s
Para as lideranças preocupadas em rever seu papel no novo mundo do trabalho, os funcionários descrevem um líder empático como alguém transparente, justo e que cumpre o combinado em suas ações Crédito: Pixabay
CARREIRA

Empatia é o skill mais importante para um líder

Os funcionários descrevem um líder empático como alguém transparente, justo e que cumpre o combinado em suas ações

Por Soraia Yoshida 18/10/2021

O fato de que tantos profissionais estão dispostos a deixar seus empregos se tiverem que voltar a trabalhar todos os dias no escritório (até 95% pensam em trocar de emprego, segundo a Monster) tem suas raízes no que “já deu” no modelo tradicional de trabalho. Um estudo recém-publicado da Ernst & Young (EY) revela que 54% dos profissionais deixaram um emprego anterior por falta de empatia do chefe e 49% disseram que seus empregadores não tinham qualquer preocupação com suas vidas pessoais. Não se sentir respeitado e ter que cumprir expectativas pouco realistas também não ajuda.

Na pesquisa "2021 EY Empathy in Business Survey", realizada com 1.000 funcionários de empresas nos EUA, algumas constatações:

  • 58% deixaram um emprego anterior porque não se sentiam valorizados por seu chefe
  • 48% deixaram um emprego por não sentir que faziam parte daquela companhia
  • 46% acham que os esforços de sua empresa para mostrar empatia com os funcionários não são sinceros
  • 42% dizem que sua empresa não cumpre as promessas feitas
  • 37% deixaram um emprego porque tinham dificuldade em se conectar com os colegas

Diante de um líder empático, as reações são absolutamente diferentes:

  • 88% acham que a liderança empática cria lealdade entre os funcionários para com seus líderes
  • 90% dizem que a liderança empática leva a uma maior satisfação no trabalho
  • 79% concordam que diminui a rotatividade de funcionários

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis para ler agora
e acesse 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

Teletrabalho: adoção ignora legislação

Gestão

Teletrabalho: adoção ignora legislação

Lei 14.442/22 foi sancionada, porém, em nada favoreceu a busca das empresas por uma equação que equilibre a produtividade e o bem estar dos trabalhadores em ambiente remoto ou híbrido.

A Inteligência Cultural (CQ) é indispensável às empresas

Liderança

A Inteligência Cultural (CQ) é indispensável às empresas

Porque no ambiente de negócios de hoje, já não é aceitável apenas valorizar ou entender a própria cultura ou ponto de vista. Devemos ser pensadores estratégicos com uma visão diversa de mundo.

“Quiet quitting”: um barulho ensurdecedor chega às empresas

Tendências

“Quiet quitting”: um barulho ensurdecedor chega às empresas

Movimento que defende trabalhar apenas o contratado começa no Tik Tok, invade as redes sociais e acende o sinal amarelo na área de RH: será tão perigoso quanto a "Grande Demissão?"

Lugar de mulher também é no metaverso

Inovação

Lugar de mulher também é no metaverso

Número de profissionais envolvidas com os mundos virtuais cresce globalmente. Empresas como a Meta, a Sandbox e a agência de NFT World of Women apostam na formação tecnológica feminina

Quando os atributos são mais relevantes que as habilidades

Tendências

Quando os atributos são mais relevantes que as habilidades

E por que compreender a diferença entre os dois é um passo crítico para otimizar seu desempenho em tempos desafiadores, segundo os profissionais de RH

O futuro do trabalho pode ser assíncrono

Gestão

O futuro do trabalho pode ser assíncrono

Dar aos colaboradores a flexibilidade de trabalhar nos momentos em que se sentem mais focados e produtivos pode representar um enorme ganho para as organizações. Mas há desafios