s
Foto: Jon Tyson no Unsplash

LIDERANÇA

Falta de pessoas “tech savvy” na alta gestão prejudica negócios

Sem competências digitais, a transformação digital padece. Só 59% das ofertas de emprego para C-Level ou board pedem alguma habilidade digital. No caso de CEOs, nem isso

Por Silvia Bassi 13/06/2021

Quem vai fazer as “perguntas incômodas” que vão garantir a sobrevivência das empresas na economia digital? A falta de competências digitais na suíte executiva já era um problema antes da pandemia. De março de 2020 em diante, não saber reagir digitalmente ao novo cenário tornou-se ferida mortal para empresas de todos os tamanhos. E as pesquisas globais mostram que o cenário é muito pobre.

Não precisa ser geek, nerd ou ninja em tecnologia para liderar a transformação digital, mas “as empresas não podem mais se dar ao luxo de ter um executivo que confunda discussões sobre a nuvem com conversa fiada sobre previsão do tempo”, aponta um artigo publicado na Harvard Business Review pelos pesquisadores J. Yo-Jud Cheng (Derden), Cassandra Frangos (Spenser Stuart) e Boris Groysberg (HBS).

O X da questão, segundo eles, está nos processos de seleção de pessoas para os cargos de diretoria e cadeiras no board. Ao analisar centenas de ofertas de emprego recentes das empresas da Fortune 1000, descobriram que 59% delas pediam habilidades tecnológicas e/ou digitais, mas isso não era igualmente distribuído entre os cargos: 100% das especificações para CIOs, CMOs e CTOs exigiam tais habilidades, mas menos de um terço das especificações para diretores de recursos humanos e finanças faziam o mesmo, e só 40-60% das buscas por CEOs, diretores de board e de finanças pediam conhecimento técnico.

Receba grátis nossa newsletter

Um estudo da Accenture sobre o expertise tecnológico nos conselhos e no nível C-Level dos bancos descobriu que apenas 1 em cada 10 pessoas que integram a diretoria dessas instituições conhece o suficiente de tecnologia para fazer as perguntas certas que vão direcionar a transformação digital. O percentual de 2021 representa um avanço de ridículos 6% sobre o resultado da mesma pesquisa, feita em 2015.

Na Austrália, o estudo “Driving Innovation: the boardroom gap“, feito antes da pandemia, descobriu que apenas 3% das pessoas com cargos de diretoria nas empresas do país tinham algum background em STEM (Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática). O cenário revela que, na hora de priorizar investimentos e avaliar riscos, a maioria vai olhar para problemas tradicionais e deixar escapar as perguntas chatas que cobram mais inovação, simplesmente porque falta voz ativa na mesa.

A ausência de habilidades digitais no topo da “cadeia alimentar corporativa” é um luxo ao qual as empresas não podem mais se dar. E estamos falando de ter, pelo menos, metade da diretoria sabendo a diferença entre IA e IoT. Um artigo da MITSloan levanta a lebre: “grandes empresas com equipes executivas com experiência digital superaram o desempenho de empresas comparáveis ​​sem essas equipes em mais de 48%, com base no crescimento da receita e na avaliação”.

Mais flexibilidade no trabalho, menos burnout

Carreira

Mais flexibilidade no trabalho, menos burnout

Síndrome do burnout é resultante do estresse crônico no local de trabalho que não foi administrado com sucesso

Por Soraia Yoshida
Empatia é o skill mais importante para um líder

Carreira

Empatia é o skill mais importante para um líder

Os funcionários descrevem um líder empático como alguém transparente, justo e que cumpre o combinado em suas ações

Por Soraia Yoshida
Abes SW Conference dia 3: as pessoas são a chave da transformação digital

Inovação

Abes SW Conference dia 3: as pessoas são a chave da transformação d...

Grande parte dos profissionais brasileiros ainda precisam desenvolver as habilidades necessárias na nova economia, mas é possível solucionar esse problema com parcerias e um foco na rede pública de ensino.

Por Marina Hortélio
Abes SW Conference dia 1: sem inovação não há resiliência

The Shift

Abes SW Conference dia 1: sem inovação não há resiliência

No evento gratuito, os convidados também apontaram que saber trabalhar com parceiros, como as startups, é um ponto chave para criar uma empresa mais inovadora

Por Marina Hortélio
Trabalho remoto: é melhor todos juntos ou cada um no seu horário?

Liderança

Trabalho remoto: é melhor todos juntos ou cada um no seu horário?

Um estudo aponta que nem sempre a sobreposição de horário entre os colaboradores é sinônimo de aumento de produtividade

Por Soraia Yoshida
Como encarar situações difíceis no trabalho

Liderança

Como encarar situações difíceis no trabalho

A psicóloga e professora de Harvard Amy Cuddy explica como lideranças podem lidar com situações de muita pressão

Por Redação The Shift