s
Crédito: Sebastian Schuppik/Unsplash
MERCADO

Transformação digital: cenário brasileiro é desolador

A pesquisa TIC 2019, realizada pela Cetic.br, aponta que ainda existe um longo caminho para que as empresas brasileiras adotem de vez o padrão digital

Os resultados da recém divulgada pesquisa TIC Empresas 2019, realizada pelo Cetic.br, mostram que diversos setores econômicos brasileiros continuam despreparados para a digitalização de seus negócios. O uso de tecnologias emergentes ainda é incipiente.

As perguntas sobre o uso de novas tecnologias foram feitas apenas para as empresas que possuem áreas ou departamentos de TI, que representam cerca de 40% de todo o universo. “Geralmente são empresas  de grande porte”, comenta Leonardo Lins, coordenador do estudo. Delas, apenas 10% realizaram análises de Big Data no último ano; o uso de robôs industriais atingiu 4%, o de robôs de serviço, 2%; e a  impressão 3D, 5%. Entre as empresas que já fazem uso de Big Data, a maioria (66%) trabalha com dados próprios, provenientes de dispositivos inteligentes ou sensores, e com dados de geolocalização (60%).

CADASTRE-SE GRÁTIS PARA ACESSAR 5 CONTEÚDOS MENSAIS

Já recebe a newsletter? Ative seu acesso

Ao cadastrar-se você declara que está de acordo
com nossos Termos de Uso e Privacidade.

Cadastrar

O estudo entrevistou 7 mil companhias em todo o território nacional, com a coleta de dados ocorrendo entre abril e agosto de 2019. Os resultados indicam também que:

  • Serviços em nuvem foram mais usados pelas companhias: 39% delas pagaram por e-mail em nuvem, 27% pagaram por software de escritório em nuvem, 38% pagaram por armazenamento de arquivos ou banco de dados em nuvem e 23% pagaram por capacidade de processamento em nuvem.
  • No que diz respeito à infraestrutura, a fibra óptica se tornou a principal forma de acesso à Internet usada pelas empresas brasileiras. E houve aumento das velocidades de Internet contratada: 53% das empresas declararam contratar entre 10 Mbps a 100 Mbps.
  • Em 2019, 57% das empresas venderam pela Internet, com destaque para os setores da indústria, comércio, informação e comunicação, alojamento e alimentação. A maior fatia das empresas (42%) utilizou aplicativos de mensagens como WhatsApp, Skype ou chat do Facebook para intermediar as transações. Outros meios foram e-mail (39%), site da empresa (16%) e plataformas de venda (14%).
  • Metade das empresas (54%) possui um site. E a presença em redes sociais teve um crescimento de 8 pontos percentuais em relação a 2017, atingindo 78% das empresas em 2019.

O horizonte bilionário dos ecossistemas de canais

Tendências

O horizonte bilionário dos ecossistemas de canais

Segundo a empresa de pesquisas Canalys, é formado por 223 startups e empresas movimentaram US$ 3,9 bilhões em vendas de software, em 2021 e têm US$ 8,9 bilhões projetados para 2027

Nem sempre a IA funciona. Por que?

Inteligência Artificial

Nem sempre a IA funciona. Por que?

É possível resumir o que a inteligência de máquina faz muito bem com três Ps: padrões, probabilidades e performance. O problema é a falta de compreensão das características básicas do problema de negócios.

Após regulamentação, startups inovam na telemedicina veterinária

Tendências

Após regulamentação, startups inovam na telemedicina veterinária

O atendimento remoto já era praticado, mas regulamentação deve fazer o modelo evoluir. Novas oportunidades de negócio foram criadas.

Simple2u: como a MAG enfrenta a transformação dos seguros

Entrevista

Simple2u: como a MAG enfrenta a transformação dos seguros

Em entrevista exclusiva à THE SHIFT, Leonardo Lourenço, Head Geral da Simple2u, conta como a insurtech criada dentro do sandbox regulatório da Susep, repensa o segmento.

O desafio laboral da realidade virtual

Gestão

O desafio laboral da realidade virtual

Pesquisadores mapeiam desconfortos físicos e psicológicos que, hoje, impedem a produtividade neste ambiente. Frustração, fadiga visual, enxaqueca, náusea e ansiedade são citados.

Correção no mercado latino: investimentos caem, mas otimismo se mantém

Tendências

Correção no mercado latino: investimentos caem, mas otimismo se mant...

Segundo estudo da LAVCA, 2022 já é o segundo melhor ano para os investimentos de Venture Capital na América Latina.