s
Créditos: (Diego Ubilla/ Divulgação)
TENDÊNCIAS

Live Commerce: tendência ganha força no Brasil

Uma mistura de vídeos ao vivo com as vendas online, o Live Commerce melhora as vendas das empresas ao aproximar as marcas dos consumidores.

Duas pessoas apresentam os produtos da marca de chocolates Dengo durante uma live. Em uma conversa descontraída, os dois descrevem os produtos e contam um pouco da história da marca. Chega um momento em que os apresentadores cortam um panetone para mostrar como é o recheio. A imagem da mercadoria aparece em um quadradinho no canto da tela. Ao clicar, o espectador é encaminhado para um carrinho de compras em outra aba, onde o item já está adicionado e pode ser comprado com poucos cliques. Foi assim que a VTEX demonstrou como está trazendo o Live Commerce para o Brasil, ou Live Shopping, como a empresa denomina. Uma febre na China, o formato tem sido importado para o país na expectativa de impulsionar ainda mais o e-commerce.

O Live Commerce se baseia na ideia vender instantaneamente por meio de transmissões ao vivo, nas quais apresentadores apresentam os produtos e os consumidores podem interagir com comentários e reações. A estratégia pode ser usada tanto nos sites de lojas online, quanto em plataformas de redes sociais. Uma nova fase do e-commerce e parte da tendência do Social Commerce, o formato foi usado pela primeira vez no marketplace Taobao, do Alibaba, em 2016. Desde então, tem ganhado força na China e se expandido pelo mundo. No país asiático, o mercado de Live Commerce alcançou um valor estimado de US$ 171 bilhões, em 2020, segundo a McKinsey.

O formato tende a impulsionar os resultados das marcas ao criar uma maior proximidade com o consumidor, transformar a experiência de compra e favorecer as compras por impulso. As marcas nacionais têm percebido o impacto da estratégia. Na operação de Live Commerce da Americanas ao Vivo, foi registrado um crescimento de mais de 10 vezes na busca pelos produtos divulgados durante as lives e uma conversão de vendas sete vezes maior.

Conteúdo exclusivo para membros da The Shift

Aproveite a promoção e assine

Como, onde e por que as startups morrem

Startups

Como, onde e por que as startups morrem

Problemas com product-market fit são apontados como principal razão para o fracasso, segundo estudo da Failory. Daí a importância de saber a hora de pivotar o negócio

Por João Ortega
Deu match: Chief as a Service conecta startups com executivos de alto nível

Liderança

Deu match: Chief as a Service conecta startups com executivos de alto...

A ideia é permitir que startups contem com o apoio de um C-level por algumas horas semanais para resolver uma dor da empresa

Por Marina Hortélio
Digitalização atrai investimentos para América Latina

Inovação

Digitalização atrai investimentos para América Latina

Com recordes de investimento e surgimento de unicórnios, região está vivenciando os efeitos da segunda e terceira ordens da digitalização

Por Marina Hortélio
Faça um MVP para ter mais segurança sobre novos lançamentos

Startups

Faça um MVP para ter mais segurança sobre novos lançamentos

A implementação de um Produto Mínimo Viável reduz custos e riscos do lançamento de novos produtos

Por Marina Hortélio
Femtechs ultrapassam US$ 1 bilhão em captação pela primeira vez

Inovação

Femtechs ultrapassam US$ 1 bilhão em captação pela primeira vez

Elas brilham cada vez mais no mundo. Já, no Brasil, o ecossistema Femtechs ainda está sendo desenhado. Mas possui um grande potencial e também deve crescer rapidamente

Por Marina Hortélio
Govtechs vão em busca da transparência

Tendências

Govtechs vão em busca da transparência

Startups oferecem soluções inovadoras para setores dentro do governo e na outra ponta para cidadãos interessados em acompanhar a atuação nas esferas executiva e legislativa

Por Soraia Yoshida