s
Crédito: Xresch/Pixabay
CARREIRA

Empregos em TI estão em alta durante a pandemia

O setor de TI deve crescer 10% no Brasil este ano, mesmo com a crise econômica gerada pela pandemia, que foi responsável pelo corte de 1,1 milhão de empregos formais até maio

A demanda por profissionais na área de tecnologia está crescendo nos últimos meses no Brasil. Um levantamento do LinkedIn referente aos meses de junho e julho apresenta as dez posições mais procuradas por empregadores na plataforma. No topo da lista está o cargo de Engenheiro de Software, com 627 vagas abertas, que corresponde a um aumento de 340% no período.

Exceto o segundo lugar no ranking, ocupado pelo cargo de consultor de negócios, as oito demais profissões em destaque são da área de tecnologia. O levantamento corrobora com a previsão de que o setor de TI deve crescer 10% no Brasil este ano, mesmo com a crise econômica gerada pela pandemia, que foi responsável pelo corte de 1,1 milhão de empregos formais até maio.

Logo no início do ano, o LinkedIn havia divulgado uma previsão das 15 profissões emergentes no Brasil. A publicação já destacava algumas funções no setor de TI, como programador JavaScript, engenheiro de software, engenheiro de dados e especialista em Inteligência Artificial. No entanto, a comparação entre a lista atual e a expectativa divulgada pela rede no início do ano mostra que, de fato, as empresas priorizaram o investimento em tecnologia para responder aos impactos da pandemia em seus negócios.

CADASTRE-SE GRÁTIS PARA ACESSAR 5 CONTEÚDOS MENSAIS

Já recebe a newsletter? Ative seu acesso

Ao cadastrar-se você declara que está de acordo
com nossos Termos de Uso e Privacidade.

Cadastrar

Pesquisa da Brasscom aponta que há, no país, um desequilíbrio entre a oferta e demanda de profissionais de TI. São formadas na área, por ano, 24 mil pessoas a menos do que o necessário para ocupar as vagas criadas. A chegada do 5G no Brasil pode tornar essa lacuna ainda maior.

O LinkedIn indica também as principais habilidades que podem ser diferenciais na hora de ser contratado. Profissionais que buscam se capacitar para entrar no setor de tecnologia têm opções de cursos gratuitos para gerir os próprios estudos. São os casos do marketplace Udemy e da iniciativa Learn Digital do Google.

Para quem procura um aprendizado mais estruturado, duas escolas de programação oferecem ensino gratuito no Brasil: a Trybe, que está com matrícula aberta no curso à distância, tem um modelo de negócio em que o aluno só paga mensalidade quando estiver contratado no mercado de tecnologia; e a 42, inovadora escola de programação sem professores, que está preparando o retorno do processo seletivo para novas turmas.

“Quiet quitting”: um barulho ensurdecedor chega às empresas

Tendências

“Quiet quitting”: um barulho ensurdecedor chega às empresas

Movimento que defende trabalhar apenas o contratado começa no Tik Tok, invade as redes sociais e acende o sinal amarelo na área de RH: será tão perigoso quanto a "Grande Demissão?"

Lugar de mulher também é no metaverso

Inovação

Lugar de mulher também é no metaverso

Número de profissionais envolvidas com os mundos virtuais cresce globalmente. Empresas como a Meta, a Sandbox e a agência de NFT World of Women apostam na formação tecnológica feminina

Quando os atributos são mais relevantes que as habilidades

Tendências

Quando os atributos são mais relevantes que as habilidades

E por que compreender a diferença entre os dois é um passo crítico para otimizar seu desempenho em tempos desafiadores, segundo os profissionais de RH

O trabalho mudou: agora é a vez de mudar a retenção de talentos

Carreira

O trabalho mudou: agora é a vez de mudar a retenção de talentos

Muitas lideranças gastam boa parte do tempo em conversas com recrutadores para encontrar candidatos para reforçar suas equipes

Sem habilidades sociais, não dá para ser CEO

Carreira

Sem habilidades sociais, não dá para ser CEO

A mudança nas habilidades desejadas pelas organizações privilegia a boa comunicação e a capacidade de convencer e entender o que as pessoas querem

Geração Z e o fim do trabalho que conhecemos

Tendências

Geração Z e o fim do trabalho que conhecemos

As organizações estão diante do desafio de construir culturas que levem em conta as necessidades e sejam capazes de atrair, engajar e reter talentos da Geração Z