s
Nathan Yoles VP de Growth da Weel

ENTREVISTA

Crédito movido a algoritmos

Crédito, um dos recursos mais procurados nesse momento, é o que move a Weel, uma startup "mezzo brasileira, mezzo israelense" que, em menos de 4 anos, tornou-se uma estrela no mapa de fintechs locais

Por Silvia Bassi 17/04/2020

Crédito, um dos recursos mais procurados nesse momento de pandemia e crise econômica, é o que move a Weel, uma startup "mezzo brasileira, mezzo israelense" que, em menos de 4 anos, tornou-se uma estrela brilhante no mapa de fintechs locais, entrando para o clube dos "soonicorns" (startups que devem atingir valor de mercado de US$ 1 bi), ao movimentar crédito de R$ 800 milhões para pequenas e médias empresas, deixadas em segundo plano pelos bancos tradicionais, exibindo uma taxa de inadimplência de apenas 1%.

"A semente da Weel é a inteligência de dados. A gente se considera uma empresa de inteligência de dados que monetiza essa inteligência a partir do crédito para PMEs, porque entendemos que é o mercado mais ineficiente e que tem a maior oportunidade, o mais difícil de fazer negócio", diz Nathan Yoles, VP de Growth da Weel, o disruptor da semana na The Shift.

Em fevereiro, a Weel recebeu um aporte de R$ 80 milhões (em equity) do BV (Banco Votorantim), e acesso a uma linha de crédito de até R$ 800 milhões para continuar crescendo em um mercado que tem um impacto importante na economia do país, sem precisar abrir uma agência sequer. "Sem precisar sair do escritório, a gente consegue dar crédito para clientes em Manaus ou no Rio Grande do Sul", diz Nathan. Confira a conversa.

Disrupção é...

Conteúdo exclusivo para membros da The Shift

Aproveite a promoção e assine

Atitude de marca é agir, antes de falar

Entrevista

Atitude de marca é agir, antes de falar

A tendência de humanização da marca traz o desafio do posicionamento, mas traz enormes oportunidades de criar uma relação íntima com o cliente, diz Fábio Milnitzky

Por Soraia Yoshida
Como o app Augin chegou a 120 mil usuários sem gastar em marketing

Entrevista

Como o app Augin chegou a 120 mil usuários sem gastar em marketing

Em entrevista exclusiva, o CEO Juan Carlos Germano revela como construiu uma rede crescente de clientes em torno do aplicativo de realidade aumentada para construção civil

Por João Ortega

Entrevista

"O máximo da confiança é o cliente deixar a gente escolher o tomate...

Na Cornershop by Uber, diz Cristina Alvarenga, head da companhia no Brasil, a ideia é que a tecnologia precisa funcionar para viabilizar a experiência humana que existe em cada compra.

Por Silvia Bassi

Entrevista

"Ninguém aguenta mais uma marca que te faz sonhar com um mundo inatin...

Em um trabalho com a comunidade, a Sallve busca fazer produtos que atendam as necessidades reais dos consumidores, como explica a cofundadora e CCO da startup Julia Petit

Por Marina Hortélio
Como manter a competição em uma economia data-driven?

Tendências

Como manter a competição em uma economia data-driven?

Estudo da Data Privacy Brasil analisa as dificuldades dos reguladores para aferir concentração de mercado em operações de M&A centradas em dados e sugere mudanças

Por Cristina De Luca
Aporte de R$ 120 mi na Sensedia confirma potencial da API Economy

Economia Digital

Aporte de R$ 120 mi na Sensedia confirma potencial da API Economy

Anunciado nesta terça-feira (11), investimento aponta para a tendência de plataformas abertas e jornadas digitais integradas

Por João Ortega