s
Ter uma força de trabalho treinada e dotada das habilidades necessárias para dar conta do futuro do trabalho requer programas massivos de Aprendizagem e Desenvolvimento Crédito: Priscilla Du Preez/Unsplash
GESTÃO

Treinamento integrado ao trabalho traz um retorno maior

Desenvolver as habilidades dos colaboradores pode se tornar mais lucrativo ao inserir a aprendizagem no fluxo do trabalho

Por Soraia Yoshida 18/07/2022

Ter uma força de trabalho treinada e dotada das habilidades necessárias para dar conta do futuro do trabalho requer programas massivos de Aprendizagem e Desenvolvimento (L&D, na sigla em inglês), como já apontou o relatório “Future of Jobs” do Fórum Econômico Mundial. Programas de reskilling se tornou um imperativo econômico e precisam fazer parte da estratégia de desenvolvimento, mas existe o desafio de integrar essas jornadas no “fluxo do trabalho”. Quanto mais integradas, mais baixo vai ficando esse muro que separa o trabalho da aprendizagem.

Segundo um levantamento, apenas 10% dos US$ 200 bilhões gastos todos os anos em treinamento e desenvolvimento corporativo nos Estados Unidos apresentam resultados. Neste artigo, o professor Bruce Rudy, da Universidade do Texas, indica os desafios mais comuns:

  • Os treinamentos geralmente ocorrem fora da organização, dificultando a tradução do que é aprendido em sala de aula em aplicações reais no local de trabalho.
  • Os treinamentos tendem a exigir que o aluno invista uma quantidade substancial de seu próprio tempo, enquanto ainda espera cumprir todas as suas obrigações de trabalho regulares.
  • O ônus de aplicar o aprendizado é normalmente colocado no aluno, com acompanhamento mínimo do instrutor após a conclusão do treinamento.

Na outra ponta está a possibilidade de que essa aprendizagem faça parte do flow do trabalho. Uma pesquisa da Josh Bersin apontou que os funcionários que passam tempo aprendendo no trabalho têm 47% menos chances de ficarem estressados ​​e 39% mais chances de se sentirem produtivos e bem-sucedidos do que aqueles que não o fazem. Ao ganhar novas habilidades e perceber que podem resolver problemas, esses colaboradores sentem sua autoestima aumentar. O empoderamento os torna mais ativos na construção de suas próprias habilidades, através de aprendizado autodirigido e exercitam e aprendem mais em equipes que trabalham com projetos.

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis e tenha acesso a 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

Energia, desmatamento e net zero: foco ESG das corporações, em 2022

Sustentabilidade

Energia, desmatamento e net zero: foco ESG das corporações, em 2022

Europa lidera a corrida pela redução de emissões e China começa a despertar para as metas de 2050

O futuro do trabalho pode ser assíncrono

Gestão

O futuro do trabalho pode ser assíncrono

Dar aos colaboradores a flexibilidade de trabalhar nos momentos em que se sentem mais focados e produtivos pode representar um enorme ganho para as organizações. Mas há desafios

Treinamento integrado ao trabalho traz um retorno maior

Gestão

Treinamento integrado ao trabalho traz um retorno maior

Desenvolver as habilidades dos colaboradores pode se tornar mais lucrativo ao inserir a aprendizagem no fluxo do trabalho

O trabalho mudou: agora é a vez de mudar a retenção de talentos

Carreira

O trabalho mudou: agora é a vez de mudar a retenção de talentos

Muitas lideranças gastam boa parte do tempo em conversas com recrutadores para encontrar candidatos para reforçar suas equipes

Bem-estar: o CEO pensa uma coisa, os funcionários outra. E agora?

Liderança

Bem-estar: o CEO pensa uma coisa, os funcionários outra. E agora?

Um estudo mostra que, muitas vezes, o CEO acha que está tudo bem, quando não está

Poder relacional: influência pode ajudar a melhorar trabalho

Liderança

Poder relacional: influência pode ajudar a melhorar trabalho

Como construir relações saudáveis sem se apoiar na hierarquia