s
Edifício-sede do Banco Central no Setor Bancário Norte, em Brasília Crédito: Marcello Casal Jr/Agência Brasil
MERCADO

Open Banking no Brasil: enfim, a regulamentação

Uma das apostas do Banco Central para baixar a taxa de juros cobrada pelos bancos e incentivar a competição no mercado de crédito, depende do compartilhamento de dados dos clientes

O Banco Central (BC) e o Conselho Monetário  Nacional (CMN) publicaram nesta segunda-feira, 04/05, a resolução que regulamenta o Open Banking no Brasil. Uma das principais apostas do BC para baixar a taxa de juros cobrada pelos bancos e incentivar a competição no mercado de crédito.

Na opinião dos reguladores, quanto mais informações as instituições financeiras têm à sua disposição sobre potenciais clientes, mais seguras elas se sentirão para oferecer empréstimos mais baratos. Por isso, o BC quer que os bancos compartilhem entre si dados como a renda dos clientes e o histórico de crédito, desde que haja consentimento prévio do cliente.

O modelo será obrigatório para os grandes e médios bancos, classificados pelos Banco Central como S1 e S2. Já os demais agentes de mercado, como fintechs, têm entrada optativa, mas uma vez dentro têm que compartilhar informações.

CADASTRE-SE GRÁTIS PARA ACESSAR 5 CONTEÚDOS MENSAIS

Já recebe a newsletter? Ative seu acesso

Ao cadastrar-se você declara que está de acordo
com nossos Termos de Uso e Privacidade.

Cadastrar

O cronograma de implementação anunciado tem os seguintes prazos:

Fase 1: Compartilhamento de informações sobre produtos e serviços por instituições participantes (prazo final em novembro de 2020);
Fase 2: Compartilhamento de dados básicos do cliente e transações (prazo final em maio de 2021);
Fase 3: Início dos pagamentos (prazo final em agosto de 2021);
Fase 4: Implementação de um escopo mais amplo de compartilhamento de dados, levando em conta pensões, câmbio, seguros, produtos de investimento, entre outros (Prazo final em outubro de 2021).

A receptividade foi boa. Na opinião de vários players, incluindo fintechs, reforçar o compromisso com o Open Banking, mesmo em um contexto pandêmico, é um sinal muito positivo, e coloca o Brasil em uma posição importante no contexto global da inovação financeira.

Vale ler também:

O horizonte bilionário dos ecossistemas de canais

Tendências

O horizonte bilionário dos ecossistemas de canais

Segundo a empresa de pesquisas Canalys, é formado por 223 startups e empresas movimentaram US$ 3,9 bilhões em vendas de software, em 2021 e têm US$ 8,9 bilhões projetados para 2027

Após regulamentação, startups inovam na telemedicina veterinária

Tendências

Após regulamentação, startups inovam na telemedicina veterinária

O atendimento remoto já era praticado, mas regulamentação deve fazer o modelo evoluir. Novas oportunidades de negócio foram criadas.

Simple2u: como a MAG enfrenta a transformação dos seguros

Entrevista

Simple2u: como a MAG enfrenta a transformação dos seguros

Em entrevista exclusiva à THE SHIFT, Leonardo Lourenço, Head Geral da Simple2u, conta como a insurtech criada dentro do sandbox regulatório da Susep, repensa o segmento.

Correção no mercado latino: investimentos caem, mas otimismo se mantém

Tendências

Correção no mercado latino: investimentos caem, mas otimismo se mant...

Segundo estudo da LAVCA, 2022 já é o segundo melhor ano para os investimentos de Venture Capital na América Latina.

Mobile é importante canal de vendas no Brasil

Mobile

Mobile é importante canal de vendas no Brasil

No total, estima-se que 33 milhões de brasileiros usaram seus aparelhos pelo menos uma vez em suas últimas compras.

A fintech Zippi usa PIX para apoiar os pequenos negócios

Fintechs

A fintech Zippi usa PIX para apoiar os pequenos negócios

Startup oferece um limite de crédito semanal para pequenos empreendedores e autônomos. Outras empresas também criaram novas soluções baseadas no PIX.