s
Edifício-sede do Banco Central no Setor Bancário Norte, em Brasília Crédito: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

MERCADO

Open Banking no Brasil: enfim, a regulamentação

Uma das apostas do Banco Central para baixar a taxa de juros cobrada pelos bancos e incentivar a competição no mercado de crédito, depende do compartilhamento de dados dos clientes

Por Redação The Shift 05/05/2020

O Banco Central (BC) e o Conselho Monetário  Nacional (CMN) publicaram nesta segunda-feira, 04/05, a resolução que regulamenta o Open Banking no Brasil. Uma das principais apostas do BC para baixar a taxa de juros cobrada pelos bancos e incentivar a competição no mercado de crédito.

Na opinião dos reguladores, quanto mais informações as instituições financeiras têm à sua disposição sobre potenciais clientes, mais seguras elas se sentirão para oferecer empréstimos mais baratos. Por isso, o BC quer que os bancos compartilhem entre si dados como a renda dos clientes e o histórico de crédito, desde que haja consentimento prévio do cliente.

O modelo será obrigatório para os grandes e médios bancos, classificados pelos Banco Central como S1 e S2. Já os demais agentes de mercado, como fintechs, têm entrada optativa, mas uma vez dentro têm que compartilhar informações.

Receba grátis nossa newsletter

O cronograma de implementação anunciado tem os seguintes prazos:

Fase 1: Compartilhamento de informações sobre produtos e serviços por instituições participantes (prazo final em novembro de 2020);
Fase 2: Compartilhamento de dados básicos do cliente e transações (prazo final em maio de 2021);
Fase 3: Início dos pagamentos (prazo final em agosto de 2021);
Fase 4: Implementação de um escopo mais amplo de compartilhamento de dados, levando em conta pensões, câmbio, seguros, produtos de investimento, entre outros (Prazo final em outubro de 2021).

A receptividade foi boa. Na opinião de vários players, incluindo fintechs, reforçar o compromisso com o Open Banking, mesmo em um contexto pandêmico, é um sinal muito positivo, e coloca o Brasil em uma posição importante no contexto global da inovação financeira.

Vale ler também:

O que acontece se a China tirar a carne do menu?

Tendências

O que acontece se a China tirar a carne do menu?

Cafés e restaurantes chineses estão usando proteínas alternativas à base de plantas, provenientes da China, Coreia e dos Estados Unidos em pratos tradicionalmente à base de carne

Por Redação The Shift
Software e varejo online lideram setores que se deram melhor em 2020

Economia Digital

Software e varejo online lideram setores que se deram melhor em 2020

As Big Techs saíram por cima, mas algumas das empresas com melhor desempenho foram as que atuaram como facilitadoras do trabalho remoto e do comércio eletrônico

Por Redação The Shift
O que está em jogo na ação antitruste da China contra o Alibaba

Mercado

O que está em jogo na ação antitruste da China contra o Alibaba

Além da motivação mais clara de regular monopólio do e-commerce, Partido Comunista quer tornar o caso de Jack Ma um exemplo para outros líderes

Por Redação The Shift
Os riscos da crescente fusão entre e-commerce e redes sociais

Economia Digital

Os riscos da crescente fusão entre e-commerce e redes sociais

Ferramenta do Instagram que permite comprar direto do Reels gera debate sobre privacidade e vulnerabilidade do consumidor

Por Redação The Shift
Startups de varejo para ficar de olho em 2021

Startups

Startups de varejo para ficar de olho em 2021

A lista The Retail Tech 100, da CB Insights, lista as empresas que estão na frente com soluções que entregam muita tecnologia para o varejo

Por Redação The Shift
Inteligência Artificial, IoT e nuvem transformam comércio

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial, IoT e nuvem transformam comércio

Essas tecnologias estão criando oportunidades para negócios e agregando valor ao processo

Por Redação The Shift