s
A CEO da Nasdaq, Adena Friedman Crédito: Nasdaq
DIVERSIDADE

Faltam mulheres na liderança e nos boards

No estudo levantado pela ONG Catalyst, somente 5,8% das empresas do S&P têm mulheres como CEOs

A ONG norte-americana Catalyst, criada em 1962, é uma das referências em ações para melhoria da participação feminina no mercado de trabalho. A pirâmide mostra o percentual de mulheres trabalhando nas 500 empresas do índice Standard & Poor’s 500 (S&P), composto por 500 ativos cotados nas bolsas NYSE e NASDAQ. Só 5,8% das empresas do S&P têm mulheres como CEOs.

Em números absolutos, no final de 2019 eram 29 mulheres CEOs (veja a lista inteira aqui). Mas até o meio de 2020 a lista muda para 27: saem 4, incluindo Ginni Rometty, (anunciada na semana passada) e entram duas novas CEOs. O cenário fica ainda mais complicado quando falamos de raça: mulheres negras (3,8%), latinas (6,2%) ou asiáticas (2,4%) são presença ainda mais escassa na liderança.

A diversidade nos conselhos administrativos é outro ponto: outra pesquisa da Catalyst mostra que é um terreno ocupado majoritariamente por homens brancos (2/3 do total de 5.670 cadeiras em 2018). O banco Goldman Sachs resolveu influenciar o cenário declarando que a partir de 30 de junho de 2020 só atuará na abertura de capital (IPO) de empresas americanas ou europeias que tenham pelo menos uma mulher no board.

CADASTRE-SE GRÁTIS PARA ACESSAR 5 CONTEÚDOS MENSAIS

Ao cadastrar-se você declara que está de acordo
com nossos Termos de Uso e Privacidade.

Cadastrar

No Brasil, a pesquisa Panorama Mulher, feita pela Talenses e o Insper, também mapeia a presença de mulheres no mercado de trabalho. O estudo reúne dados de 532 empresas de todos os tamanhos, e identificou que apenas 1% das empresas de capital aberto no Brasil tinham CEOs mulheres em 2019.

Gap de gênero nas startups: fundadoras enfrentam mais barreiras

Diversidade

Gap de gênero nas startups: fundadoras enfrentam mais barreiras

Minoria no ecossistema inovador brasileiro, as mulheres enfrentam desafios como a captação de investimento, a criação de uma rede de contatos e o equilíbrio entre o empreendedorismo e a vida familiar.

Por Marina Hortélio
HRTechs aliadas da diversidade nas empresas

Diversidade

HRTechs aliadas da diversidade nas empresas

Startups de RH oferecem soluções, como entrevistas anônimas e análise de dados, para garantir a diversidade e inclusão nas companhias.

Por Marina Hortélio
Palavras têm poder. A linguagem inclusiva também em tech

Diversidade

Palavras têm poder. A linguagem inclusiva também em tech

Hora de revisitar os termos e palavras de tecnologia que podem reforçar preconceito racial ou outro preconceito discriminatório. A Universidade de Washington criou uma lista com 85 deles.

Reprograma faz escola contra o gap de gênero na tecnologia

Entrevista

Reprograma faz escola contra o gap de gênero na tecnologia

As mulheres, especialmente as negras e transexuais, ainda são minoria no mercado de tecnologia. A {reprograma} oferece cursos gratuitos de programação para mudar esse cenário, como conta a Cofundadora e Diretora de ensino Carla De Bona.

Por Marina Hortélio
A cultura da inovação e a criação de ideias no trabalho híbrido

Diversidade

A cultura da inovação e a criação de ideias no trabalho híbrido

Na cultura de inovação, a melhor ideia tem que vencer sempre e ela pode vir de qualquer pessoa. Veja como incentivar o processo de criação

Por Soraia Yoshida
A tecnologia que faz surdos e ouvintes se entenderem

Inteligência Artificial

A tecnologia que faz surdos e ouvintes se entenderem

Com o uso de Inteligência Artificial, a startup alagoana Hand Talk traduz português e inglês em línguas de sinais. O propósito é reduzir as barreiras de comunicação entre surdos e ouvintes, como conta o CEO Ronaldo Tenório

Por Marina Hortélio