s
FINTECHS

Fintechs têm nos desbancarizados uma oportunidade de R$ 800 bilhões

Entre os que não estão no sistema financeiro, 60% têm celular e acesso à internet, o que facilita o crescimento das plataformas digitais

Por João Ortega 03/11/2020

Fintechs são as startups que mais atraem investimentos no Brasil. Só em agosto, elas levantaram 36 aportes que representaram a maior parte do total de R$ 10 bilhões movimentados pelo ecossistema de startups do país, segundo o Slinghub

O capital de risco e o corporate venture estão de olho nas oportunidades que o cenário econômico brasileiro cria para empresas de tecnologia do setor financeiro. Uma delas é a enorme parcela da população que não utiliza serviços bancários: os desbancarizados. Em todo o país são 45 milhões de pessoas, de acordo com levantamento do Instituto Locomotiva. Esta população movimenta R$ 817 bilhões ao ano. 

Não se trata, porém, de uma tendência exclusiva do Brasil: mundialmente, fala-se em uma “oportunidade de US$ 100 trilhões”, impulsionada pelos países emergentes. É, além de tudo, uma questão social em meio a um cenário econômico em crise. “A pandemia de coronavírus provavelmente levará muitas pessoas à pobreza e dificuldades econômicas. A inclusão financeira desempenhará um papel cada vez mais vital para os menos favorecidos”, afirma análise do Fórum Econômico Mundial

Receba grátis nossa newsletter

Cenário brasileiro

O que é mais animador para as fintechs e investidores é o fato de que 60% dos desbancarizados no Brasil têm acesso à internet em aparelho celular. Ou seja, há uma barreira a menos para aquisição de mais da metade destes clientes em potencial. 

Os dados sobre os desbancarizados foram obtidos e divulgados antes da pandemia e, portanto, do auxílio emergencial promovido pelo Governo Federal. “Se é verdade que a pandemia escancarou a desbancarização, por outro lado acelerou a digitalização financeira. Mas o desafio não é só aumentar os bancarizados, mas sim fidelizá-los”, reconhece Renato Meirelles, presidente do Instituto Locomotiva, em entrevista ao Estadão

Neste sentido, as fintechs também olham para os sub-bancarizados, outro contigente de milhões de brasileiros que até têm conta bancária, mas não utilizam os serviços financeiros. “Recebem o salário e já tiram da conta, porque não podem pagar as taxas de transferência”, explica Stephanie Fleury, fundadora da fintech DinDin, à The Shift

Há, portanto, um mercado consumidor pouco explorado pelos grandes bancos, parcialmente digitalizado e que movimenta mais dinheiro do que qualquer fintech sonha em colocar as mãos. 

Hoje, diversas startups no Brasil afirmam ver os desbancarizados como público-alvo.

A Celcoin é uma delas. A startup, que levantou aporte de R$ 23 milhões em outubro, permite que empresas locais e autônomos atuem como agentes financeiros, aproximando a população de serviços financeiros sem precisar ir a uma agência. Um estudo conduzido pela fintech mostrou que a solução, na Paraíba, diminuiu em 44 minutos o tempo médio, além de 1,8km em deslocamento, gasto por uma pessoa para resolver suas questões financeiras. 

Destaca-se também nesse segmento a Jeitto. Olhando para as classes menos privilegiadas da sociedade, a startup oferece crédito “para pagar as contas do mês”, sem necessidade de conta bancária. 

A Migo é um caso raro de startup que nasceu na África e aterrissou no mercado brasileiro. “Não importa se o cliente tem uma conta bancária ou não. Estamos prontos para atender as classes C, D e E”, diz Ekechi Nwokah, presidente da fintech nigeriana, que atua por meio de parcerias com o varejo. 

Neste cenário, será preciso avaliar em que medida o PIX impactará a inclusão financeira e digital. A ideia do Banco Central é exatamente estimular o uso de meios digitais de pagamento e democratizar o acesso dos brasileiros ao sistema financeiro. Ao mesmo tempo, qualquer empresa poderá operar como uma fintech, seja com operação própria ou distribuindo serviços financeiros de terceiros. Portanto, o mercado tende a ficar ainda mais concorrido. 

Berthier Ribeiro, CEO da UME, também aposta na democratização do crédito 

Entre as startups que focam no público desbancarizado para crescer está a UME. Depois de apenas um ano de operação, a tecnologia da fintech processa R$ 500 milhões em crédito com a Havan, um dos varejistas parceiros. O modelo de negócio da UME é baseado no crédito em ponto de venda, com um sistema de análise de risco que vai além dos bureaus tradicionais e pode incluir até negativados. A taxa de aprovação é de 37% e o ticket médio próximo aos R$ 170. 

The Shift: Qual o diferencial da tecnologia da UME? 

Berthier Ribeiro: “Nossa tecnologia foi criada dentro da academia, testada e validada com o maior varejista do norte do país e então replicada para todo o Brasil. Os resultados mostram que é possível aprovar crédito para 30% a mais de usuários que a média do mercado com o mesmo risco. O importante é entender que cada região do país necessita um modelo diferente. Um determinado dado nem sempre tem o mesmo peso no sul e no norte. É possível encontrar bons pagadores que pareciam mau pagadores aos olhos dos bancos”. 

The Shift: Por que oferecer crédito no ponto de venda? 

Berthier Ribeiro: “Historicamente, a maior parte do crédito oferecido para as classes C, D e E no Brasil foi feita por meio do varejo, seja pelos próprios varejistas ou por instituições financeiras parceiras. Mas é um mercado que opera da mesma maneira há trinta anos e há grande espaço para melhorias, não só do ponto de vista de tecnologia como de experiência de cliente e qualidade de produto”

The Shift: Qual é o propósito da UME? 

Berthier Ribeiro: “No final do dia, nossa missão é dar a mesma ou ainda melhor condição de crédito que tem um correntista do Itaú ou do Nubank para os desbancarizados e os negativados ,assim melhorando a vida financeiras dessas pessoas. É isso que move a cultura da empresa e baseia todas as decisões”.

The Shift: O ecossistema brasileiro de fintechs está cada vez mais concorrido. O que define quem terá sucesso neste cenário? 

Berthier Ribeiro: “A capacidade de execução vai definir as que vão perdurar, as que vão crescer e as que infelizmente vão morrer pelo caminho”.

O perde e ganha dos bancos e das fintechs com o PIX

The Shift 360°

O perde e ganha dos bancos e das fintechs com o PIX

Ao mesmo tempo em que podem ver as receitas com DOCs TEDs e outros serviços minguarem, os bancos têm a chance de criar novos serviços que compensem o buraco no caixa

Por Cristina De Luca
Toda empresa será uma fintech?

Fintechs

Toda empresa será uma fintech?

Produtos financeiros desenvolvidos por companhias para um nicho específico são melhores do que aqueles criados por bancos para atender à demanda mais ampla do mercado geral

Por Redação The Shift
Open Banking no Brasil: enfim, a regulamentação

Mercado

Open Banking no Brasil: enfim, a regulamentação

Uma das apostas do Banco Central para baixar a taxa de juros cobrada pelos bancos e incentivar a competição no mercado de crédito, depende do compartilhamento de dados dos clientes

Por Redação The Shift