s
As habilidades sociais são particularmente importantes em ambientes onde a produtividade depende de uma comunicação eficaz, como acontece nas grandes organizações Crédito: Pixabay
CARREIRA

Sem habilidades sociais, não dá para ser CEO

A mudança nas habilidades desejadas pelas organizações privilegia a boa comunicação e a capacidade de convencer e entender o que as pessoas querem

Por Soraia Yoshida 27/06/2022

Sem habilidades sociais, não há CEO hoje que dê conta de operações de negócios tão complexas, centradas na tecnologia e em uma força de trabalha muito mais diversa. Em um momento em que quatro gerações ocupam espaço lado a lado no mercado de trabalho, as lideranças precisam se destacar como comunicadores habilidosos, capazes de construir relacionamentos transparentes e de confiança. Essas lideranças precisam ainda evocar as habilidades que já vinham sendo desenvolvidas, especialmente a capacidade de navegar cenários incertos, promover a transformação de suas organizações, se adaptar e solucionar problemas à medida que vão aparecendo. Está achando pouco? Pode ter certeza que não é.

“Hoje, as empresas precisam contratar executivos capazes de motivar forças de trabalho diversificadas, tecnologicamente experientes e globais; quem pode desempenhar o papel de estadista corporativo, lidando efetivamente com constituintes que vão desde governos soberanos a ONGs influentes; e que podem aplicar de forma rápida e eficaz suas habilidades em uma nova empresa, em um setor que pode ser desconhecido e, muitas vezes, com colegas do C-suite que eles não conheciam anteriormente”, escrevem Raffaella Sadun, Joseph Fuller (da Harvard business School), Stephen Hansen (Imperial College) e PJ Neal (Russell Reynolds Associates) em artigo para a Harvard Business Review. Segundo eles, essas mudanças representam um “desafio fenomenal” para o recrutamento de executivos, uma vez que muitas habilidades “soft” sequer constam de currículos ou são reconhecidas. “Simplificando, está ficando mais difícil e menos prudente confiar em indicadores tradicionais de potencial gerencial”.

Quando levantamos as características que estavam formando o novo perfil dos C-levels, no final do ano passado, já estava clara essa mudança. “O perfil do líder de hoje é de alguém participativo, que dá autonomia para a equipe, que quer entender o que cada um está fazendo não para controlar, mas porque ele sabe que a inovação vem de baixo para cima”, chegou a dizer Mário Custódio, Diretor da Área de Executive Search da consultoria Robert Half no Brasil, especializada no recrutamento de executivos para lideranças. As soft skills se tornaram praticamente mandatórias não apenas para o CEO, como para todos os C-levels, o que tem feito com que organizações em busca de candidatos para suas cadeiras no nível mais alto busquem por pessoas com resiliência, paciência, equilíbrio, moderação, autoconfiança, compreensão, empatia, compaixão.

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis para ler agora
e acesse 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

Um exame diferente para diversidade e inclusão

Gestão

Um exame diferente para diversidade e inclusão

O Teste de Bechdel-Wallace extrapolou as fronteiras da cultura pop e acabou por se tornar uma métrica de aferição da diversidade de gênero aplicável em qualquer instituição

Habilidades socioemocionais preparam as empresas para o futuro

Entrevista

Habilidades socioemocionais preparam as empresas para o futuro

Filip De Fruyt, Professor da Universidade de Ghent, na Bélgica e membro do conselho científico do eduLab 21, do Instituto Ayrton Senna, explica, em entrevista exclusiva à THE SHIFT, que perfis profissionais estão mais aptos a enfrentar...

O lado obscuro do trabalho remoto 

Carreira

O lado obscuro do trabalho remoto 

Falta de horário fixo, dispersão, procrastinação, isolamento social, menos engajamento, ansiedade e depressão são alguns dos efeitos que estão comprometendo a saúde mental dos profissionais

Aparando as arestas do “Grande Desgaste”

Gestão

Aparando as arestas do “Grande Desgaste”

O quiet quitting e a Great Resignation seguem fazendo um estrago. Para atrair talentos, as empresas estão transformando o atrito em negociação. Mas há que ter estratégias

O fim do sistema de comando e controle

Entrevista

O fim do sistema de comando e controle

Dani Plesnik, diretora de Talent & Culture da Deloitte aposta na criação de um ambiente de trabalho emocionalmente seguro, menos hierárquico. Um espaço para conexão que viabilize o trabalho em rede. "Não é rocket science", diz ela....

Teletrabalho: adoção ignora legislação

Gestão

Teletrabalho: adoção ignora legislação

Lei 14.442/22 foi sancionada, porém, em nada favoreceu a busca das empresas por uma equação que equilibre a produtividade e o bem estar dos trabalhadores em ambiente remoto ou híbrido.