s
Startups Low-Code e No-Code permitem que empresas lancem produtos digitais mais rápido e com menos envolvimento das equipes de TI Crédito: Unsplash
INOVAÇÃO

Plataformas Low-Code e No-Code apoiam a transformação digital

Startups Low-Code e No-Code permitem que empresas lancem produtos digitais mais rápido e com menos envolvimento das equipes de TI.

Junto com a digitalização, vem a demanda por mais software. Como resultado, o trabalho dos desenvolvedores cresce. Isso quando se encontra desenvolvedores em um mercado marcado pelo gap de talentos. O problema pode ser minimizado com o uso de plataformas Low-Code (pouco código) e No-Code (sem código), que reduzem ou até zeram a quantidade de código necessário para construir um software. Startups brasileiras, como Abstra, Zeev e Fluna, já oferecem soluções do tipo para resolver o problema global de oferta e demanda de programadores. A perspectiva é que o mercado cresça cada vez mais puxado pela transformação digital mundial.

“Os modelos tradicionais de desenvolvimento de software estão mal equipados para atender a as demandas da era digital. Em um ambiente típico, os usuários de negócios definem seus requisitos para os programadores, que desenvolvem aplicativos com base nessas especificações. O processo envolve várias iterações para acomodar mudanças e correções de bugs. Se os usuários não articularem claramente seus requisitos ou se os desenvolvedores interpretam incorretamente as solicitações, podem ocorrer atrasos, estouros de orçamento e desalinhamento entre as áreas de TI e negócios. Como os aplicativos não podem ser desenvolvidos sem codificadores, a escassez de conhecimento técnico cria gargalos e alimenta as guerras de talentos em todo o setor”, explica a Deloitte sobre os desafios enfrentados pelas empresas.

O movimento busca mudar esse cenário ao facilitar o desenvolvimento de aplicações, permitindo que até quem não é da área de Tecnologia da Informação possa construir software. A grande diferença entre as plataformas é que o Low-Code ainda requer alguma quantidade de código e conhecimento de programação, enquanto o No-Code elimina essa demanda. Em artigo publicado na Harvard Business Review, Chris Johannessen, Diretor de Transformação Digital do Axis Group; e Tom Davenport, autor e professor visitante na Universidade de Oxford, pontuam que as soluções de pouco código são tipicamente usadas por desenvolvedores profissionais ou empregados híbridos das áreas de negócios e TI para aumentar a produtividade. Já aquelas sem código são adequadas para profissionais não técnicos, conhecidos como desenvolvedores cidadãos (citizen developers, em inglês).

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis e tenha acesso a 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

No-Code e o Low-Code conquistam a IA

Inteligência Artificial

No-Code e o Low-Code conquistam a IA

Implementar soluções baseadas em Inteligência Artificial em todos os departamentos ajuda qualquer equipe a obter mais com maior eficiência.

Por Redação The Shift
Falta de profissionais de tecnologia: uma oportunidade para as Edtechs

Startups

Falta de profissionais de tecnologia: uma oportunidade para as Edtechs

As empresas têm sofrido para preencher as vagas de tecnologia, mas as startups de educação profissional buscam solucionar esse descompasso

Por Marina Hortélio
Cientista de dados: quem são e o que fazem no Brasil

Inteligência Artificial

Cientista de dados: quem são e o que fazem no Brasil

Estudo acadêmico traça o perfil de profissionais de Ciência de Dados no país, e ressalta a importância da multidisciplinaridade

Por Cristina De Luca
A capacidade de um programa de criar artigos impressiona cientistas

Inteligência Artificial

A capacidade de um programa de criar artigos impressiona cientistas

A escrita do GPT-3 parece ter sido criada por um humano. Esse programa de geração de linguagem também é capaz de escrever códigos limpos e suas habilidades poderiam ser usadas em várias áreas

Por Prasenjit Mitra, The Conversation