s

INOVAÇÃO

Futuro da cirurgia será virtual e está chegando ao Brasil

Equipamentos de última geração e avanços em robótica e IA estão transformando salas de operação

Por João Ortega 26/11/2020

A pandemia colocou o mercado global de saúde em evidência. Healthtechs, startups deste setor, levantaram mais de US$ 10 bilhões em Venture Capital na Europa e nos EUA, superando o total do ano anterior com tempo de sobra. No Brasil, há um movimento semelhante, em que “as empresas desse setor ganharão um estímulo a mais para produzir mercadorias que possam ser úteis à população”, na avaliação do analista de investimentos Ilan Arbetman.  

Por conta de particularidades da pandemia, como o isolamento social e o vírus em si, ganham destaque tecnologias de telemedicina e desenvolvimento de vacinas, por exemplo. No entanto, as salas de operação nos hospitais também estão sujeitas à inovação neste cenário, e tecnologias de fora do país estão aterrissando por aqui. 

É o caso da tecnologia Alphenix 4DCT, desenvolvida no Japão pela Canon desde 1992 no campo da radiologia intervencionista. Trata-se de um dispositivo que une ferramentas para exame de imagem, como tomografias, e técnicas de intervenção cirúrgica pouco invasiva. Na prática, a novidade substitui duas máquinas com apenas uma solução. 

Receba grátis nossa newsletter

Isto é decisivo porque dispensa o deslocamento dos pacientes entre salas diferentes, o que é essencial a fim de evitar contaminações da Covid-19 dentro dos hospitais. Além disso, permite apenas uma aplicação de anestesia para todos os procedimentos e libera o setor de imagem para realizar exames diagnósticos comuns. 

“O maior impacto é nas intervenções oncológicas. Existem dois métodos de cirurgia para tratar um tumor: via circulação e por meio da pele. Cada um tem suas limitações. Agora, torna-se possível aplicar os dois métodos de uma vez só”, explica o Dr. Carlos Abath, especialista em radiologia intervencionista e médico responsável por viabilizar a instalação do equipamento no Real Hospital Português, em Recife. “O efeito de cada uma é potencializado e, talvez, poderemos tratar tumores maiores”. A tecnologia da Canon também será usada em pacientes que sofreram AVC, entre outros traumas. 

A sala de operação do futuro

A Alphenix 4DCT é apenas um exemplo de equipamento cirúrgico do futuro, uma vasta gama de produtos cujo mercado global é estimado em mais de US$ 14 bilhões. Em breve, as salas de operação dos principais hospitais no mundo não apenas estarão repletas de máquinas inovadoras como terão todas elas interconectadas a sistemas de inteligência artificial, robótica e realidade aumentada, com todo o potencial da rede 5G. 

De maneira geral, todas estas tecnologias convergem para “estender a capacidade sensorial e analítica do cirurgião”, afirma o Dr. Husain Abbas, diretor de cirurgia robótica do hospital de Jacksonville. Em palestra para o canal TEDx (abaixo), o especialista descreve aplicações práticas de inovações em centros cirúrgicos. 

Um projeto realizado em parceria entre a SAP e a Universidade de Heidelberg, na Alemanha, buscou criar um conceito de sala de operação inteligente. “Durante uma operação, há muito dado coletado: sobre os dispositivos e sobre os pacientes, além das imagens”, afirma a Dra. Magdalena Görtz, assistente médica do departamento. Em uma plataforma digital desenvolvida pela empresa de tecnologia, todas essas informações são concentradas, analisadas e geram insights para os profissionais. 

Cada vez mais, a tendência é que o cirurgião fique em um espaço anexo ao procedimento, controlando as robôs remotamente, recebendo insights gerados por IA e resultados em tempo real de exames diversos. Tudo isso em uma mesma sala, sem necessidade de mover o paciente entre departamentos. Na visão do cirurgião Dennis Lund, do Hospital Pediátrico de Stanford, isso se traduz em “menor tempo de exposição do paciente à radiação, menos tempo sob anestesia e uma passagem mais rápida pelo hospital de forma geral. 

Para o Dr. Abath, alguns hospitais do sistema privado de saúde no Brasil já se equiparam aos de países desenvolvidos quanto à adoção de tecnologia cirúrgica. Ele afirma já existir no país soluções de robótica e IA na sala de operação e aponta intervenções genéticas tendo um papel decisivo nos próximos anos. 

Por outro lado, o cirurgião indica que há necessidade de olhar para o lado humano no momento de adotar avanços tecnológicos nas operações. “Treinamento dos profissionais e humanização das cirurgias são temas que precisam estar no centro da discussão sobre cirurgia remota, robótica e inteligência artificial”, diz Abath. 

“Paradoxalmente, o futuro da medicina é a não-intervenção cirúrgica. O desenvolvimento de medicamentos e terapias genéticas vai evoluir cada vez mais, e a cirurgia será exceção. Nestes casos, haverá uso intenso de algoritmos inteligentes para garantir procedimentos ainda menos invasivos e arriscados”, completa o médico brasileiro.

Como prever e prevenir a próxima pandemia?

Healthtech

Como prever e prevenir a próxima pandemia?

O setor de tecnologia, o poder público, organizações internacionais e a academia podem colaborar para criar um sistema de alerta

Por João Ortega
Ministério da Saúde regulamenta a Telemedicina

Especial - COVID-19

Ministério da Saúde regulamenta a Telemedicina

Startups, hospitais e demais profissionais que desenvolvem atividades utilizando a telemedicina, têm agora mais segurança jurídica, com a Portaria 467/2020, publicada nesta segunda-feira, 23/03.

Por Redação The Shift
Vigilância genômica na linha de frente

Entrevista

Vigilância genômica na linha de frente

A cientista e bioquímica Jaqueline Góes defende a importância da popularização do conhecimento científico para o futuro da nossa sociedade, e da vigilância genômica como ferramenta de prevenção para futuras epidemias

Por Cristina De Luca