experimentação são ainda mais necessárias

Por Cristina De Luca 21/03/2022

Metaverso, cripto, DiFi, Web3, DAOs… o hype sobre essas tendências pode ter atingido seu ápice na última semana, durante o SXSW 2022. Sim, ainda há muita especulação a respeito desse novo mundo impulsionado pelas Big Techs e  VCs receosos pelo excesso de regulação e ansiosos por dinheiro novo. Mas também há, ao menos, uma certeza: antes de mergulhar de cabeça, ou rejeitar por completo essas tendências e taxá-las de exageradas,  convém ajustar as lentas da observação, exercitar a criatividade e experimentar muito, para encontrar os caminhos que mais façam sentido para o seu negócio e a sua marca.

A curiosidade é um dos principais motores da inovação. Mas a curiosidade também é um desafio. Exige que questionemos nossas próprias crenças e nos conscientizemos que as rápidas iterações de novas tecnologias, mudanças sociais, valores e expectativas redefinidas das pessoas possam requerer novos movimentos.

CADASTRE-SE GRÁTIS PARA ACESSAR 5 CONTEÚDOS MENSAIS

Ao cadastrar-se você declara que está de acordo
com nossos Termos de Uso e Privacidade.

Cadastrar

A verdade de ontem pode não ser necessariamente relevante amanhã, e permanecer no jogo certamente exigirá ajustes constantes, como deixaram claro as grandes estrelas do evento. Amy Webb chamou esse exercício de re-percepção. Prática corrente de Scott Galloway, Rohit Bhargava, e até do próprio Beeple (Mike Winkelmann).

O que podemos extrair da fala de cada um, para nos ajudar a ir além do hype?

  • Para chegar a conclusões acionáveis, temos que pensar em cenários e no que eles podem significar para nossas marcas, indústrias, grupos-alvo ou até mesmo para a sociedade como um todo, sinaliza Amy Webb. O brilho excessivo dos NFTs, criptomoedas e imóveis digitais,  hoje, pode estar nos distraindo do verdadeiro valor do metaverso, amanhã.
  • O potencial de criar experiências mais imersivas por meio de wearables e novas interfaces, enquanto a tecnologia blockchain serve como ferramenta de identificação com vários aplicativos e sistemas, pode ser o futuro da web. Mas para isso será preciso superar a desconfiança na IA e na biologia sintética, a falta de interoperabilidade entre os aplicativos do metaverso, a necessidade de gerenciar várias versões do próprio eu digital em espaços virtuais e o risco da falta de governança, caso as DAOs instituam o caos.
  • Uma relação consumidor-marca em mudança, com um foco muito mais forte nas necessidades individuais, já está em marcha, pontuou Rohit Bhargava. E o metaverso tem tudo para ser a consolidação dessa “Identidade Ampliada”. Atingir grupos-alvo com ofertas e conteúdos relevantes torna-se ainda mais complicado e a divisão acelerada de identidade do consumidor de amanhã é algo para o qual temos de nos preparar.
  • Não por acaso, na opinião de Scott Galloway, os estágios iniciais do metaverso serão construídos em torno de conteúdo que gere intimidade e engajamento. O que, inicialmente, será mais fácil de construir com áudio, em vez de apelos visuais e táteis aprimorados. E os NFTs serão expressões da personalidade e satisfação da propriedade. Instrumentos de status e capital social, à medida que a vida se move mais para a Web3, nem tão descentralizadaa quanto pregam.
  • Precisamos ter em mente que levará tempo para as pessoas entendam e apreciem a propriedade virtual, alertou Beeple, que acaba de inaugurar uma exposição física, em uma galeria de Nova York, batizada de “Uncertain Future,  na qual exibe impressões de obras que fez digitalmente, com o objetivo de incentivar o diálogo sobre o papel que as grandes empresas de tecnologia desempenham em nossas vidas e o poder que elas têm na sociedade moderna. Ele também acredita que parte da promessa dos NFTs é que eles permitirão que as pessoas tenham mais propriedade sobre seus eus virtuais.

SXSW 2022: as tendências para o futuro que chega mais cedo

The Shift 360°

SXSW 2022: as tendências para o futuro que chega mais cedo

The Shift acompanha as conversas mais importantes do festival e traz para você não sofrer de FOMO

Amy Webb convida à re-percepção

The Shift 360°

Amy Webb convida à re-percepção

A re-percepção é a essência da criatividade, da inovação e do empreendedorismo, além de qualidade essencial da boa gestão, segundo Amy Webb, em sua fala anual no SXSW 2022

Scott Galloway questiona a Web3 e reposiciona o Metaverso

The Shift 360°

Scott Galloway questiona a Web3 e reposiciona o Metaverso

Na sua opinião, o metaverso está mais para voz que para as tecnologias visuais: menos "Matrix", e mais parecido com o filme "Her". E a Apple será a empresa dominante, não a Meta

O metaverso vai oferecer experiências descentralizadas, diz Zuckerberg

The Shift 360°

O metaverso vai oferecer experiências descentralizadas, diz Zuckerber...

Para o cofundador do Facebook, as pessoas vão explorar diferentes avatares como forma de expressão e poderão experimentar a sensação de estarem presentes em qualquer lugar

Por Redação The Shift
John Maeda: resiliência e adaptação para prosperar

The Shift 360°

John Maeda: resiliência e adaptação para prosperar

As empresas precisam ter resiliência e saber se adaptar e se proteger para prosperar, segundo o especialista em inovação John Maeda

Inovação premiada: conheça os ganhadores do SXSW Pitch

The Shift 360°

Inovação premiada: conheça os ganhadores do SXSW Pitch

Com categorias que vão da IA ao futuro do trabalho, as startups ganhadoras apresentam soluções para diferentes problemas e demandas atuais.

Por Redação The Shift
As DAOs vão muito além do óbvio

The Shift 360°

As DAOs vão muito além do óbvio

Com as DAOs (Decentralized Autonomous Organization, ou Organização Autônoma Descentralizada), estamos diante de um movimento que muda diariamente enquanto é construído por seus players.

Mais aberto e conectado: uma outra visão do metaverso

The Shift 360°

Mais aberto e conectado: uma outra visão do metaverso

Diferente do que propõem Mark Zuckerberg e Scott Galloway, existem companhias que imaginam o metaverso como um ambiente aberto e não controlado por uma única empresa

Por Redação The Shift
Neal Stephenson centra foco na crise climática

The Shift 360°

Neal Stephenson centra foco na crise climática

Considerado um dos escritores mais influentes da geração tech, ele defende que soluções escaláveis sejam aplicadas para reduzir o dióxido de carbono na atmosfera

Por Redação The Shift
10 lições não-óbvias de Rohit Bhargava

The Shift 360°

10 lições não-óbvias de Rohit Bhargava

Se há algo que o escritor e especialista em marketing e inovação faz bem é exercitar a curiosidade para identificar mudanças de comportamento que antecipam tendências. E provou isso mais um vez

Afinal, para que servem Web3, NFT e Metaverso?

The Shift 360°

Afinal, para que servem Web3, NFT e Metaverso?

"A Web3 é sobre propriedade", explica Sandy Carter, ex-IBM, ex-AWS, e atualmente SVP da Unstoppable Domains, uma empresa que registra domínios associados ao mundo do DeFI

Por Marina Hortélio
A SXSW 2022 e o novo shift da Internet 

The Shift 360°

A SXSW 2022 e o novo shift da Internet 

A Web3 está só começando e ainda há muito por desenvolver. O choque de paradigma de modelos centralizado vs descentralizados é um grande impasse para atingirmos o potencial que essa tecnologia pode proporcionar.

Por Joaquim Santos Neto, especial para The Shift