s

ECONOMIA DIGITAL

Patinetes ou bicicletas: qual o melhor modal de micromobilidade?

Estudo do MIT compara transporte compartilhado em Cingapura e gera mapa de calor com insights valiosos para o setor

Por Redação The Shift 06/10/2020

Pesquisadores do MIT realizaram um estudo em Cingapura para comparar os dois mais comuns modais da micromobilidade urbana: bicicletas e patinetes compartilhados. A comparação foi feita com base em registros reais de localização e horário de partidas e chegadas dos usuários, gerando um mapa de calor em duas áreas específicas da metrópole. 

Os resultados mostraram aumento na frequência de compartilhamento e diminuição no tamanho da frota para compartilhamento de patinetes, sugerindo que têm desempenho melhor do que compartilhamento de bicicletas. Por outro lado, a publicação oficial da pesquisa revela que patinetes ficam mais tempo ociosos que as bicicletas, o que é apontado como um problema a ser resolvido pelas empresas do setor com auxílio dos dados recentes. 

Receba nossa newsletter

De acordo com análise do CB Insights, a previsão é de que o mercado de micromobilidade global movimente entre US$ 300 bilhões até US$ 500 bilhões até 2030. Nos EUA, por exemplo, US$ 88 bilhões é o custo anual do trânsito de carros, sendo que 60% dos deslocamentos são de até 8km. Ainda assim, startups têm dificuldade de se manterem sustentáveis neste mercado, especialmente no Brasil

As duas faces da gig economy

Economia Digital

As duas faces da gig economy

De um lado, trabalhadores informais recorrem a plataformas de delivery por necessidade. Do outro, profissionais qualificados buscam maior flexibilidade. Como garantir direitos a todos?

Por João Ortega
O roadmap da BlaBlaCar

Entrevista

O roadmap da BlaBlaCar

Falar do sucesso de um aplicativo de mobilidade baseado em caronas, em tempos pandêmicos nos quais o distanciamento social é regra, pode parecer uma temeridade. Exceto quando se trata do unicórnio francês BlaBlaCar

Por Silvia Bassi
Mudando a cidade, uma carona por vez

Entrevista

Mudando a cidade, uma carona por vez

Noam Bardin, CEO do Waze, não acredita que os carros autônomos possam mudar o mundo, mas afirma que os carros autônomos são uma invenção maravilhosa

Por Silvia Bassi