s
Crédito: Shutterstock

TENDÊNCIAS

É possível ter lucro fazendo o bem para a sociedade

Quando as pessoas focam em iniciativas para tornar o mundo um lugar melhor, existe uma expectativa, falaciosa, de que a monetização não deve estar no topo da lista de prioridades

Por Redação The Shift 13/10/2020

O manejo sustentável de florestas pode criar US $ 230 bilhões em oportunidades de negócios e 16 milhões de empregos até 2030. Mudar o sistema socioeconômico de energia e extrativismo para modelos circulares e eficientes em recursos pode levar a US $ 2,3 trilhões em oportunidades de negócios e 30 milhões de empregos até 2030, e trabalhar com a natureza no sistema de infraestrutura e ambiente construído pode gerar um total de US $ 3 trilhões de oportunidades de negócios e 117 milhões de empregos em 10 anos.  Os dados são do relatório “New Nature Economy Report II: The Future of Nature and Business”, do Fórum Econômico Mundial.

Enquanto o mundo se prepara para se recuperar da pandemia de Covid-19, e da crise resultante dela, somos apresentados a um sinal de alerta sem precedentes e a uma oportunidade de mudar a maneira como comemos, vivemos, crescemos, construímos e fortalecemos nossas vidas para alcançar uma economia “positiva para a natureza” e travar a perda de biodiversidade até 2030.

O relatório destaca a necessidade de uma transformação fundamental em três sistemas socioeconômicos, que representam mais de um terço da economia global e fornecem até dois terços de todos os empregos. Esses sistemas são: uso de alimentos, terra e oceano; infraestrutura e ambiente construído; e extrativos e energia. Juntos, eles impulsionam tudo o que põe em perigo quase 80% do total de espécies já ameaçadas de extinção.

Receba nossa newsletter

Uma bioeconomia circular oferece uma estrutura conceitual para o uso de capital natural renovável para transformar e administrar nossos sistemas fundiários, alimentares, de saúde e industriais, com o objetivo de alcançar o bem-estar sustentável em harmonia com a natureza.

Precisamos reconhecer esse papel fundamental, não apenas por meio de medidas de conservação apropriadas, mas também por meio de instrumentos de mercado adaptados à cada região para fornecer incentivos para que agricultores, proprietários de florestas e empresas de base biológica invistam na biodiversidade.

Embora a bioeconomia circular necessite de tecnologia avançada e inovação, bem como de conhecimento tradicional para ter sucesso, ela, em última análise, depende da biodiversidade como seu verdadeiro motor. Isso ocorre porque a biodiversidade determina a capacidade dos sistemas biológicos de se adaptar e evoluir em um ambiente em mudança e, portanto, é crucial para garantir a resiliência e a sustentabilidade de nossos recursos biológicos.

 

Cinco maiores desafios

Metas de sustentabilidade e metas de Economia Circular são temas recorrente nas prioridades estratégicas das grandes corporações. Mas nunca é fácil alinhar todas as partes interessadas para transformar uma estratégia em táticas específicas. Muitos pontos problemáticos terão que ser enfrentados no processo? O Board of Innovation, aponta cinco, mais comuns, mencionados por seus clientes quando perguntados a respeito:

  1. Traduzir as metas de sustentabilidade de longo prazo dentro de cada departamento, marca e região.
  2. Como influenciar os consumidores. Que papel os clientes desempenham?
  3. Campos de batalha: melhor embalagem e menos consumo de energia.
  4. Definir e medir KPIs de sustentabilidade.
  5. Avaliar o portfólio de sustentabilidade.

As empresas estão sentindo a pressão da sociedade para mitigar os impactos ambientais de fazer negócios. Quando uma empresa afirma que será neutra em carbono em 2040, um concorrente salta e afirma que será negativa em carbono em 2030 e assim por diante. Mas todas essas declarações ambiciosas precisam ser traduzidas em planos de ação práticos. Embora muitos concordem que algo já pode ser feito no curto prazo, a atual crise econômica global torna cada vez mais claro para todos que escolhas devem ser feitas.

Alguns desafios de sustentabilidade podem ser superados focalizando os processos dentro de uma organização, com pouco envolvimento de partes interessadas externas (por exemplo, usando menos água em um processo de limpeza). Mas, para fazer um progresso significativo, as empresas geralmente precisam trabalhar com seus clientes. Como? Influenciando e convencendo os consumidores a aderirem a um esquema de reciclagem, por exemplo, ou produzindo com menos desperdício.

Um ponto de pressão específico é a embalagem descartável. Muitas regiões estão forçando as empresas a mudar para alternativas mais sustentáveis ​​e ecologicamente corretas: mesmo que a “sustentabilidade” não seja um tema importante dentro de uma estratégia corporativa, as empresas precisam enfrentar esse problema específico.

Para muitas empresas, um redesenho de embalagem pode até ser um exercício de economia de custos. A reutilização de contêineres, materiais mais leves e menos etapas na produção podem levar a ganhos financeiros. Quando as margens estão sob pressão, um exercício de reformulação da embalagem pode ajudar”, afirma Rebecca Cocker, designer gráfica do Board of Innovation.

Outro campo de batalha muito específico é repensar o consumo de energia em toda a cadeia de valor e processo de produção. Novamente, a sustentabilidade não precisa ser um impulsionador dominante: usar menos energia geralmente significa perder menos dinheiro, tornando-se um forte incentivo para as empresas melhorarem seu desempenho energético.

Por fim, definir KPIs práticos, usados ​​em operações diárias,  também pode ser difícil. Para muitos gerentes, medir esse tipo de KPI é bastante novo. Portanto, há uma necessidade clara de orientação e exemplos de outras organizações, para entender o que funciona e o que não funciona. Apenas adicionar mais alvos não é uma solução; será preciso descobrir qual das outras metas despriorizar (por exemplo, menos foco na taxa de rotatividade? Menos foco na velocidade de entrega?).

Várias empresas globais já deram passos significativos em direção à sustentabilidade na última década. Vários projetos foram lançados, mas nem sempre tão consistentes quanto deveriam ser. Como resultado, certas marcas perceberam que precisam começar a alinhar suas iniciativas para otimizar sua estratégia de portfólio de sustentabilidade.

Isso pode ser em parte um exercício de estratégia de governança (por exemplo, quem é responsável por quê, como se comunicar ou como decidir sobre orçamentos). Às vezes, no entanto, isso é apenas uma questão de alinhamento, para tornar todas as tarefas e metas relacionadas à sustentabilidade explícitas para cada projeto e pessoa. As iniciativas que não atendem a esses padrões precisarão evoluir ou serão descartadas.

Felizmente, os “exercícios de portfólio” são um bom sinal de que certas empresas estão no caminho certo: elas estão tentando fazer (demais) coisas ao mesmo tempo. É um grande problema!

O sucesso na adoção de um modelo de negócios circular (CBM) varia muito de um negócio para outro, pois depende da compra das partes interessadas e dos clientes, em cada etapa do caminho. Não existe uma solução única para todos quando se trata da implementação de modelos de negócios circulares. Ajuda olhar para os extremos do espectro para descobrir novas maneiras de lidar com problemas semelhantes em negócios B2B e B2C.

Vários setores importantes, como produtos químicos, têxteis, plásticos ou construção, agora precisam de novos modelos de negócios conceituais e inovações para se tornarem indústrias mais circulares e de baixo carbono. A bioeconomia circular pode ser um catalisador.

Precisamos desenvolver modelos de negócios e projetar produtos e serviços de novas maneiras para dissociar a prosperidade dos negócios do mero consumo de produtos. Trata-se também de fabricar produtos que possam ser facilmente reutilizados e reciclados, minimizando o desperdício e maximizando seu valor ao longo do seu ciclo de vida.

Como tornar a sustentabilidade central para os negócios

Sustentabilidade

Como tornar a sustentabilidade central para os negócios

Uma pesquisa mostra que os Heads de Sustentabilidade das empresas adotam três abordagens distintas: assimilação, mobilização e transição. Cada abordagem é caracterizada por microestratégias distintas que os indivíduos empregam par...

Por Sarah Birrell Ivory e Brad McKay, The Conversation
Economia circular vem para repensar modelos de negócios

Entrevista

Economia circular vem para repensar modelos de negócios

Eleito pelo Fórum Econômico Mundial como Empreendedor Social de 2020, Guilherme Brammer sugere aplicar a ótica da eficiência e da sustentabilidade ao consumo

Por João Ortega
Cinco inovações que ajudarão a tornar o mundo mais sustentável

The Shift

Cinco inovações que ajudarão a tornar o mundo mais sustentável

Elas são as respostas do IBM Research sobre como usar a tecnologia para reinventar o design e a descoberta de materiais para o desenvolvimento de soluções sustentáveis ​​para os problemas diários