s
Crédito: Pixabay

INOVAÇÃO

Quando uma tendência tecnológica vira um produto

Desde os eletrodomésticos até os pratos terão sensores e serão conectados a sistemas inteligentes para tornar refeições mais saborosas, saudáveis e livres de bactérias

Por Redação The Shift 14/09/2020

Realidade aumentada, internet das coisas e interface cérebro-máquina estão entre as tecnologias que vão transformar produtos e serviços no futuro. Mas como serão as aplicações práticas destas inovações na rotina das pessoas? O Wall Street Journal respondeu esta questão ao listar 10 tendências futuristas que devem chegar ao mercado nos próximos anos.

A começar pela alimentação, desde os eletrodomésticos até os pratos terão sensores e serão conectados a sistemas inteligentes para tornar refeições mais saborosas, saudáveis e livres de bactérias. Na mobilidade, estamos falando de bicicletas inteligentes e veículos elétricos voadores circulando no espaço urbano. Com nanotecnologia, remédios vão realizar diagnósticos de dentro do corpo humano. Carros serão movidos a algas, a iluminação será a laser e controlaremos dispositivos com o poder da mente. Toda superfície será uma televisão, visto que ela será tão fina e adaptável quanto um papel de parede.

Parte destas soluções já são comercializadas em nichos premium, mas a maioria ainda passa por períodos de testes em empresas de tecnologia. O fato de todas as tendências citadas serem tecnológicas não garante, no entanto, que terão sucesso no mercado. Entre as principais razões pelas quais bons produtos falham ao entrar no mercado está a priorização da tecnologia sobre a solução. De nada adianta usar tecnologia de ponta se o resultado não resolve uma dor do cliente.

Receba grátis nossa newsletter

O êxito de vendas de um produto está associado a seu caráter inovador mas, mais do que isso, a ser reconhecido como inovador pelo consumidor. “Em vez de simplesmente perguntar do que os clientes precisam, as empresas devem entender como os consumidores avaliarão quais produtos irão satisfazer suas necessidades”, analisa artigo do MIT. É necessário focar em inovações que sejam facilmente reconhecidas como tal ou no processo de educar o público-alvo para aquela novidade.

O mercado gigante das coisas muito pequenas

Inovação

O mercado gigante das coisas muito pequenas

No mercado de nanotecnologia, as principais áreas de aplicação - eletrônicos, energia e biomedicina - aceleraram desde 2020

Por Silvia Bassi
Os desafios da inovação acelerada

Inovação

Os desafios da inovação acelerada

As organizações que priorizam a inovação se tornam mais ágeis, tomam mais decisões baseadas em dados e protegem melhor os dados de seus clientes

Por Redação The Shift
Fact-Checkers lançam plataforma para venda de NFT

Inovação

Fact-Checkers lançam plataforma para venda de NFT

A ideia do grupo é atingir uma nova audiência e alavancar um novo modelo de financiamento e atuação conjunta para a luta contra a desinformação

Por Cristina De Luca
A importância da inovação escalável

Inovação

A importância da inovação escalável

Para criar um “motor de crescimento” para os novos negócios, é preciso uma equipe dedicada que vai gerenciar a construção de vários negócios

Por Redação The Shift
Pensar e executar no curto prazo atrapalha a inovação (e os ganhos)

Inovação

Pensar e executar no curto prazo atrapalha a inovação (e os ganhos)

Nas crises e na hora de rever planos, é muito comum que os projetos de longo prazo sejam sacrificados em lugar de outros que podem “agradar” mais ao board e aos stakeholders

Por Soraia Yoshida
A engenharia da sustentabilidade

Inovação

A engenharia da sustentabilidade

A necessidade mais premente da década é achar formas de tornar negócios mais sustentáveis mirando no impacto social, no meio ambiente e na governança corporativa

Por Silvia Bassi