s
Dani Plesnik, diretora de Talent & Culture da Deloitte: diversidade, inclusão e reconhecimento
ENTREVISTA

O fim do sistema de comando e controle

Dani Plesnik, diretora de Talent & Culture da Deloitte aposta na criação de um ambiente de trabalho emocionalmente seguro, menos hierárquico. Um espaço para conexão que viabilize o trabalho em rede. "Não é rocket science", diz ela.

Por Rosane Serro 23/09/2022

Ontem, às 22h, Stefan Plesnik não aguentou e rompeu a “quarta parede”: elogiou a filha em público, numa rede social destinada a contatos profissionais e frequentada por Heads e VPs de grandes empresas. Qualquer um esconderia um certo constrangimento, mas não ela. E não na noite de ontem. Afinal, Dani Plesnik, diretora de Talent & Culture da Deloitte Brasil estava, naquele momento, recebendo o prêmio de Melhor RH do Sudeste, concedido pela CECOM – Centro de Estudos da Comunicação, no Teatro Unibes Cultural, em São Paulo.

Bastam cinco minutos de conversa para entender porque Dani foi premiada. Sua visão heterodoxa da gestão de recursos humanos está afinada com toda a disrupção verificada no setor, a partir da pandemia. Que o digam os 6.500 empregados da Deloitte espalhados por 15 escritórios no país. Na subsidiária brasileira da consultoria, não há registros de conflitos entre a adoção de trabalho remoto ou presencial, problemas de engajamento dos funcionários distantes ou dificuldades na disseminação da cultura corporativa. Eles vivem a transição da era do "sistema comando e controle" (hierarquizado e mandatório) para a era da autenticidade e inclusão.

A fórmula para tal harmonia? Não está nos livros. Leva um tanto de autogestão das equipes e outro de aposta nos encontros. Mas, talvez, resida mesmo na auto definição adotada por Dani Plesnik na rede social onde o pai derramou sua corujice: “CHO – Chief Hapiness Officer, apaixonada por gente. Felicidade corporativa. Mentora de viagens. Amante de café e livros.” Afinal, o que mais um empregado poderia desejar de um gestor?

Disrupção é…

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis para ler agora
e acesse 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

A inclusão é disruptiva

Entrevista

A inclusão é disruptiva

Carolina Ignarra, sócia fundadora da Talento Incluir e formada em Educação Física, trabalha para apoiar a inclusão de pessoas com deficiência como profissionais e também como consumidores, em mais de 300 empresas.

Por Silvia Bassi
A transformação da força de trabalho

Inovação

A transformação da força de trabalho

As organizações estão olhando para sua força de trabalho pelas habilidades e como um ecossistema que inclui colaboradores externos.

Por Soraia Yoshida
Como desenvolver a criatividade no trabalho remoto

Liderança

Como desenvolver a criatividade no trabalho remoto

Em um ambiente de trabalho remoto ou mesmo híbrido, as equipes não estão presentes todos os dias. Como desenvolver um ambiente criativo e inovador?

Por Soraia Yoshida
Como construir a segurança psicológica também no trabalho híbrido

Liderança

Como construir a segurança psicológica também no trabalho híbrido

Em um ambiente de segurança psicológica, todos sentem que podem perguntar, opinar, questionar, criticar, apontar erros e acertos, sem julgamentos

Por Soraia Yoshida
Como superar os desafios para uma mudança cultural digital

Liderança

Como superar os desafios para uma mudança cultural digital

As empresas precisam de culturas que incentivem a flexibilidade, adaptabilidade e velocidade. Mas como garantir que as mudanças vão ficar?

Por Soraia Yoshida
Cultura da empresa: conexão está no trabalho, não no escritório

Tendências

Cultura da empresa: conexão está no trabalho, não no escritório

As organizações devem identificar oportunidades para que os funcionários se sintam conectados à cultura por meio da nova constante cultural: o próprio trabalho