s
Crédito: Edouard Dognin/Unsplash

SUSTENTABILIDADE

Tornar-se verde deveria ser estratégia chave pós-pandemia

A introdução de processos internos mirando a sustentabilidade e contratação de funcionários para promover práticas mais ecológicas pode atrair investimentos

Por Jagannadha Pawan Tamvada e Mili Shrivastava, The Conversation 10/09/2020

O início da pandemia e o isolamento que se seguiu colocaram empresas em perigo em todo o mundo. Será tentador para as empresas colocar qualquer compromisso com o meio ambiente em segundo plano, enquanto tentam se recuperar, especialmente porque alguns governos reduzem as exigências e ignoram a proteção ambiental.
Isso é falta de visão: as empresas não precisam sacrificar suas metas ambientais para proteger seu crescimento. Iniciativas sustentáveis, como oferta de produtos ou serviços verdes, introdução de processos verdes internamente, contratação de funcionários para promover práticas sustentáveis ​​ou ir além dos requisitos de conformidade, podem realmente ajudar as empresas.
Usando dados de 9.236 pequenas e médias empresas em 35 países da Europa e dos Estados Unidos, nossa pesquisa sugere que, em média, as companhias se beneficiam por se tornarem negócios verdes, embora o tipo de “ecologização” que traz o benefício mais significativo possa diferir entre as empresas.
Aqui estão quatro maneiras principais que podem beneficiar negócios que optam pelo caminho verde.
1. Nichos de mercado inovadores
Ao oferecer novos produtos ou serviços verdes, é mais provável que uma empresa atenda a uma tendência emergente ou a um nicho de mercado, o que pode torná-la mais competitiva. A Frugalpac, uma empresa com sede no Reino Unido que fabrica embalagens de papel para líquidos que reduzem as pegadas de carbono, recebeu um investimento de 2 milhões de libras durante a pandemia – uma época em que a maioria das outras empresas lutava por financiamento.
Já saboreando o grande sucesso por seu copo de café de papel reciclado, a inovadora garrafa de vinho de papel da Frugalpac, também feita de papel 94% reciclado, gerou novas oportunidades e parcerias.
As empresas focadas na sustentabilidade podem se expandir rapidamente atendendo a novos nichos de mercado internacionalmente. Considere a D’light, uma empresa que oferece soluções inovadoras de iluminação para pessoas que não têm acesso à eletricidade. A empresa transformou a vida de mais de 100 milhões de pessoas em 70 países por meio de suas ofertas de produtos verdes, enquanto levantou US$ 197 milhões em investimentos.
No início deste ano, a fornecedora de energia dinamarquês Ørsted, anteriormente conhecida como Danish Oil and Natural Gas, foi eleita a empresa mais sustentável do mundo. Esse sucesso decorreu de sua transformação em um fornecedor de energia verde – que veio junto com lucros acelerados.
Ao atender a novos nichos de mercado usando produtos e serviços verdes, essas empresas despontaram como futuros líderes em seus setores. Claro, nem todas as companhias são adequadas para encontrar esses nichos. Mas a sustentabilidade pode ser promovida de outras maneiras, como práticas e processos de trabalho verdes, por exemplo.
millenials e Geração no mercado de trabalho
2. Motivação do funcionário
Os candidatos a emprego são cada vez mais atraídos por companhias que se importam com o meio ambiente. Os funcionários de empresas que promovem a sustentabilidade têm probabilidade maior de acreditar que seu empregador cuidará deles e estão mais satisfeitos com seus empregos.
Essas companhias criam um senso mais elevado de propósito pessoal e organizacional que torna o trabalho significativo. Uma pesquisa recente mostra que jovens pertencentes à Geração Y e Geração Z estão mais preocupados com o meio ambiente do que qualquer geração anterior. Isso significa que eles priorizam os empregadores que colocam a sustentabilidade em primeiro plano.
Segundo algumas estimativas, as companhias que seguem práticas verdes apresentam um aumento de 16% na produtividade dos funcionários. Embora possa ser difícil estabelecer um vínculo causal direto, algumas das empresas mais verdes, como Cisco, Tarmac ou Stantec, também são consideradas as melhores empresas [para se trabalhar] pelos funcionários.

Janela da Polysolar Janelas com vidro elétrico da Polysolar, que levantou mais investimentos por manter princípios de sustentabilidade como parte dos negócios

3. Mais engajamento
Iniciativas verdes sinalizam para os stakeholders externos, como investidores e clientes, que uma empresa está comprometida em fazer o bem. Isso pode levar a um maior investimento, mais clientes e fidelidade das partes interessadas. Isso faz todo o sentido no rescaldo da Covid-19, pois há uma conscientização maior sobre a necessidade de proteger o meio ambiente.
Por exemplo, empresas altamente sustentáveis ​​se beneficiam de um desempenho superior do mercado de ações no longo prazo, de acordo com uma pesquisa que analisou empresas americanas no período 1993-2009. Os investidores estão questionando cada vez mais as empresas sobre seu compromisso com a sustentabilidade e esperando delas medidas significativas para integrar a consideração de tais questões em seus critérios de investimento. Isso se reflete no aumento de dez vezes no investimento global em sustentabilidade para US$ 30,7 trilhões em abril de 2019, desde 2004.
Mais recentemente, a Polysolar, uma empresa que fabrica janelas de vidro que geram eletricidade, garantiu mais do que o dobro do investimento que buscava na plataforma de crowdfunding Crowdcube. E grandes companhias como a Unilever têm se beneficiado do aumento do engajamento e lealdade de stakeholders ao adotar práticas e produtos ecológicos, endereçando uma história sombria de exploração ambiental.
negócios verdes
4. Maior eficiência
Os processos mais verdes podem resultar em ganhos de eficiência ao reduzir os custos de energia, permitindo que as empresas garantam créditos fiscais verdes, melhorando a eficiência operacional e incorporando princípios de economia circular internamente.
Esses ganhos se traduzem diretamente em benefícios comerciais. Até 75% das companhias do Reino Unido que investiram em tecnologias verdes subsequentemente desfrutaram de benefícios comerciais, mesmo que as preocupações financeiras representassem barreiras para esses investimentos verdes em primeiro lugar. Para grandes empresas como a Proctor & Gamble, esses ganhos podem chegar a bilhões de libras.
Por outro lado, nos casos em que as companhias prejudicam o meio ambiente, elas devem estar preparadas para incorrer em custos significativos. Um exemplo proeminente é o famoso caso da Volkswagen, que até impactou negativamente o desempenho de outras montadoras alemãs, como BMW e Mercedes Benz.
Por todas essas razões, é hora de os negócios se tornarem verdes.
Jagannadha Pawan Tamvada é Professor Associado em Estratégia e Inovação, na Universidade de Bournemouth
Mili Shrivastava é Professora Sênior em Estatégia, na Universidade de Bournemouth
Este artigo foi publicado originalmente na The Conversation e republicado sob uma licença de Creative Commons, que segue as Orientações de Republicação.

The Conversation

Conteúdo exclusivo para membros da The Shift

Experimente grátis por 30 dias

10 futuros possíveis depois da pandemia

Inovação

10 futuros possíveis depois da pandemia

A disrupção causada pelo novo coronavírus abriu um abismo de incertezas para empresas, que consultorias e futuristas estão tentado preencher

Por Redação The Shift
Empregos em TI estão em alta durante a pandemia

Carreira

Empregos em TI estão em alta durante a pandemia

O setor de TI deve crescer 10% no Brasil este ano, mesmo com a crise econômica gerada pela pandemia, que foi responsável pelo corte de 1,1 milhão de empregos formais até maio

Por Redação The Shift
Energia para transformar

Entrevista

Energia para transformar

Fabio Mota, VP de tecnologia da Raízen, faz do Pulse, o hub de inovação da Raízen, parte importante da jornada de transformação digital do agronegócio

Por Cristina De Luca