s

HEALTHTECH

Como prever e prevenir a próxima pandemia?

O setor de tecnologia, o poder público, organizações internacionais e a academia podem colaborar para criar um sistema de alerta

Por João Ortega 14/11/2020

Se a dinâmica das vacinas não permite voltar ao “velho normal”, ao menos há lições valiosas para 2021. Iniciativas como a da ONU para acabar com o ciclo “pânico-depois-esquece” são essenciais. “Esta não será a última pandemia, nem a última emergência global”, afirmou o diretor-geral da OMS Tedros Ghebreyesus. O setor de tecnologia, o poder público, as organizações internacionais e a academia estão olhando para formas de prever – e prevenir – a próxima pandemia.

“Nenhum vírus emerge do nada. Existe todo um processo de transmissão que a gente chama de críptica, que é a transmissão silenciosa, para depois emergir como epidemia”, explica a cientista brasileira Jaqueline Góes. “A vigilância genômica pode trabalhar tanto com vírus epidêmicos, como está sendo o caso do SARS-CoV-2, quanto com vírus endêmicos, como no nosso caso aqui, da dengue, da febre amarela, da Zica. Mesmo que eles diminuam a incidência em alguns períodos do ano, a gente consegue acompanhar e prever a ocorrência de surtos”.

O comércio e consumo de animais selvagens, diretamente ligado à Covid-19, é a parte mais clara do problema, mas não a única. O Global Virome Project vai mapear milhares de vírus em animais com potencial de ameaçar humanos. Essa informação poderia ser compartilhada com laboratórios e companhias farmacêuticas para desenvolver agora os futuros tratamentos. Mas é importante lembrar que parte da solução passa pela proteção ambiental.

Conteúdo exclusivo para membros da The Shift

Aproveite a Cyber Week e assine

De adenovírus a RNA: os prós e contras das tecnologias para vacinas contra Covid-19

Healthtech

De adenovírus a RNA: os prós e contras das tecnologias para vacinas...

Cada vacina usa uma abordagem ligeiramente diferente para preparar seu sistema imunológico para reconhecer e combater o SARS-CoV-2, o vírus que causa a Covid-19

Por Suresh Mahalingam e Adam Taylor, The Conversation
Vacina não é garantia de uma retomada rápida dos negócios

Tendências

Vacina não é garantia de uma retomada rápida dos negócios

Assim como os cientistas, também os economistas acreditam que as restrições impostas para conter a propagação do vírus terão de ser relaxadas gradualmente

Por Redação The Shift -
Em que ponto as vacinas são disruptivas?

Healthtech

Em que ponto as vacinas são disruptivas?

Toda a cadeia de produção de vacinas passou por um enorme processo de aceleração – muito maior, provavelmente, do que em outras indústrias

Por Soraia Yoshida