s
Algumas indústrias e setores vão acomodar melhor o horário flexível, também conhecido como trabalho assíncrono, em que os colaboradores trabalham em horários diversos Crédito: Mart Production/Pexels
GESTÃO

O futuro do trabalho pode ser assíncrono

Dar aos colaboradores a flexibilidade de trabalhar nos momentos em que se sentem mais focados e produtivos pode representar um enorme ganho para as organizações. Mas há desafios

Por Soraia Yoshida 25/07/2022

No nosso mundo das mensagens instantâneas, do sempre conectado e dos “pings” no meio da madrugada (“Desculpe o horário, mas não queria esquecer essa ideia…” ou times que operam em outro fuso), a sensação de constante pressa e pressão está gerando níveis cada vez mais altos de estresse que terminam por afetar a produtividade e o bem-estar. Ao pensar em modelos e maneiras diferentes de realizar o trabalho, é bom incluir também o modelo assíncrono de trabalho. Ele pode complementar a flexibilidade oferecida pelo trabalho híbrido e ainda oferecer aos colaboradores a oportunidade de trabalhar quando se sentem mais produtivos ou mais focados.

O modelo assíncrono – chamado por alguns de flextime ou “horário flexível” – é visto como uma alternativa interessante para equipes que trabalham de forma remota ou projetos que envolvem talentos internos e externos. Nesse arranjo, as pessoas de um time, departamento ou da empresa inteira – depende de como for a combinação – escolhem o horário de início e término de seu trabalho, não se prendendo a um horário fixo. Para trabalhadores que buscam equilíbrio entre vida profissional e pessoal ou precisam ter um cronograma diferente para atender demandas da família, por exemplo, o horário flexível é uma maneira de gerenciar melhor seu tempo. Isso não significa, entretanto, que dentro dos combinados da equipe não haja reuniões ou dias em que essas pessoas precisem estar online simultaneamente ou mesmo presencialmente para discutir o andamento do projeto, fazer ideação ou atender clientes.

“O trabalho assíncrono veio para ficar, resolvendo um problema que envolve respeitar o relógio biológico de cada pessoa e também permitir que as pessoas tenham maior flexibilidade para montar suas agendas de forma que fiquem mais produtivas e motivadas”, afirma Isis Borge, Diretora da Talenses, empresa de recrutamento. Segundo ela, o trabalho assíncrono ou de horário flexível permite também que as pessoas possam “focar no autodesenvolvimento, incluindo cursos e também atividades voltadas ao bem-estar”.

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis para ler agora
e acesse 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

Um exame diferente para diversidade e inclusão

Gestão

Um exame diferente para diversidade e inclusão

O Teste de Bechdel-Wallace extrapolou as fronteiras da cultura pop e acabou por se tornar uma métrica de aferição da diversidade de gênero aplicável em qualquer instituição

O lado obscuro do trabalho remoto 

Carreira

O lado obscuro do trabalho remoto 

Falta de horário fixo, dispersão, procrastinação, isolamento social, menos engajamento, ansiedade e depressão são alguns dos efeitos que estão comprometendo a saúde mental dos profissionais

Aparando as arestas do “Grande Desgaste”

Gestão

Aparando as arestas do “Grande Desgaste”

O quiet quitting e a Great Resignation seguem fazendo um estrago. Para atrair talentos, as empresas estão transformando o atrito em negociação. Mas há que ter estratégias

O fim do sistema de comando e controle

Entrevista

O fim do sistema de comando e controle

Dani Plesnik, diretora de Talent & Culture da Deloitte aposta na criação de um ambiente de trabalho emocionalmente seguro, menos hierárquico. Um espaço para conexão que viabilize o trabalho em rede. "Não é rocket science", diz ela....

Teletrabalho: adoção ignora legislação

Gestão

Teletrabalho: adoção ignora legislação

Lei 14.442/22 foi sancionada, porém, em nada favoreceu a busca das empresas por uma equação que equilibre a produtividade e o bem estar dos trabalhadores em ambiente remoto ou híbrido.

A Inteligência Cultural (CQ) é indispensável às empresas

Liderança

A Inteligência Cultural (CQ) é indispensável às empresas

Porque no ambiente de negócios de hoje, já não é aceitável apenas valorizar ou entender a própria cultura ou ponto de vista. Devemos ser pensadores estratégicos com uma visão diversa de mundo.