s
O avanço no estudo da mente humana depende da captura e compreensão do código neural do cérebro humano, ou seja, como disparos elétricos se transformam em memórias, emoções e comportamento Crédito: Jason Leung/Unsplash

TENDÊNCIAS

Quer decodificar o cérebro humano?

Os sonhos de restaurar a memória, apagar o medo e eliminar a depressão dependem da captura e compreensão do código neural do cérebro humano. Um grupo de cientistas está trabalhando nisso

Por Redação The Shift 13/10/2020

Um capacete, uma touca, biomarcadores, sensores de captura de movimento, rastreamento ocular e equipamento AR/VR. Esquecemos algo? Uma mochila para guardar a maior parte da parafernália. Batizado de Mo-DBRS, o projeto da Universidade da Califórnia (UCLA) está avançando na decodificação do cérebro humano. Ao acompanhar a movimentação de voluntários com implantes neurais, essa configuração permite aos pesquisadores explorar as reações humanas no mundo real. O voluntário só precisa ignorar os olhares de estranheza para seu capacete, claro.

"Apesar de sua aparência não convencional, o Mo-DBRS abre portas para a análise de sinais cerebrais em seres humanos em ambientes próximos ao mundo real, enquanto também tem a capacidade de alterar esses sinais cerebrais de maneira wireless com alguns toques em um tablet", escreve Shelly Xuelai Fan, em artigo no Singularity Hub. E por que a necessidade de movimento? "O movimento pode parecer uma adição trivial à varredura do cérebro, mas é uma virada de jogo. Muitas de nossas valiosas capacidades neurais – memória, tomada de decisões – são aprimoradas conforme exploramos o mundo ao nosso redor".

O Mo-DBRS é um sistema pensado para decodificar o funcionamento do cérebro humano e se tornar um passo para o que até agora é material de ficção científica: restaurar a memória, reverter a paralisia, apagar o medo ou eliminar a depressão. Longe da elegância do implante cerebral da Neuralink, esse sistema tem por objetivo a compreensão do código neural no cérebro humano, ou seja, como disparos elétricos se transformam em memórias, emoções e comportamentos. Neste primeiro momento, ele está sendo testado em voluntários que já possuem eletrodos implantados no cérebro para o tratamento de epilepsia. Com a ajuda do sistema, os pesquisadores esperam diagnosticar e prevenir suas convulsões.

Conteúdo exclusivo para membros da The Shift

Experimente grátis por 30 dias

25 jovens cientistas estão mudando o mundo

Inteligência Artificial

25 jovens cientistas estão mudando o mundo

O Fórum Econômico Mundial divulgou a lista dos 25 jovens cientistas que lideram hoje pesquisas que terão impacto nas mais variadas áreas da vida humana, da engenharia de tecidos a navegação espacial

Por Redação The Shift
A Internet dos Corpos já está entre nós

Inteligência Artificial

A Internet dos Corpos já está entre nós

Usar o corpo humano como uma plataforma de dados oferece enormes possibilidades, mas também novos riscos

Por Cristina De Luca
A vez das healthtechs

Entrevista

A vez das healthtechs

A saúde móvel ganhou maior visibilidade com a crise do Covid-19 e será dominante em alguns anos, aposta Michel Glezer, diretor da Qualcomm Ventures

Por Cristina De Luca