s
Crédito: Free-Photos @ Pixabay

ECONOMIA

Tigres asiáticos indicam os caminhos para chegar ao novo normal

Primeiros a sofrer o impacto do coronavírus, os países asiáticos devem liderar o cenário econômico global pós pandemia. As soluções passam por uma revisão dos padrões de consumo, trabalho e cadeia de suprimentos

Por Redação The Shift 20/04/2020

Estamos vivendo uma grande disrupçãoQuão grande ela será dependerá muito da nossa forma de encarar o futuro. O que dos últimos doze meses resistirão aos próximos doze? Como poderemos cooperar, prosperar, sobreviver e, por fim, voltar a crescer, depois de o FMI ter chamado as consequências da Covid-19 de a pior crise econômica desde a Grande Depressão?

Todos sabemos que a pandemia vai remodelar a economia global, seja a curto prazo ou a longo prazo.  À medida que os líderes avaliam as decisões críticas que tomarão nos próximos meses, há muitas lições a serem aprendidas. A própria Grande Depressão tem muito a ensinar. Muito do progresso científico e tecnológico de hoje deriva dela. Ao reconhecer as diferenças entre regiões e setores, os líderes podem fazer com que as economias voltem a funcionar, salvaguardando nossas vidas e nossos meios  de subsistência, diz a McKinsey.

Talvez lições importantes e precoces sobre como emergir dessa crise venham da Ásia. Suas nações e empresas provavelmente desempenharão um papel de liderança na definição de como será a aparência normal, aposta a consultoria. Sessenta por cento da população mundial vive na Ásia e, de acordo com dados do Banco Mundial, é o lar de cerca de 35 por cento das pessoas mais pobres do mundo - aquelas que provavelmente serão as mais atingidas pelo coronavírus. Ao mesmo tempo, a Ásia possui algumas das economias mais resistentes do mundo e as maiores empresas.

Conteúdo exclusivo para membros da The Shift

Experimente grátis por 30 dias

A empresa 'do contra'

Entrevista

A empresa 'do contra'

Para Luiz Augusto Silva, country manager da operação brasileira da NotCo, startup chilena de alimentos plant based, a negação é uma ação disruptiva necessária

Por Cristina De Luca
A vez das healthtechs

Entrevista

A vez das healthtechs

A saúde móvel ganhou maior visibilidade com a crise do Covid-19 e será dominante em alguns anos, aposta Michel Glezer, diretor da Qualcomm Ventures

Por Cristina De Luca
As casas impressas em 3D do futuro

Exploração Espacial

As casas impressas em 3D do futuro

O layout da residência é como uma casa de vários andares, exceto com alguns ajustes específicos para Marte

Por Vanessa Bates Ramirez, Singularity Hub
As duas faces da gig economy

Economia Digital

As duas faces da gig economy

De um lado, trabalhadores informais recorrem a plataformas de delivery por necessidade. Do outro, profissionais qualificados buscam maior flexibilidade. Como garantir direitos a todos?

Por João Ortega
Bancos serão plataformas inteligentes

Fintechs

Bancos serão plataformas inteligentes

O novo sistema de pagamentos instantâneos, o PIX, promete deflagrar uma inédita disrupção no setor de pagamentos do país

Por Redação The Shift
Como tornar a sustentabilidade central para os negócios

Sustentabilidade

Como tornar a sustentabilidade central para os negócios

Uma pesquisa mostra que os Heads de Sustentabilidade das empresas adotam três abordagens distintas: assimilação, mobilização e transição. Cada abordagem é caracterizada por microestratégias distintas que os indivíduos empregam par...

Por Sarah Birrell Ivory e Brad McKay, The Conversation