s
Ricardo Leite Country manager da BlaBlaCar no Brasil
ENTREVISTA

O roadmap da BlaBlaCar

Falar do sucesso de um aplicativo de mobilidade baseado em caronas, em tempos pandêmicos nos quais o distanciamento social é regra, pode parecer uma temeridade. Exceto quando se trata do unicórnio francês BlaBlaCar

Por Silvia Bassi 29/05/2020

Falar do sucesso de um aplicativo de mobilidade baseado em caronas, em tempos pandêmicos nos quais o distanciamento social é regra, pode parecer uma temeridade. Exceto quando se trata do unicórnio francês BlaBlaCar, a maior plataforma global de caronas de longa distância do mundo, com 89 milhões de usuários, atendendo 22 países, inclusive o Brasil.

Com dinheiro em caixa para encarar a pandemia, a startup criada em 2006 por Frédéric Mazzella, teve seu valor de mercado elevado para US$ 1,82 bilhão por conta de um novo investimento do grupo de venture capital Vostok New Ventures em fevereiro, e pelo salto de 71% na sua receita em 2019. Resultado de um movimento calculado desde 2018, quando começou a costurar seus planos de tornar-se uma plataforma multimodal de transporte terrestre acoplando venda de passagens de ônibus à sua rede de caronas via carro.

"Nós temos cinco valores internos e um deles é seja frugal e vá longe", explica o country manager da BlaBlaCar no Brasil, Ricardo Leite, que está há cinco anos tocando a operação no país. Na entrevista à The Shift, Ricardo explicou as medidas de segurança que o app adotou para continuar oferecendo viagens para quem não podia ficar sem viajar mesmo na pandemia. O lado econômico da plataforma impacta condutor e caronas. "O motorista economiza até 75% dos custos da viagem, e o passageiro gasta entre 30% a 50% menos que uma passagem de ônibus", diz Ricardo.

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis e tenha acesso a 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

Entrevista

"As mulheres não são convidadas para fazer parte da panelinha dos bo...

Cynthia Hobbs, CFO do GetNinjas, faz parte de um grupo reduzido de mulheres que procuram ampliar a presença feminina no alto escalão das companhias e nos conselhos das empresas

Ela comprou a luta contra o desperdício de energia elétrica

Entrevista

Ela comprou a luta contra o desperdício de energia elétrica

Para a brasiliense Viviane Cabral, CEO da Zinng, está mais que na hora das empresas brasileiras se conscientizarem que investir em eficiência energética é investir em aumento de produtividade

A Diferente quer te fazer comer melhor sem desperdiçar comida

Entrevista

A Diferente quer te fazer comer melhor sem desperdiçar comida

A foodtech une um serviço de assinatura com a recuperação de frutas, verduras e legumes fora do padrão, que seriam descartados, para ampliar o acesso aos orgânicos

Por Marina Hortélio
Um brasileiro nos bastidores da Bolsa de Nova York

Entrevista

Um brasileiro nos bastidores da Bolsa de Nova York

Alex Ibrahim, chefe de mercados internacionais da NYSE, sabe antes de muita gente quem vai fazer um IPO. Nessa entrevista, ele fala de Brasil, de América Latina e de como um IPO exige fôlego dos founders

Entrevista

"Sem um espaço para compartilhar vivências, com quem esse jovem vai...

As organizações precisam reimaginar e reconstruir espaços virtuais para que jovens profissionais que estão chegando ao mercado possam aprender e se desenvolver, diz a neurocientista Ana Carolina Souza

Entrevista

"O setor de construção está começando um ciclo de mudança"

E nesse ciclo entram novos modelos de construção e venda de imóveis, oportunidades de novos negócios e de reinventar o relacionamento com o cliente, diz Eduardo Fischer, CEO da MRV