s
Crédito: Shuterstock
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

Cientista de dados: quem são e o que fazem no Brasil

Estudo acadêmico traça o perfil de profissionais de Ciência de Dados no país, e ressalta a importância da multidisciplinaridade

Por Cristina De Luca 31/03/2021

Para além das competências técnicas já esperadas, como o domínio da Matemática, profissionais de Ciência de Dados com atuação no Brasil apresentam forte domínio de “Habilidades de Negócio”, com conhecimentos acima da média em disciplinas como Gestão de projetos e Desenvolvimento de negócios. É o que revela um estudo acadêmico assinado por Luciana Monteiro-Krebs, Marcelo Coutinho Lima e Ricardo Cappra, publicado no livro “Pesquisas comunicacionais em interface com arte, tecnologia, religião, meio ambiente”, editado em comemoração aos 25 anos do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da UFRGS.

Dos 98 respondentes, 40% atuam majoritariamente na área de negócios, como gestor, líder ou empreendedor, 27% são da área de pesquisa, atuando como pesquisador, cientista e/ou estatístico. Desenvolvedores (programador e/ou engenheiro) correspondem a 17% dos respondentes da pesquisa e 16% são criativos (artista, hacker).

Receba grátis nossa newsletter

O estudo traz dados empíricos sobre o desafio da multidisciplinaridade na área de Ciência de Dados. Os resultados alertam para a necessidade de formar equipes com perfis diversos, que possibilitem olhares complementares para os dados, para construir soluções adequadas ao negócio.

“Quando calculamos as médias de proficiência nas 25 diferentes competências agrupadas por áreas, os profissionais apresentaram níveis acima da média em pelo menos uma competência em uma área diferente da sua área de origem”, explica Luciana Monteiro-Krebs, doutorando na KU Leuven, na Bélgica.

Por exemplo, cientistas de dados com atuação predominante em áreas de negócios também possui conhecimentos avançados (pontuação acima da média considerando todos os perfis profissionais) em Dados estruturados (Tecnologia), e Modelos gráficos (Matemática). Porém, apenas um pequeno percentual se considera especialista em todas as áreas (3,7%). A grande maioria declara ter um nível intermediário em quatro ou cinco áreas do conhecimento.

“E aí se apresenta um desafio tanto para profissionais quanto recrutadores, que é o perfil ‘excelente em tudo’, como algumas posições no mercado têm buscado. É difícil de ter, e difícil de achar”, explica Luciana.

Na verdade, 77% afirmam não possuir proficiência de especialista em nenhuma área. Assim, no Brasil, é mais fácil encontrar pessoas com nível intermediário em quatro ou cinco disciplinas utilizadas pela Ciência de dados (74,2% e 66,7%), do que especialistas em uma única área (33,3%).

 

MVP e MLOps: antídotos para falhas em projetos de Inteligência Artificial

Inteligência Artificial

MVP e MLOps: antídotos para falhas em projetos de Inteligência Artif...

Se um MVP com um grupo controlado de usuários é a melhor maneira de comprovar o desempenho de um modelo de IA, o MLOps é uma boa metodologia a ser aplicada

Por Cristina De Luca
Sua empresa precisa de um diretor de Inteligência Artificial?

Inteligência Artificial

Sua empresa precisa de um diretor de Inteligência Artificial?

A função de CAIO começa a ganhar relevância, assim como aconteceu com as dos CDOs, CAOs e CDAOs. Mas há realmente a necessidade dessas funções no alto escalão executivo?

Por Cristina De Luca
Uso da IA cresce na América Latina

Inteligência Artificial

Uso da IA cresce na América Latina

Os dados do estudo da MIT Technology Review Insights mostram que 79% das grandes empresas latino-americanas já estão usando IA e menos de 2% dos executivos consideram que as iniciativas em curso obtiveram ROI abaixo do esperado

Por Redação The Shift
Compartilhar dados é bom para os negócios

Inovação

Compartilhar dados é bom para os negócios

Mesmo quando evidências apontam que todo mundo que participar pode sair ganhando, a mentalidade de data sharing ainda está emperrando na questão da confiança

Por Redação The Shift
Especialista ou generalista? Melhor ter os dois na equipe

Tendências

Especialista ou generalista? Melhor ter os dois na equipe

Na hora de escolher os profissionais que integrarão a equipe, considere os problemas que sua empresa precisa resolver e o estágio de maturidade na hora de trabalhar com dados

Por Redação The Shift
Inteligência Artificial: principais tendências empresariais para 2021

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial: principais tendências empresariais para 202...

As empresa estão aumentando os orçamentos de aprendizado de máquina, apesar de ainda não terem conseguido traduzir os investimentos crescentes em eficiência e escala

Por Redação The Shift