s
Edifício-sede do Banco Central no Setor Bancário Norte, em Brasília Crédito: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

MERCADO

Open Banking no Brasil: enfim, a regulamentação

Uma das apostas do Banco Central para baixar a taxa de juros cobrada pelos bancos e incentivar a competição no mercado de crédito, depende do compartilhamento de dados dos clientes

O Banco Central (BC) e o Conselho Monetário  Nacional (CMN) publicaram nesta segunda-feira, 04/05, a resolução que regulamenta o Open Banking no Brasil. Uma das principais apostas do BC para baixar a taxa de juros cobrada pelos bancos e incentivar a competição no mercado de crédito.

Na opinião dos reguladores, quanto mais informações as instituições financeiras têm à sua disposição sobre potenciais clientes, mais seguras elas se sentirão para oferecer empréstimos mais baratos. Por isso, o BC quer que os bancos compartilhem entre si dados como a renda dos clientes e o histórico de crédito, desde que haja consentimento prévio do cliente.

O modelo será obrigatório para os grandes e médios bancos, classificados pelos Banco Central como S1 e S2. Já os demais agentes de mercado, como fintechs, têm entrada optativa, mas uma vez dentro têm que compartilhar informações.

Receba grátis nossa newsletter

O cronograma de implementação anunciado tem os seguintes prazos:

Fase 1: Compartilhamento de informações sobre produtos e serviços por instituições participantes (prazo final em novembro de 2020);
Fase 2: Compartilhamento de dados básicos do cliente e transações (prazo final em maio de 2021);
Fase 3: Início dos pagamentos (prazo final em agosto de 2021);
Fase 4: Implementação de um escopo mais amplo de compartilhamento de dados, levando em conta pensões, câmbio, seguros, produtos de investimento, entre outros (Prazo final em outubro de 2021).

A receptividade foi boa. Na opinião de vários players, incluindo fintechs, reforçar o compromisso com o Open Banking, mesmo em um contexto pandêmico, é um sinal muito positivo, e coloca o Brasil em uma posição importante no contexto global da inovação financeira.

Vale ler também:

Os investidores também têm FOMO

Startups

Os investidores também têm FOMO

O medo de estar perdendo algo pode levar a investimentos precipitados ou à inflação do valuation de uma startup

Por Marina Hortélio
VCs setoriais trazem especialização para o mercado brasileiro

Startups

VCs setoriais trazem especialização para o mercado brasileiro

Eles não só aportam smart money de peso para a startups, como ainda possuem conexões importantes para a jornada dos empreendedores

Por Marina Hortélio
Femtechs ultrapassam US$ 1 bilhão em captação pela primeira vez

Inovação

Femtechs ultrapassam US$ 1 bilhão em captação pela primeira vez

Elas brilham cada vez mais no mundo. Já, no Brasil, o ecossistema Femtechs ainda está sendo desenhado. Mas possui um grande potencial e também deve crescer rapidamente

Por Marina Hortélio
Abes SW Conference dia 3: as pessoas são a chave da transformação digital

Inovação

Abes SW Conference dia 3: as pessoas são a chave da transformação d...

Grande parte dos profissionais brasileiros ainda precisam desenvolver as habilidades necessárias na nova economia, mas é possível solucionar esse problema com parcerias e um foco na rede pública de ensino.

Por Marina Hortélio
Abes SW Conference dia 2: é preciso criar regulamentações favoráveis aos negócios

Diversidade

Abes SW Conference dia 2: é preciso criar regulamentações favoráve...

Legislação brasileira ainda precisa evoluir para apoiar a inovação, novos projetos como a reforma tributária podem trazer malefícios para as empresas de tecnologia

Por Marina Hortélio
A gestão participativa de dados pede passagem

Tendências

A gestão participativa de dados pede passagem

Objetivo é auxiliar empresas, desenvolvedores e formuladores de políticas a entender melhor quais direitos consagrar e, assim, aumentar a confiança no compartilhamento e tratamento de dados

Por Cristina De Luca