s
Em um cenário do estudo da WEF, as grandes companhias se concentram no desenvolvimento de IA que beneficie a humanidade Crédito: iStock
TENDÊNCIAS

6 visões para o futuro do trabalho com impacto da IA

As máquinas podem superar os humanos em todas as tarefas dentro de 45 anos e a questão agora é como apoiar uma força de trabalho e economia em constante mudança

Por Stuart Russell e Daniel Susskind, Fórum Econômico Mundial 26/11/2021

As tendências atuais em IA são extraordinárias. Dia após dia, ouvimos histórias de sistemas e máquinas assumindo tarefas que, até muito recentemente, considerávamos como algo exclusivo e permanente da humanidade: fazer diagnósticos médicos, redigir documentos legais, projetar edifícios e até mesmo compor músicas.

Nossa preocupação aqui, porém, é com algo ainda mais surpreendente: a perspectiva de sistemas de inteligência de máquina de alto nível que superam os seres humanos em essencialmente todas as tarefas. Isso não é ficção científica. Em uma pesquisa recente, a estimativa média entre os principais cientistas da computação relatou uma chance de 50% de que essa tecnologia vai chegar nos próximos 45 anos.

 

Receba grátis nossa newsletter
gráfico mostra em quanto tempo as máquinas podem substituir os trabalhos que conhecemos hoje

Tempo até que as máquinas superem os humanos, retirado do relatório ‘Positive AI Economic Futures’. Fonte: Fórum Econômico Mundial

 

É importante ressaltar que essa pesquisa também revelou divergências consideráveis. Alguns veem a inteligência de máquina de alto nível chegando muito mais rapidamente, outros muito mais lentamente, se é que chegam. Essas diferenças de opinião são abundantes na literatura recente sobre o futuro da IA, desde comentários populares até análises mais especializadas.

No entanto, apesar dessas visões conflitantes, uma coisa é clara: se pensarmos que esse tipo de resultado pode ser possível, ele deve exigir nossa atenção. O progresso contínuo dessas tecnologias poderia ter efeitos extraordinariamente perturbadores – exacerbando as tendências recentes de desigualdade, prejudicando o trabalho como uma força de integração social e enfraquecendo uma fonte de propósito e realização para muitas pessoas.

Especialistas se reúnem para compartilhar suas visões de IA

Em abril de 2020, uma iniciativa ambiciosa chamada Positive AI Economic Futures foi lançada por Stuart Russell e Charles-Edouard Bouée, ambos membros do Global AI Council do Fórum Econômico Mundial (GAIC). Em uma série de workshops e entrevistas, mais de 150 especialistas de uma ampla variedade de backgrounds se reuniram virtualmente para discutir esses desafios, bem como possíveis visões de Inteligência Artificial positivas e suas implicações para os legisladores.

Entre eles estavam Madeline Ashby (autora de ficção científica e especialista em previsão estratégica), Ken Liu (autor de ficção científica e fantasia vencedor do Hugo Award) e os economistas Daron Acemoglu (MIT) e Anna Salomons (Utrecht), entre muitos outros. A seguir, um resumo dessas conversas, desenvolvido no relatório “Positive AI Economic Futures do Fórum”.

O que constituirá “trabalho” no futuro

Os participantes ficaram divididos sobre esta questão. Uma parte acreditava que, livres das amarras do trabalho tradicional, os humanos poderiam usar sua nova liberdade para se engajar em exploração, autoaperfeiçoamento, voluntariado ou qualquer outra atividade que lhes trouxesse satisfação. Os defensores dessa visão geralmente apoiavam alguma forma de renda básica universal (UBI), embora reconhecessem que nosso sistema atual de educação dificilmente prepara as pessoas para moldar suas próprias vidas, livres de quaisquer restrições econômicas.

O segundo grupo em nossos workshops e entrevistas acreditava no oposto: o trabalho tradicional ainda pode ser essencial. Para eles, a renda básica universal é uma admissão de fracasso – pressupõe que a maioria das pessoas não terá qualquer valor econômico para contribuir com a sociedade. Eles podem ser alimentados, alojados e entretidos – principalmente por máquinas – mas de outra forma, deixados à própria sorte.

As pessoas estarão empenhadas em fornecer serviços interpessoais que podem ser fornecidos – ou que preferimos que sejam fornecidos – apenas por humanos. Isso inclui terapia, tutoria, coaching de vida e construção de comunidade. Isto é, se não podemos mais fornecer trabalho físico de rotina e trabalho mental de rotina, ainda podemos fornecer nossa humanidade. Para que esses tipos de empregos gerem valor real, precisaremos ser muito melhores como seres humanos – uma área em que nosso sistema educacional e base de pesquisa científica são notoriamente fracos.

Portanto, quer pensemos que o fim do trabalho tradicional seria uma coisa boa ou ruim, parece que precisamos de um redirecionamento radical da educação e da ciência para equipar os indivíduos para uma vida plena ou para sustentar uma economia baseada principalmente em serviços interpessoais de alto valor agregado. Também precisamos garantir que os ganhos econômicos nascidos da automação habilitada para IA sejam distribuídos de forma justa na sociedade.

Seis cenários de IA que podem construir um futuro positivo

Um dos maiores obstáculos para a ação é que, no momento, não há consenso sobre qual futuro devemos almejar, talvez porque quase não haja conversa sobre o que poderia ser desejável. Essa falta de visão é um problema porque, se a inteligência das máquinas de alto nível chegar, poderemos nos ver rapidamente encurralados por mudanças tecnológicas sem precedentes e forças econômicas implacáveis. Esta seria uma grande oportunidade desperdiçada.

Por esta razão, os participantes do workshop e entrevistados, de escritores de ficção científica a economistas e especialistas em IA, tentaram articular visões positivas de um futuro no qual a Inteligência Artificial pode fazer a maior parte do que atualmente chamamos de trabalho.

Esses cenários representam trajetórias possíveis para a humanidade. Nenhum deles, porém, é inequivocamente alcançável ou desejável. E embora existam elementos de concordância e consenso importantes entre as visões, frequentemente há confrontos reveladores também.

1. Prosperidade econômica compartilhada
Os benefícios econômicos do progresso tecnológico são amplamente compartilhados em todo o mundo. A economia global é 10 vezes maior porque a IA aumentou enormemente a produtividade. Os humanos podem fazer mais e alcançar mais compartilhando essa prosperidade. Essa visão poderia ser perseguida através da adoção de várias intervenções, desde a introdução de um regime tributário global até a melhoria do seguro contra desemprego.

2. Empresas realinhadas
As grandes companhias se concentram no desenvolvimento de IA que beneficie a humanidade, e o fazem sem ter um poder econômico ou político excessivo. Isso poderia ser alcançado alterando as estruturas de propriedade corporativa e atualizando as políticas antitruste.


3. Mercados de trabalho flexíveis
A criatividade humana e o suporte prático dão às pessoas tempo para encontrar novas funções. As pessoas se adaptam às mudanças tecnológicas e encontram trabalho em profissões recém-criadas. As políticas se concentrariam na melhoria das oportunidades educacionais e de recapacitação (reskilling), bem como no fortalecimento das redes de segurança social para aqueles que, de outra forma, estariam em situação pior devido à automação.

4. IA centrada em humanos
A sociedade decide contra a automação excessiva. Líderes empresariais, cientistas da computação e legisladores optam por desenvolver tecnologias que aumentam, em vez de diminuir, a demanda por trabalhadores. Os incentivos para desenvolver IA centrada no ser humano seriam reforçados e a automação tributada quando necessário.

5. Preenchimento de trabalhos
Novos empregos são mais gratificantes do que os anteriores. As máquinas lidam com tarefas inseguras e enfadonhas, enquanto os humanos se movem para trabalhos mais produtivos, gratificantes e flexíveis com maior interação humana. As políticas para atingir esse cenário incluem o fortalecimento dos sindicatos e o aumento do envolvimento dos trabalhadores nos conselhos das empresas.

6. Capacitação cívica e florescimento humano
Em um mundo com menos necessidade de trabalhar e necessidades básicas atendidas pelo salário mínimo universal, o bem-estar vem cada vez mais de atividades significativas não remuneradas. As pessoas podem se envolver em exploração, autoaperfeiçoamento, voluntariado ou qualquer outra coisa que considerem satisfatória. Maior engajamento social seria apoiado.

 

A intenção é que este relatório dê início a uma discussão mais ampla sobre que futuro queremos e os desafios que teremos que enfrentar para alcançá-lo. Se o progresso tecnológico continuar seu avanço implacável, o mundo será muito diferente para nossos filhos e netos. Muito mais debate, pesquisa e engajamento de políticas são necessários para endereçar essas questões – elas agora se tornaram importantes demais para serem ignoradas.

 

Stuart Russell é professor de Ciência da Computação e diretor do Center for Human-Compatible AI, Universidade da Califórnia em Berkeley

Daniel Susskind é Fellow em Economia, Universidade de Oxford, e professor visitante do King’s College

 

Este artigo foi publicado originalmente no site do Fórum Econômico Mundial e republicado sob as regras de creative Commons.

 

 

 

10 empregos do futuro que estão em alta hoje

Tendências

10 empregos do futuro que estão em alta hoje

Novas funções estão sendo demandadas para dar conta da aceleração no processo de transformação digital trazida pela pandemia

Por Redação The Shift
10 ideias do futuro que chegaram mais cedo

Tendências

10 ideias do futuro que chegaram mais cedo

O futurista Rohit Bhatgava lista dez tendências para o ano. Muitas já estão entre nós, outras caminham rapidamente para se tornar realidade na pós-pandemia

Por Redação The Shift
5 tendências globais que vão impactar os negócios até 2026

Tendências

5 tendências globais que vão impactar os negócios até 2026

Da computação quântica às moedas digitais emitidas por bancos centrais (CDBCs), entenda como essas tendências vão moldar a perspectiva global

6 sinais de mudanças para o futuro das organizações

Inovação

6 sinais de mudanças para o futuro das organizações

As organizações devem estar atentas às possibilidades de novos negócios

Por Redação The Shift
Futuro do trabalho: que habilidades serão necessárias para os empregos verdes?

Tendências

Futuro do trabalho: que habilidades serão necessárias para os empreg...

Agricultura, arquitetura, ciência e ensino são alguns dos setores que precisarão de novas habilidades verdes

Por Victoria Masterson, Fórum Econômico Mundial
COP dos Negócios: o que muda para as empresas

Tendências

COP dos Negócios: o que muda para as empresas

Após a Conferência do Clima em Glasgow, as empresas estão diante mudanças no uso de combustíveis fósseis, projetos em florestas, emissões de gases de efeito estufa