s
O foco do CFO está nas iniciativas digitais que vão estabelecer bases críticas para um futuro autônomo Crédito: Unsplash
GESTÃO

CFO: novos papéis e mais possibilidades

O Chief Financial Officer enfrenta um dilema: de um lado, a corrida para a transformação digital, e do outro estar aberto a novos papéis

Por Soraia Yoshida 25/04/2022

Liderança, dinheiro e operações. Durante décadas, ser uma organização bem-sucedida dependia de colocar o foco nessas três áreas principais. Isso está mudando e bem rapidamente, de acordo com análises da Robert Half e Korn Ferry.

Na nova era dos C-levels, há espaço para o Diretor de Conhecimento, o Diretor de Propósito e até o Diretor de Alegria. Empresas como Pepsi contam agora com Chief Medical Officer ou um Chief Global-Impact Officer, no caso do McDonald’s. Segundo a Deloitte, “esses novos papéis que estamos vendo são os CEOs reagindo ao que está impactando nosso pessoal”. Da mesma forma, os C-levels mais tradicionais – Chief Financial Officer e Chief Operational Officer – estão passando por mudanças no design de suas funções que trazem enormes desafios, mas também abrem imensas possibilidades. O CFO que o diga.

Em um cenário incerto, com alta de preços, problemas na cadeia global de suprimento e a necessidade de atualização constante que vem com a transformação digital, os CFOs estão correndo para avançar com a agenda digital, como aponta o relatório do Gartner. Segundo dados publicados no início do ano, 82% dos diretores financeiros disseram que seus investimentos em digital estão acelerando, superando os investimentos em outras áreas, como talentos, cadeia de suprimentos, serviços de negócios ou ativos fixos. Mas o desafio continua sendo como transformar investimentos para a função empresarial e financeira em ganhos digitais para a organização. O foco está nas iniciativas digitais que vão “estabelecer bases críticas para um futuro autônomo – um em que as operações financeiras sejam cada vez mais impulsionadas por hiperautomação, inteligência artificial, blockchain e computação quântica, reduzindo a necessidade de intervenção humana”.

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis para ler agora
e acesse 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

Por que é tão difícil abraçar mudanças audaciosas?

Gestão

Por que é tão difícil abraçar mudanças audaciosas?

Porque talvez estejamos deixando de fazer as pergunta mais difíceis, diz designer, curador e empresário Seth Goldenberg.

Gestão de mudanças também é cultura e estratégia

Gestão

Gestão de mudanças também é cultura e estratégia

Nunca foi tão necessário repensar toda a abordagem da empresa à mudança. Entraremos em uma época na qual a capacidade de mudar se tornará central para a estratégia corporativa.

É hora de ouvir mais e agir rápido para não perder pessoas-chave

Gestão

É hora de ouvir mais e agir rápido para não perder pessoas-chave

Chegou a época do ano de fazer balanço e, de segurar aquelas pessoas que fazem a diferença na empresa. Já ouviu falar de "stay interviews"?

O que torna o feedback tão difícil?

Liderança

O que torna o feedback tão difícil?

A dor de descobrir lacunas profundas provoca fortes emoções e aciona gatilhos indesejados. Às vezes, a hesitação em aceitar essas lacunas vem das reservas que temos com a pessoa que as apontou

Mais princípios, menos conflitos

Gestão

Mais princípios, menos conflitos

Quando as empresas enfrentam decisões difíceis, princípios bem articulados podem ajudá-las a fazer melhores escolhas. Mais do que declarações vazias se missão e valores. E o que define os princípios?

O custo do atraso e a arte da priorização

Gestão

O custo do atraso e a arte da priorização

Para tomar decisões, precisamos compreender o quão valioso e o quão urgente algo é.