s
360°
Crédito: Shutterstock
Por Cristina De Luca 05/10/2020

Quando em maio de 2019 o Banco Central do Brasil anunciou os primeiros contornos do PIX — o sistema de meio instantâneo de pagamentos que permitirá a realização de transferências e pagamentos em até 10 segundos, 24x7, e a um custo irrisório (alguns poucos centavos por transação) — muita gente não percebeu a tremenda desconcentração bancária que estava por vir.

Desconcentração essa que já começa a se traduzir em números: 927 instituições integram a mais recente lista de participantes do sistema, diretos ou indiretos, divulgada no último dia 2 de outubro. E 644 delas já estão prontas para iniciar hoje, de forma segura, o cadastro das chaves que irão permitir que pessoas físicas e jurídicas recebam pagamentos e transferências de recursos.

A quantidade de instituições participantes vem crescendo de forma contínua, o que demonstra não só o forte engajamento e compromisso do mercado com o modelo proposto, como também o despertar de uma série de empresas para a possibilidade de geração de novos modelos de negócio a partir do PIX. Dentre as instituições aprovadas, há uma multiplicidade de agentes, entre bancos, cooperativas, instituições de pagamentos, fintechs, financeiras, e-commerces, varejistas, entre outras. O que reforça o caráter aberto e universal desse novo arranjo de pagamentos.

Conteúdo exclusivo para membros da The Shift

Experimente grátis por 30 dias