s
Tratar o feedback como uma conversa de via dupla permite construir soluções em colaboração Crédito: Ekaterina Bolovtsova/Pexels
GESTÃO

Precisamos falar sobre feedback

O feedback vai muito além do processo organizacional e pode ser uma ferramenta poderosa para construir relações de confiança

Por Soraia Yoshida 28/03/2022

Em sua palestra “Thanks for the Feedback: The Science and Art of Receiving Feedback Well”, a professora da Harvard Law School Sheila Heen explica que em uma sessão de feedback estruturado, quem está “no comando” é quem recebe o feedback – e não quem está dando o feedback, o que contraria normalmente a visão que temos. “É o receptor que decide o que vai receber, que sentido vai fazer disso e se ou como escolhe mudar”, disse ela à plateia do Nordic Business Forum. E, nesse sentido, como uma série de outras coisas que estamos construindo no mundo do novo trabalho, pode ser uma cocriação para que aquilo que fazemos e que os outros com quem trabalhamos fazem torne o resultado melhor.

Feedback, para a autora de “Difficult Conversations” e especialista em lidar com conflitos, vai além da avaliação formal de desempenho aplicada pelas empresas. Inclui todos os feedbacks informais – falados e não falados, diretos e indiretos. Para Sheila Heen, feedback compreende todos os sinais que recebemos das pessoas ao nosso redor. “É o seu relacionamento com o mundo e o relacionamento do mundo com você”, disse.

“O feedback é um processo que não é simples. E não estou falando isso nem em função do modelo de trabalho ou da realidade que a gente vive hoje desse cenário híbrido ou remoto. Você conseguir estruturar bem um feedback talvez seja um dos grandes desafios das lideranças”, afirma Caroline Cadorin, Diretora de Recrutamento da Land, empresa do Grupo Talenses. Segundo ela, a questão não é como usá-la para fazer uma gestão de excelência. “Para você trabalhar bem com feedback, é preciso planejar, construir o cenário”.

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis para ler agora
e acesse 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

O fim do sistema de comando e controle

Entrevista

O fim do sistema de comando e controle

Dani Plesnik, diretora de Talent & Culture da Deloitte aposta na criação de um ambiente de trabalho emocionalmente seguro, menos hierárquico. Um espaço para conexão que viabilize o trabalho em rede. "Não é rocket science", diz ela....

Teletrabalho: adoção ignora legislação

Gestão

Teletrabalho: adoção ignora legislação

Lei 14.442/22 foi sancionada, porém, em nada favoreceu a busca das empresas por uma equação que equilibre a produtividade e o bem estar dos trabalhadores em ambiente remoto ou híbrido.

A Inteligência Cultural (CQ) é indispensável às empresas

Liderança

A Inteligência Cultural (CQ) é indispensável às empresas

Porque no ambiente de negócios de hoje, já não é aceitável apenas valorizar ou entender a própria cultura ou ponto de vista. Devemos ser pensadores estratégicos com uma visão diversa de mundo.

O desafio laboral da realidade virtual

Gestão

O desafio laboral da realidade virtual

Pesquisadores mapeiam desconfortos físicos e psicológicos que, hoje, impedem a produtividade neste ambiente. Frustração, fadiga visual, enxaqueca, náusea e ansiedade são citados.

Trabalho flexível: startups fazem o match entre freelancers e empresas

Tendências

Trabalho flexível: startups fazem o match entre freelancers e empresa...

Marketplaces de profissionais apostam na formação de squads com profissionais independentes para acelerar o desenvolvimento dos projetos nas organizações.

Energia, desmatamento e net zero: foco ESG das corporações, em 2022

Sustentabilidade

Energia, desmatamento e net zero: foco ESG das corporações, em 2022

Europa lidera a corrida pela redução de emissões e China começa a despertar para as metas de 2050