s
As mulheres se sentem pressionadas a estarem “sempre disponíveis” para tratar de alguma questão fora do horário de trabalho Crédito: Karolina Grabowska/Pexels
DIVERSIDADE

Mulheres no trabalho: cresce estresse, esgotamento e assédio

No Brasil, burnout é o principal motivo para querer deixar o emprego, seguido de remuneração inadequada e falta de oportunidades

Por Soraia Yoshida 13/06/2022

Pelo menos 53% das mulheres dizem que seus níveis de estresse subiram quando comparados com 2021 e quase metade (46%) delas se sente esgotada, inclusive com sintomas de burnout. E um terço (33%) das mulheres teve de tirar folgas, licenças ou dias a ver para descansar e se tratar, devido a questões de saúde mental. Esse dado dificilmente vai bater com os registros de RH e as plataformas das empresas: apenas 43% se sentem confortáveis em se abrir com colegas e com a gerência sobre as dificuldades de saúde mental que enfrentam como o motivo para sua ausência do trabalho.

Tem mais: as mulheres se sentem pressionadas a estarem “sempre disponíveis” para tratar de alguma questão de trabalho, o que faz com que um terço delas sinta grande dificuldade em se desligar completamente. E pelo menos 42% das trabalhadoras desse grupo receiam que sua progressão na carreira será afetada se não estiverem constantemente disponíveis.

 

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis para ler agora
e acesse 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

Habilidades socioemocionais preparam as empresas para o futuro

Entrevista

Habilidades socioemocionais preparam as empresas para o futuro

Filip De Fruyt, Professor da Universidade de Ghent, na Bélgica e membro do conselho científico do eduLab 21, do Instituto Ayrton Senna, explica, em entrevista exclusiva à THE SHIFT, que perfis profissionais estão mais aptos a enfrentar...

O lado obscuro do trabalho remoto 

Carreira

O lado obscuro do trabalho remoto 

Falta de horário fixo, dispersão, procrastinação, isolamento social, menos engajamento, ansiedade e depressão são alguns dos efeitos que estão comprometendo a saúde mental dos profissionais

Teletrabalho: adoção ignora legislação

Gestão

Teletrabalho: adoção ignora legislação

Lei 14.442/22 foi sancionada, porém, em nada favoreceu a busca das empresas por uma equação que equilibre a produtividade e o bem estar dos trabalhadores em ambiente remoto ou híbrido.

“Quiet quitting”: um barulho ensurdecedor chega às empresas

Tendências

“Quiet quitting”: um barulho ensurdecedor chega às empresas

Movimento que defende trabalhar apenas o contratado começa no Tik Tok, invade as redes sociais e acende o sinal amarelo na área de RH: será tão perigoso quanto a "Grande Demissão?"

Lugar de mulher também é no metaverso

Inovação

Lugar de mulher também é no metaverso

Número de profissionais envolvidas com os mundos virtuais cresce globalmente. Empresas como a Meta, a Sandbox e a agência de NFT World of Women apostam na formação tecnológica feminina

Quando os atributos são mais relevantes que as habilidades

Tendências

Quando os atributos são mais relevantes que as habilidades

E por que compreender a diferença entre os dois é um passo crítico para otimizar seu desempenho em tempos desafiadores, segundo os profissionais de RH